101.17

Como a camisa da seleção espanhola reaviva uma disputa política antiga

Matheus Pimentel

A Espanha vive um momento político turbulento. Em 1º de outubro, a Catalunha realizou um referendo em que a maioria dos eleitores disse “sim” para a independência da região. A validade da votação é rejeitada pelo governo central, que suspendeu a autonomia catalã. O mentor do referendo e agora ex-presidente regional da Catalunha, Carles Puigdemont, fugiu para a Bélgica após ser acusado de rebelião.

Em meio à situação catalã, algo aparentemente alheio à política voltou a mexer com a opinião pública e a história do país da península Ibérica: a camisa que a seleção espanhola de futebol usará na Copa do Mundo de 2018.

Na segunda-feira (6), a Adidas divulgou o novo modelo que os atletas espanhóis vestirão no campeonato mundial da Rússia. A marca também anunciou os modelos de outras seleções que patrocina, como Argentina, Alemanha e Colômbia.

Por que relacionam a camisa com a história espanhola

No lado direito da camisa, uma estampa com listras vermelhas e azuis cria uma ilusão de ótica de uma faixa na cor roxa. O roxo não está presente na bandeira atual da Espanha, mas existia na bandeira espanhola na década de 1930, no período conhecido como Segunda República. Foi o único momento da história do país em que o roxo apareceu como uma cor nacional, ao lado dos tradicionais amarelo e vermelho.

Esse período republicano, com uma faixa roxa na bandeira, durou apenas oito anos, entre 1931 e 1939, antecedido pelo reinado de Afonso 13 e sucedido pela ditadura do general Francisco Franco. Em 1936, durante o período republicano, militares nacionalistas espanhóis comandados por Franco se rebelaram contra o governo socialista da época e então teve início uma guerra civil, da qual saíram vitoriosos. Em 1939, com a vitória dos militares, a bandeira voltou a ter duas faixas vermelhas e o roxo foi excluído. O vermelho e o amarelo foram mantidos com a volta da monarquia em 1975, após a morte de Franco. A bandeira com a faixa roxa é usada ainda hoje por movimentos e ativistas republicanos.

Bandeiras da Espanha

À esquerda, bandeira atual da Espanha. À direita, a bandeira espanhola durante a Segunda República (1931-1939). Foto: Wikimedia Commons.

No novo uniforme da seleção masculina de futebol, as faixas de amarelo, vermelho e roxo seguem a mesma ordem da bandeira republicana. O azul-escuro, que junto ao vermelho cria a impressão do roxo, é uma cor que costuma aparecer nos uniformes do time.

Qual o sistema da Espanha hoje

Atualmente, a Espanha é uma monarquia parlamentar, chefiada pelo rei Felipe 6º. O monarca é o chefe de Estado, ou seja, representa o país internacionalmente e tem funções cerimoniais. O governo é comandado de fato por um primeiro-ministro. Na Espanha, o rei é também o chefe máximo das Forças Armadas. A Adidas nega qualquer intenção política no modelo e diz que a inspiração foi a camisa da seleção espanhola na Copa de 1994, que tinha uma estampa semelhante e foi fabricada pela mesma marca. Como a oposição reagiu ao uniforme

O assunto repercutiu na opinião pública e entre políticos espanhóis. Pablo Iglesias, líder do partido de esquerda Podemos, terceira maior força política no país e oposição ao governo do primeiro-ministro Mariano Rajoy, elogiou o uniforme, sem qualquer menção à controvérsia. Iglesias e o Podemos são republicanos.

“A nova camisa da seleção espanhola tem o seu encanto. Incorpora o azul quase roxo e relembra essa tentativa republicana de ampliar as cores da coroa de Aragão [região da Espanha atual que foi um dos reinos cuja fusão formou a Espanha], que são base da bandeira catalã e também da espanhola, para incluir o roxo de Castela [também uma região atual e reino antigo]”, publicou no Instagram Alberto Garzón, um dos líderes da oposição à esquerda. Garzón destacou que o caso foi pura coincidência e também uma “ironia da história”.

Como o governo reagiu ao uniforme

Mensagens desse tipo por parte de políticos desagradaram ao governo espanhol, segundo relato do presidente da Real Federação Espanhola de Futebol, Juan Luis Larrea. Em um momento delicado da política nacional, é um assunto indesejado para o governo. Larrea também disse que, com a polêmica, é possível que o time siga usando o modelo antigo “até que passe a tormenta”. Mas ele afirma que o detalhe do uniforme é azul, e não roxo, e qualquer mudança é improvável, por razões logísticas.

“Recebemos queixas lá de cima (…) O governo não apreciou nem o conjunto nem a camisa”
Juan Luis Larrea
presidente da Real Federação Espanhola de Futebol, ao jornal As

Juan Carlos Girauta, um dos líderes da base aliada, publicou no Twitter uma foto do novo uniforme com a seguinte mensagem: “É sério?”.

A estreia do novo uniforme aconteceu sábado (11), quando a Espanha jogou, em casa, um amistoso contra a Costa Rica. A equipe inteira posou para uma foto oficial com o novo modelo na quarta-feira (8), dia em que uma cerimônia de apresentação do uniforme aconteceria, mas foi cancelada após a controvérsia.

Este texto é uma republicação de artigo publicado no site Nexo Jornal.