128.9

De igual para igual

Lucas do Carmo Santos

Meus finais de semana de agosto passado pra cá, geralmente tem sido assim: sábado de manhã um jogo da Premier League, domingo de manhã a mesma coisa, e à tarde pelo menos 45 minutos de um jogo do brasileirão. E então, após a final do mundial, que vimos muita gente falar que o Flamengo jogou de igual para igual contra o Liverpool, gostaria de fazer uma reflexão sobre a diferença do campeonato inglês e o brasileiro, e colocar no final, minhas expectativas para o ano do São Paulo, que vem fazendo bons jogos.

Alguns números para embasar a conversa (lembrando que a Premier League está na 25ª rodada). Ano passado vimos 876 gols no Brasileirão, contra 691 até agora na Premier. Foram cerca 1371 chances criadas no Brasileiro contra 1015 até agora na PL. E pasmem, em 38 rodadas do Brasileirão cada time trocou em média 347,2 passes completos, contra 364,1 em 25 rodadas no Inglesão. Logo de cara os números chamam a atenção para a diferença entre os dois campeonatos. Os 90’+acréscimos são iguais nas duas ligas, evidenciando que aqui no Brasil, em alguma parte dos minutos jogados provavelmente a bola está parada, que provavelmente a troca de passes é realizada com menor velocidade ou então não é valorizada como na terra da rainha. Ainda assim, não me preocupa tanto esse aspecto, embora, seja o mais discrepante.

Fernando Diniz é o treinador do São Paulo. Foto: Rodrigo Gazzanel/ALLSPORTS.

Quero colocar o foco nas chances criadas, e nos gols feitos. Quem tem assistido rodada após rodada da PL tem visto times concentrados, confiantes nas propostas e bem treinados. Raramente você encontra um time sem identidade, e além de tudo isso, ainda é possível ver times que subiram da 2ª divisão brigando por seu espaço dentro do campeonato e complicando a vida dos grandes, inclusive tentando rivalizar em posse de bola.

Trazendo para a conversa o nosso tricolor, a era Diniz de 2019, foi muito complicada como prevemos no nosso primeiro texto “A culpa não é do Cuca”, ele tem um estilo de jogo complexo e não teve tempo pra treinar, em meio a altos e baixos ainda conseguiu a esperada classificação do clube para a Libertadores. Com isso, Fernando Diniz entra em 2020 como técnico mais perto da demissão do futebol nacional, mas o tempo de treino e preparação mostrou resultado e os primeiros jogos do ano trouxeram esperança para quem acompanha o time com um futebol vistoso que é incomum no Brasil, porém comum na liga inglesa.

Por fim, o desejo é que nessa temporada, a minha vontade de ver o futebol brasileiro e o São Paulo, volte a ser como era antes, ou seja, como é hoje minha disposição de ver o campeonato Inglês.