136.57

Desigualdade internacional nas ligas de futebol: tropeçando em vestígios coloniais?

Victo Silva

Há cinco anos, encontrei um artigo da ESPN destacando como dois clubes portugueses, Benfica e Porto, compraram jogadores brasileiros a “preços de banana” e os revenderam por valores astronômicos no mercado europeu:

“Jogadores de futebol brasileiros são commodities que Portugal sabe muito bem transformar em produtos de valor acumulado. Recentemente, sete desses atletas que o Brasil produz em tão grande escala saíram do país como diamantes brutos, a preço reduzido, para serem revendidos pelos portugueses por muito mais dinheiro, representando um lucro total de estratosféricos R$ 476,51 milhões [cerca de € 110 milhões na taxa de câmbio de 2019] ” (ESPN, 2014)

Imediatamente, pensei nessas relações comerciais como uma espécie de neocolonialismo: a exploração de uma matéria-prima na periferia a preços baixos para ser comercializada a preços altos nos mercados centrais. Porém, nunca fui além de imaginar (com um pouco de ressentimento) esse suposto pacto colonial 2.0. Até que descobri o transfermarkt.

Transfermarkt é um site alemão que fornece dados de transferência para as principais ligas de futebol do mundo. Os filtros da base de dados do mercado de transferências permitem-nos, por exemplo, aceder às transferências que uma liga de um determinado país (digamos, Portugal) efetuou com atletas provenientes de outro país específico (digamos, Cabo Verde), numa data específica (digamos, os dez períodos anuais entre as temporadas 07-08 e 17-18). Além disso, o site permite identificar as despesas, receitas e o saldo resultante dessas transferências. De repente, não precisei mais deixar aquela hipótese neocolonial apenas na minha imaginação.

Coletei alguns dados e o que apresento aqui se divide em três partes: primeiro, um breve resgate histórico das relações comerciais entre as metrópoles e suas colônias entre os séculos XVI e XIX. Na segunda parte apresento os dados. Optei por um corte cronológico de dez temporadas (07-08 a 17-18) para duas ligas: Primeira Liga, a principal liga portuguesa e Ligue 1, a principal liga francesa. Apresento os valores transacionais (receitas, despesas e saldos) e um cálculo de retorno sobre o investimento (ROI) muito simples dessas ligas em relação aos jogadores de suas ex-colônias. Há evidências de uma relação especial entre essas ligas e as ligas de suas ex-colônias. Por fim, discuto os resultados: estamos observando uma relação neocolonialista disfarçada de mercado livre ou estamos observando a formação de outra coisa? Esperamos que este breve e introdutório ensaio esclareça uma realidade que, independentemente das classificações conceituais atribuídas, enfoca as desigualdades internacionais entre as ligas de futebol do mundo: algumas ligas são verdadeiros celeiros de talentos e acabam recebendo muito pouco pela formação de atletas.

Comércio colonial: assimetrias e determinação de preços

Não me aprofundarei nas peculiaridades do comércio colonial. Recorro ao clássico de Fernando Novais, Portugal e o Brasil na Crise do Antigo Regime (NOVAIS, 2005), para um ponto principal apenas. O autor demonstra como as principais exportações da metrópole (i) vieram das colônias (principalmente do Brasil no caso português) e (ii) como os preços foram determinados.

A exclusividade metropolitana – o comércio das colônias com outras nações era proibido – permitia à metrópole lucrar duas vezes: comprar pelo menor preço possível das colônias e vender pelo maior preço possível na Europa. Em outras palavras, eram um monopsônio e um monopólio ao mesmo tempo (NOVAIS, 2005, p.89). A posição de poder que permitia à metrópole pagar o mínimo aos seus fornecedores mantinha a renda colonial em um nível muito baixo (no nível de subsistência), drenando qualquer possível fonte de excedente colonial. Isto não apenas para melhorar o nível de renda da metrópole, mas também para manter as colônias em estado de inércia, posto que qualquer excedente poderia ser direcionado para a ativação de novas forças econômicas.

Que tal hoje? As ligas europeias desfrutam de uma posição de poder semelhante?

Explorando os dados do Transfermarkt

Em primeiro lugar, devo apresentar algumas informações importantes sobre as principais ligas de futebol. A Tabela 1 resume os números importantes para o propósito deste ensaio. Reúne seis ligas europeias (Premier League – Grã-Bretanha; Série A – Itália; La Liga – Espanha; Bundesliga – Alemanha; Ligue 1 – França; Primeira Liga – Portugal) e uma liga sul-americana (Série A – Brasil). Na segunda coluna temos a porcentagem de jogadores estrangeiros para cada liga na última temporada considerada (18/19 para os europeus; 19 no Brasil). A terceira coluna apresenta o valor de mercado atual para cada liga (a soma dos valores de mercado de todos os jogadores para cada liga) em bilhões de euros. Finalmente, as três últimas colunas mostram expedições, receitas e o saldo final das transações para cada liga nas dez temporadas observadas (da temporada 07/08 à temporada 17/18) em milhões de euros.

Tabela 1 – Dados agregados para ligas selecionadas

Liga

%Estrangeiros 18/19

Valor mercado (B €)

Despesa (M €)

Receita (M €)

Balanço (M €)

Premier League

67%

8,51

11.940,0

6.660,0

–         5.286,4

Serie A (IT)

57%

4,89

6.880,0

6.070,0

–            805,7

La Liga

42%

5,69

5.360,0

4.670,0

–            690,3

Bundesliga

53%

4,54

3.970,0

3.140,0

–            835,0

Ligue 1

46%

3,43

3.540,0

3.490,0

–              55,0

Primeira Liga

63%

1,13

1.040,0

2.260,0

1.220,0

Serie A (BR)

9%

0,98

776,5

1.940,0

1.160,0

            Fonte: elaborado pelo autor, dados do transfermarkt

Os números indicam dois grupos diferentes: compradores e vendedores. Quase todas as ligas europeias, com exceção da Primeira Liga, são compradoras. O saldo negativo de 10 anos nas transações atesta que essas ligas não dependem de vendas para financiar seus orçamentos (esta é uma visão agregada – dentro de cada liga, isso não é uma característica homogênea). Entre os compradores, também há uma estratificação. A Premier League está claramente na sua própria divisão. Em primeiro lugar, seus gastos são iguais aos gastos combinados da Série A (Itália) e La Liga nos últimos 10 anos. Seu enorme saldo negativo acumulado é uma evidência de que a Premier League realmente não está preocupada em economizar dinheiro quando se trata de comprar jogadores. Mais de cinco bilhões de euros em déficit é o dobro dos saldos negativos combinados de todas as outras quatro ligas de compradores.

Além disso, isso diz algo sobre o valor de mercado da Premier League. As outras quatro ligas também estão inundando o mundo com dinheiro em troca de jogadores, apenas em uma escala menor. Com relação a este quarteto, é interessante notar que a Série A (Itália) passou vários anos equilibrando despesas e receitas (um sinal de que as outras fontes de financiamento não eram tão boas), mas recentemente recuperou seu ímpeto de comprador; A Liga 1 tem um registro mais equilibrado, quase equilibrando o saldo de 10 anos. Ainda assim, na última temporada analisada viu um grande aumento no déficit de transações (cerca de 90 milhões de euros), uma evidência de que os franceses estão determinados a aumentar os gastos.

No outro grupo, temos os vendedores. Primeira Liga e Série A (Brasil) trazem consigo um registro histórico de exportação de jogadores. Na verdade, essas são as duas ligas no universo transfermarkt que mais lucraram com as transações de jogadores neste período de 10 anos. Esta é uma forte evidência de que vender jogadores não é apenas uma fonte complementar de financiamento para estas duas ligas: está na base de seu modelo de negócios. No entanto, há algo curioso neste grupo. Se esses vendedores são exportadores líquidos, devemos esperar encontrar uma baixa porcentagem de jogadores estrangeiros em seus clubes, certo? Não necessariamente. Este é o caso da Série A (Brasil) com 9% de estrangeiros, mas a Primeira Liga e sua impressionante legião estrangeira (63% dos jogadores) encontra uma maneira de (i) ganhar dinheiro vendendo jogadores e (ii) manter parte dele para em si. Vamos ver como eles fazem isso.

Primeira Liga

A figura abaixo mostra os países analisados: ex-colônias com relações comerciais significativas entre suas ligas e a liga principal de sua antiga metrópole.

A tabela abaixo concentra os dados relevantes para as transações da Primeira Liga no período 07-08/17-18. Existem dois blocos de dados. O primeiro está disponível diretamente no transfermarkt: despesas, receitas e o saldo resultante das transações de jogadores de determinados países. A quarta coluna – ROI – é um cálculo simples da relação saldo / despesa. Este bloco de dados é retomado na linha “total de ex-colônias” – onde podemos observar que, no total, 21% ou um quinto do saldo da Primeira Liga é proveniente da venda de jogadores das ex-colônias portuguesas. Ok, isso não é muito, pode-se argumentar. Mas observe mais de perto os números de alguns países e o ROI, por exemplo, Brasil. No período observado, a Primeira Liga lucrou um euro para cada euro gasto em jogadores brasileiros, portanto o ROI de 106%. Certamente um bom negócio: a Primeira Liga está vendendo jogadores brasileiros pelo dobro do preço que pagou por eles. Mas para os outros países, os números disparam. Os jogadores de Angola e da Guiné-Bissau estão fornecendo à Primeira Liga impressionantes ROI de 227% e 245%, respectivamente. Os jogadores cabo-verdianos apresentam um rendimento de 418%. E os jogadores de Moçambique são, de longe, o melhor investimento do mercado: 722% de ROI não pode ser encontrado em lugar nenhum.

Tabela 2 – Dados agregados para Primeira Liga (PT)

 

Despesas (€)

Receitas (€)

Balanço (€)

ROI (balanço/despesas)

Primeira Liga Total

1.040.000.000,00

2.260.000.000,00

1.220.000.000,00

117%

Jogadores Brasil

221.770.000,00

456.800.000,00

235.030.000,00

106%

Jogadores Angola

375.000,00

1.230.000,00

850.000,00

227%

Jogadores Moçambique

266.000,00

2.190.000,00

1.920.000,00

722%

Jogadores Guiné-Bissau

1.000.000,00

3.450.000,00

2.450.000,00

245%

Jogadores Cabo Verde

3.500.000,00

18.130.000,00

14.630.000,00

418%

Jogadores São Tomé

700.000,00

700.000,00

Total Ex-Colônias

226.911.000,00

482.500.000,00

255.580.000,00

113%

Representatividade das ex-colônias

22%

21%

21%

Jogadores Portugal

124.550.000,00

870.800.000,00

746.250.000,00

Outros estrangeiros

688.539.000,00

906.700.000,00

218.170.000,00

32%

Representatividade outros estrangeiros

66%

40%

18%

Total estrangeiros

915.450.000,00

1.389.200.000,00

473.750.000,00

52%

Representatividade estrangeiros

88%

61%

39%

Estrangeiros ex-colônias/estrangeiros

25%

35%

54%

Fonte: elaboração própria, dados da transfermarkt

O segundo bloco de dados traz informações sobre a representatividade de diferentes grupos: de ex-jogadores de colônias, de outros estrangeiros e, principalmente, da relação entre esses dois grupos. O interessante aqui são os diferentes papéis desempenhados por jogadores de ex-colônias e jogadores estrangeiros de outras nações. 66% das despesas da Primeira Liga foram direcionadas para a compra de jogadores estrangeiros de outros lugares (exceto de suas ex-colônias). No entanto, apenas 18% do saldo da liga pode ser creditado em transações relacionadas a este grupo. Por outro lado, os ex-jogadores das colônias contribuíram com 21% do saldo total, embora representem apenas 22% das despesas da liga. Por fim, a relação apresentada na última linha contém uma mensagem importante: 54% do saldo proporcionado pelas transferências de jogadores estrangeiros deve ser creditado a jogadores das ex-colónias; eles realmente são diamantes brutos.

Ligue 1

Procedo aqui da mesma maneira. A figura a seguir sintetiza as nações abrangidas pelo exercício: apenas as ex-colônias da França com laços comerciais significativos envolvendo suas ligas e a Ligue 1.

A Tabela 3 contém dados agregados da Ligue 1 compreendendo as temporadas 07–08 / 17–18. Novamente, podemos dividir a análise desses dados em dois blocos. O primeiro bloco diz respeito às transações entre a Ligue 1 e as ligas de suas ex-colônias. O padrão de ROI positivo se mantém (com exceção do Congo e Burkina Faso), embora seja muito mais heterogêneo do que o apresentado pela Primeira Liga. Mais uma vez, encontramos ROI muito alto para dois países: Marrocos (233%) e Gabão (196%). Mas, no geral, o ROI agregado de todas as transações entre Ligue 1 e as ex-colônias francesas tem um valor “modesto”: 41%. A média da Primeira Liga, para comparação, é de 113%.

Embora o modelo da Ligue 1 seja diferente do português, é possível vislumbrar uma relação especial entre a liga e as ex-colônias francesas ao analisar os dados do segundo bloco. Embora apenas 14% dos gastos da Ligue 1 sejam com jogadores de suas ex-colônias, esses mesmos jogadores representam 40% da receita total do comércio de jogadores estrangeiros. Ou seja, embora as transações comerciais envolvendo jogadores não sejam a principal fonte de renda, ou modelo de negócios, da Ligue 1, as transações com ligas de ex-colônias francesas rendem muito bem aos cofres dos clubes franceses.

Tabela 3 – Dados agregados para a Ligue 1

 

Despesas (€)

Receitas (€)

Balanço (€)

ROI (balanço/despesas)

Ligue 1 Total

3.540.000.000,00

3.490.000.000,00

– 54.970.000,00

Jogadores Costa do Marfim

105.800.000,00

178.550.000,00

72.750.000,00

69%

Jogadores Marrocos

21.850.000,00

72.720.000,00

50.870.000,00

233%

Jogadores Tunisia

41.850.000,00

61.330.000,00

19.480.000,00

47%

Jogadores RD Congo

13.500.000,00

21.100.000,00

7.600.000,00

56%

Jogadores Congo

12.800.000,00

9.200.000,00

– 3.600.000,00

-28%

Jogadores Mali

48.750.000,00

49.900.000,00

1.150.000,00

2%

Jogadores Mauritânia

700.000,00

– 700.000,00

Jogadores Níger

1.450.000,00

– 1.450.000,00

Jogadores Togo

11.500.000,00

12.500.000,00

1.000.000,00

9%

Jogadores Gabão

12.050.000,00

35.700.000,00

23.650.000,00

196%

Jogadores Senegal

116.840.000,00

121.730.000,00

4.890.000,00

4%

Jogadores República CA

23.100.000,00

36.600.000,00

13.500.000,00

58%

Jogadores Camarões

67.000.000,00

94.050.000,00

27.050.000,00

40%

Jogadores Burkina Faso

26.600.000,00

18.150.000,00

– 8.450.000,00

-32%

Total ex-colônias

503.790.000,00

711.530.000,00

207.740.000,00

41%

Representatividade ex-colônias

14%

20%

378%

Jogadores França

1.050.000.000,00

1.690.000.000,00

640.600.000,00

Outros estrangeiros

1.986.210.000,00

1.088.470.000,00

– 903.310.000,00

-45%

Representatividade outros estrangeiros

56%

31%

Total estrangeiros

2.490.000.000,00

1.800.000.000,00

– 695.570.000,00

-28%

Representatividade estrangeiros

70%

52%

Estrangeiros ex-colônias/estrangeiros

20%

40%

-30%

Fonte: elaboração própria, dados da transfermarkt.

Discussão

Antes de voltar à questão central – se existe ou não neocolonialismo na prática comercial do futebol profissional – precisamos apontar algumas coisas. A relação de negociação extremamente assimétrica entre as ligas europeias e as suas homólogas nos países em desenvolvimento deve ser tida em consideração. Não há dúvida de que as relações comerciais beneficiam jogadores e ligas na periferia, mas o ROI abismal que encontramos para algumas relações bilaterais é muito alto (entre 200-700%!) até mesmo para ser compensado pelo mecanismo de solidariedade da FIFA (5 % das vendas futuras retornam para a (s) equipe (s) do jogador com idades entre 12 e 23 anos).

Este problema deve ser articulado multilateralmente, em nível de fórum da FIFA, mas também depende do avanço da profissionalização do futebol nos países periféricos (embora a profissionalização desse setor nas economias periféricas tenha efeitos deletérios como a exclusão de classes populares dos estádios, assunto para outro artigo).

Alguém poderia defender a posição das ligas europeias afirmando que elas estão, na verdade, explorando canais comerciais estabelecidos e compatibilidades de idiomas para promover o futebol em recantos esquecidos do futebol global. Mas, novamente: nada justifica uma alavancagem de 700%. Há uma clara posição de poder sendo alavancada pelas ligas europeias ao negociar com suas ex-colônias.

Ainda assim, existem alguns argumentos muito bons contra a hipótese do neocolonialismo também. Em primeiro lugar, o estudo está pelo menos incompleto – é necessário olhar para os dados completos das ligas das ex-colônias, por exemplo, talvez sua posição de barganha seja inferior, não especificamente em relação as suas antigas metrópoles, mas em relação a um grande conjunto de outros países; (e mesmo ligas fracas em relação ao cenário europeu podem replicar a posição de poder ao lidar com seus vizinhos menos afortunados, por exemplo: o Brasil na américa latina). Se corroborado, isso indicaria que as regras de comércio global se assemelham muito mais a uma abordagem centro-periferia (alguém leu as primeiras publicações da CEPAL, como Celso Furtado e Raul Prebisch?) do que um mercado neocolonial. E na verdade, há algumas evidências de que isso pode ser verdade: se em vez de olhar para o comprador observarmos o vendedor (e.g.: Série A brasileira) o que veremos? Quem está lucrando com as transações com jogadores brasileiros? Em primeiro lugar, bem, Brasil. A Serie A é a que mais aproveita, seguida pela Primeira Liga. Mas então, há um terceiro vencedor! A liga ucraniana vem lucrando muito nos últimos 10 anos vendendo jogadores brasileiros de futebol. E não há nenhuma conexão colonial histórica entre o Brasil e a Ucrânia.

No entanto, uma lição importante deste breve exercício é: Portugal é algo diferente. Como vimos, a Primeira Liga é o único exemplo no universo abrangido por este exercício que está ao mesmo tempo repleto de jogadores estrangeiros e continua a registar lucros crescentes nas transações. Parece ter desenvolvido uma espécie de posição de plataforma, ou modelo de plataforma: eles mantêm alguns jogadores longe de suas negociações, mas têm em mente que vender é tão importante quanto manter. Uma explicação para isso poderia estar em um nível mais desagregado, se olharmos dentro da liga: no nível do clube, quem colhe os lucros? Benfica e Porto, principalmente. Estes clubes estão ao mesmo tempo num contexto continental de alto nível (liga dos campeões) e num contexto nacional de baixo nível (em termos de competitividade). As 86 edições do campeonato português registam apenas cinco vencedores, sendo o Boavista e o Belenenses campeões apenas uma vez. Os outros 84 troféus foram repartidos entre Benfica (37), Porto (28) e Sporting (18). Portanto, concentram os benefícios de estar em uma liga nacional onde as equipes podem montar seus planteis com mais liberdade e se arriscar (os custos de oportunidade são menores do que em ligas mais competitivas), uma vez que não são ameaçados por nenhum outro clube, ao mesmo tempo que exibem seus destaques no grande palco da liga dos campeões.

Em suma, esta investigação não é encerrada pelo breve exercício numérico desenvolvido neste artigo. Seu propósito é exatamente o contrário: fomentar o debate sobre o assunto. Recentemente, times brasileiros iniciaram um movimento de profissionalização. É importante que eles tenham em mente este contexto internacional. As ligas europeias têm uma tradição importante: elas criaram o esporte. Ainda assim, desigualdades como as aqui apresentadas provavelmente estão dificultando o desenvolvimento do esporte em muitos lugares: lugares em todo o mundo que, com melhor infraestrutura, poderiam ser palco de seus talentos nativos.

Referências

https://www.transfermarkt.com/

ESPN, 2014. Comprando barato e vendendo caro, portugueses lucram quase R $ 500 milhões com apenas sete brasileiros.

NOVAIS, Fernando. Portugal e Brasil na Crise do Antigo Sistema Colonial (1777–1808). São Paulo: HUCITEC. 2005 [1979]


Como citar

SILVA, Victo. Desigualdade internacional nas ligas de futebol: tropeçando em vestígios coloniais?. Ludopédio, São Paulo, v. 136, n. 57, 2020.