133.32

Injustiças do futebol: David Luiz de herói para vilão

Vitor Freire

Quarta-Feira, dia 8 de julho de 2020, seria mais um dia de isolamento social na minha vida se não fosse lembrado do acontecimento de seis anos atrás, quando estávamos assistindo a derrota da seleção brasileira por 7 a 1 contra a Alemanha na semifinal da Copa do Mundo de 2014 em pleno estádio do Mineirão. Eu, formado em Educação Física, nunca vou esquecer do dia da matéria de Esportes Coletivos, a qual eu estava presente como monitor em 2019, em que, na intenção de argumentar sobre a importância dos esportes coletivos para o mundo, o professor Sérgio Giglio perguntou para a turma o que eles estavam fazendo no dia 8 de julho de 2014. Todos sabiam responder, não importando o quão apaixonado por futebol cada um era.

Ser jogador profissional de futebol representa mais que um ofício e a pressão nessa função representa mais que suas metas e objetivos. Um mau dia de trabalho pode representar a tristeza de muitos, além dele próprio. A pressão para exercer seu cargo representa a esperança de milhares. A imagem que me lembrou dessa data é a do David Luiz chorando. Quem me conhece sabe que sou uma pessoa de opiniões peculiares, que muitas vezes vão de encontro com o senso comum, então desde já gostaria de deixar claro que sou um dos grandes defensores do futebol e da personalidade do zagueiro. No último mês de junho, David Luiz falha grotescamente em duas partidas quase seguidas da Premier League e sou relembrado, por todos os fãs de futebol próximos a mim, que o David Luiz é uma vergonha e minha defesa a ele, além de inútil, é ridícula.

Eu não busco com esse texto e com as minhas falas aumentar o número de fãs do David Luiz, mas acredito que essa minha opinião está carregada da problematização sobre o peso de ser jogador de futebol e como uma falha nessa profissão pode acarretar prejuízos profissionais e pessoais. Esta problematização deve ser repassada para outras pessoas pensarem nestes casos e, por mais que não ajude no caso do David Luiz, pode ajudar outras pessoas a problematizar isso para outros jogadores.

David Luiz desponta no futebol brasileiro no E.C.Vitória, da Bahia, e com 20 anos se transfere ao Benfica, onde fica por quatro temporadas e depois se transfere para o Chelsea. No Chelsea ele vive a melhor fase da sua carreira, é considerado um dos melhores zagueiros do mundo, se torna titular da renovada seleção brasileira e tem a oportunidade de disputar uma Copa do Mundo em casa. Eu lembro do colunista do Camisa 012, Lucas Carmo, treinando bater faltas igual a David Luiz no nosso time da faculdade. Nessa edição da Copa, a zaga brasileira tem uma atuação sólida, com momentos (mesmo sendo zagueiro) de salvador, o David Luiz marca o único gol da seleção brasileira nas oitavas contra o Chile e bate um dos pênaltis da classificação brasileira para as quartas de final. Chegando nas quartas de final contra a Colômbia, David Luiz faz outro gol, esse um golaço de falta, e o Thiago Silva faz outro, garantindo a classificação brasileira para a semifinal.

Então chegamos ao dia 8 de julho de 2014, o Brasil (sem sua estrela Neymar, lesionado, e sem seu zagueiro titular, Thiago Silva, suspenso)  tem a chance de conquistar um título mundial em casa. Carregando o peso da pressão de uma nação nas costas, a seleção entra em campo. Infelizmente, a seleção faz uma das exibições mais atípicas da sua história e acaba sendo goleado pela forte seleção alemã, que na sequência se consagraria campeã mundial de futebol masculino. Esse jogo, que será lembrado para sempre com pesar na cabeça do brasileiro, teve um efeito maior para a carreira de alguns jogadores, como David Luiz e Fernandinho.

Choro, por Baptistão Caricaturas.

A cena do David Luiz, quando entrevistado ao final do jogo, dizendo em pleno choro “Eu só queria dar alegria ao meu povo” é uma das cenas mais difíceis de esquecer daquele dia. E assim eu começo a minha problematização do caso. Para ele decidir dizer isso após a partida, provavelmente era algo que estava na cabeça dele antes do jogo e durante o campeonato. Ele era um dos exemplos de humildade, carisma e alegria daquela seleção, jogando em um nível muito alto e resolvendo jogos tanto para o Chelsea quanto para a seleção brasileira. Hoje, ele é uma piada de mau gosto para os fãs de futebol, falar dele é falar de alguém que está envergonhando a nação.

Para ajudar na minha argumentação, vamos contextualizar a carreira de David Luiz naquele momento: um atleta de alto rendimento, vestindo a camisa da seleção brasileira em uma Copa do Mundo, um feito de realização extrema para a profissão. Mas ele ia além disso, estava disputando uma Copa em casa, sendo um dos pilares da seleção, marcando gol nas oitavas, batendo um dos pênaltis que resulta na classificação brasileira, marcando gol nas quartas. Quando chega na semifinal, a dois jogos da realização do maior sonho de qualquer futebolista brasileiro, faz um dos piores jogos da vida.

Não precisamos colocar em pauta a superioridade alemã e como aquela seleção brasileira se perdeu psicologicamente naquele jogo, porque isso, infelizmente, todos sabemos. Todavia, precisamos colocar em consideração o que aconteceu com esse atleta. Ele, que era um dos atletas mais queridos da seleção no dia 7 de julho de 2014, por conta de um jogo ruim no dia 9 de julho de 2014, se torna um dos atletas mais odiados do elenco. Nos meses que seguiram ao jogo e até hoje (em menor escala), David Luiz é xingado todos os dias em rede social por algum brasileiro que não tem o menor interesse em saber quem ele é, o que ele jogou e o que ele joga atualmente.

Veja bem: um dia em que os adversários foram tão superiores, que ele não encontrou o que fazer em campo, um dia ruim de trabalho. Ele, que era titular absoluto na seleção e de renome mundial, hoje é “só” um jogador mediano de um time mediano inglês. Desde 2014 não é mais convocado pra seleção e eu não vejo notícias positivas sobre ele, sendo que esteve durante todo esse período em grandes clubes europeus. Outro colunista do Camisa 012, Gabriel Monteiro, fã declarado do Arsenal, em algumas conversas disse que o David Luiz estava jogando em ótimo nível até suas falhas esse ano. Entretanto, toda vez que o David Luiz aparece nas notícias é por conta de alguma falha dele. Mas pergunto: ele, que jogou quase todos os jogos da temporada durante todos esses anos, em quantos lances ele apareceu para você? Será que os únicos lances que mereceram atenção foram suas falhas?

A pressão de um jogador de futebol é gigante, a pressão de um jogador de futebol da seleção brasileira é maior ainda, sendo assim, imaginem a pressão de um jogador de futebol da seleção brasileira jogando a Copa em casa. Aquela seleção sucumbiu à pressão. Mesmo sendo só um jogo da trajetória dos jogadores, foi o suficiente para “quebrar” a carreira de alguns que estavam presentes. Admiro o David Luiz pela personalidade de nunca se irritar diante de todas as situações injustas que foram colocadas na sua carreira; admiro o David Luiz por nos ter aproximado daquele sonho de 2014; admiro por passar por tudo que ele passou (e passa) e ainda ser um jogador de alto rendimento; admiro por vestir a camisa brasileira com uma paixão contagiante. Talvez muitos só se lembrem da vergonha que ele passou conosco em 2014, mas serei um daqueles que lembrarão da sua coragem, da sua raça e da sua simplicidade. Ele tinha um sonho, falhou em um momento importante dessa busca e essa falha o marcou, mas quem sabe em uma outra realidade, na qual ganhamos aquele jogo de alguma forma e fomos campeões em casa contra a Argentina, eu não tenha a oportunidade de ver em Diadema ou em Salvador algo dele marcado com a frase: “eu trouxe alegria pro meu povo”.

Como citar

FREIRE, Vitor. Injustiças do futebol: David Luiz de herói para vilão. Ludopédio, São Paulo, v. 133, n. 32, 2020.