Copa do Mundo 2014

Autores

Ronaldo Helal, Édison Gastaldo

Subtítulo

futebol, mídia e identidades nacionais

Editora

Lamparina editora

Cidade

Rio de Janeiro

Páginas

200

Ano

2017

ISBN

9788583160496

Sumário

Apresentação, 7
Ronaldo Helal e Édison Gastaldo“Brasil, me diz como se sente”: fútbol, música, narcisismo y Estado, o el fracaso de Mascherano, 10
Pablo Alabarces

Ecos da tragédia: o memorialismo esportivo e a representação da Copa de 1950, 35
Bernardo Borges Buarque de Holanda

Em debate, os (des)caminhos do jornalismo esportivo, 56
Márcio Guerra

O ritual nacional conflitivo do país do futebol: um resumo da Copa do Mundo de 2014 no Brasil, 69
Martin Curi

Neymar, craque e garoto-propaganda: um estudo de caso da apropriação publicitária do atleta, 86
Fausto Amaro, Ronaldo Helal e Camila Augusta Alves Pereira

#somostodosneymar: questões de identidade no jornalismo impresso ante o Brasil x Alemanha na Copa do Mundo de 2014, 106
José Carlos Marques

1 x 7 ≠ 50: por onde escoaram as lágrimas da Copa de 2014?, 124
Luiz Henrique de Toledo

Nova pátria de chuteiras? Copa de 2014, imprensa e as mudanças sobre o “país do futebol”, 135
Ronaldo Helal, Filipe Fernandes Ribeiro Mostaro e Francisco Ângelo Brinati

Porto Maravilha: construção da narrativa do branding urbano para a Cidade Olímpico 2016, 148
Ricardo Ferreira Freitas, Maria Helena Carmo dos Santos e Flávio Lins

As duas Copas do Mundo de 2014, 163
Édison Gastaldo

Sinopse

Após a Copa do Mundo de 2014, muitas coisas em que acreditávamos deixaram de fazer sentido. Por exemplo, a “tragédia” de 1950, nosso grande mito fundador como “país do futebol” (um jogo do qual somente os mais velhos têm registros na memória), perdeu boa parte de seu potencial dramático quando comparada com a humilhante derrota por 7 × 1, a que assistimos incrédulos em 2014, ao vivo e em cores. A “mística da camisa amarela”, nossa crença em que “com brasileiro não há quem possa” e no destino manifesto de glórias reservado ao futebol do Brasil, passou a parecer infantilidade, pensamento mágico, ingenuidade. Naquele jogo, algo se quebrou para sempre.

Nesse campo de significados muito mais dinâmico e surpreendente do que supúnhamos, este livro representa uma tentativa de explorar este momento de transição, momento em que instituições e processos se transformam, e em que aquilo que virá a ser novo ainda não se mostra de modo claro.

Os trabalhos publicados neste livro foram apresentados em um evento organizado pelo Laboratório de Estudos de Mídia e Esporte (Leme), da Uerj, em setembro de 2014. Com a participação de pesquisadores/as de renome internacional, esta coletânea representa um importante passo para nós, pesquisadores/as do esporte, superarmos a estupefação do primeiro momento e passarmos a pensar os significados articulados ao futebol na identidade nacional brasileira sob esta nova perspectiva.

Referência

HELAL, Ronaldo; GASTALDO, Édison. (Orgs.).Copa do Mundo 2014: futebol, mídia e identidades nacionais. Rio de Janeiro: Lamparina editora, 2017.