16.3

Estádio do Corinthians – Um sonho antigo

Douglas Nascimento

O sonho do Corinthians em construir um estádio com dimensões suficientes para acomodar sua imensa torcida é um desejo antigo. Embora sempre muito desdenhado pelos torcedores de equipes rivais a verdade é que o clube tem estádio. Pequeno, é verdade, mas mesmo assim um digno estádio de futebol.

Foi na segunda metade do século XX que alguns clubes da cidade de São Paulo viram a necessidade de construírem seus próprios estádios para mandarem seus jogos. O público nos estádios cresciam, mais campeonatos surgiram e apenas o Pacaembu como palco principal do futebol paulistano já não era suficiente.

O São Paulo Futebol Clube inaugurou seu estádio totalmente concluído em janeiro de 1970. Dois anos depois, em 1972, a Associação Portuguesa de Desportos inaugurava o seu. Palmeiras, Juventus e Nacional já possuiam seus estádios e o Corinthians, embora com um estádio em sua sede no Parque São Jorge sabia que precisava de algo maior, proporcional ao gigantismo de sua fanática torcida.

Durante o regime militar o futebol foi largamente utilizado como uma maneira de distrair a população dos problemas mais urgentes da nação e largamente manipulado pelos governantes. Em 1970 na inauguração total do Cícero Pompeu de Toledo, o presidente Médici se fez presente.

Mas e o Corinthians? Como reagiu vendo seus principais rivais erguendo estádios ? O Timão resolveu intensificar sua luta em um espaço para um novo estádio a partir do segundo mandato do presidente Vicente Matheus, iniciado em 1972.

Vicente Matheus (esq.) e Oswaldo Teixeira Duarte (dir.) – Amizade além do gramado. Foto: Divulgação – Acervo São Paulo Antiga.

Para realizar o sonho de um novo estádio, Vicente Matheus precisaria de muito dinheiro e de apoio público. A cidade de São Paulo estava em expansão e os preços de áreas disponíveis para a construção de um estádio não estavam tão acessíveis. Foi então que surgiu em cena a figura mítica do histórico dirigente da Portuguesa e então vereador da cidade de São Paulo, Dr. Oswaldo Teixeira Duarte.

Duarte e Matheus eram muito amigos, o dirigente da Lusa representava constantemente o mandatário corinthiano em reuniões na Federação Paulista de Futebol, pela plena confiança mútua e respeito que um tinha pelo outro. E a figura de Oswaldo Teixeira Duarte como político foi fundamental para na segunda metade da década de 1970 aproximar Vicente Matheus do poder e da figura do Presidente da República, Ernesto Geisel.

Geisel e Vicente Matheus. Crédito: O Estado de S. Paulo (reprodução).

Com o apoio de Geisel em prol de um estádio para o Corinthians, a região de Itaquera onde futuramente passaria o Metrô foi planejada para ser o local do novo estádio do Timão, na gestão do então Prefeito Olavo Egydio Setubal. Nascia ali o projeto de estádio do Corinthians que só deixaria de ser  sonho para se tornar realmente possível no ano de 2010.

O Estádio do Corinthians:

Após a decisão de Itaquera ser o destino do estádio, todo o planejamento do Metrô para a região já foi previsto com a construção do mesmo. Até mesmo a ampliação da COHAB próxima ao terreno foi planejada tendo o futuro estádio como vizinho, como este blog observou em papéis da Prefeitura do Município de São Paulo que tivemos acesso:

O projeto do estádio do Corinthians já na época foi tão importante para a região que até mesmo a estação Corinthians-Itaquera do Metrô teve seu projeto alterado. A estação inicialmente seria apenas do Metrô, sem transferências para o trem de subúrbio (hoje CPTM). Esta baldeação ficaria na estação anterior de Arthur Alvim, que já seria (e foi) construída ao lado da estação ferroviária, hoje desativada. Com a decisão de erguer ali o estádio do Timão, a estação foi repensada não só como terminal da linha do Metrô, como também a derradeira estação de transferência entre este serviço e o trem de subúrbio (estas informações estão também disponíveis no mesmo documento que tivessemos acesso).

O terreno do estádio em 1978. Foto: Prefeitura do Município de São Paulo.

O tempo foi passando e o estádio do Corinthians nunca chegou a região. Apenas uma pedra fundamental foi colocada no local, mais para garantir a posse do terreno do que para iniciar a construção e o sonho de um estádio foi sendo adiado ao longo de três décadas até que fosse definitivamente retomada no início de setembro de 2010 em meio aos festivos do centenário do Corinthians e também dos preparativos para a Copa do Mundo de 2014.

Como seria o projeto daquele estádio ?

O projeto atual é bem menor tanto em dimensões como também na capacidade de torcedores. A realidade imposta pela FIFA hoje é bem distinta das praticadas nas décadas de 1970 e 1980 e com certeza se o estádio tivesse sido erguido naquela época teria muitas dificuldades hoje de ser um estádio apto para o mundial, tal qual os problemas que enfrentou o estádio do Morumbi. A espera, embora longa, foi vantajosa ao Corinthians em pelo menos este sentido.

O estádio da época previa capacidade para até 200 mil torcedores. Mas como seria este estádio ? Uma das poucas imagens deste projeto conhecida até o momento, é esta maquete:

Maquete do antigo projeto do Corinthians para Itaquera. Crédito: Acervo do Sport Club Corinthians – Divulgação.

Mas quase nunca se viu outros desenhos do projeto. E o blog São Paulo Antiga teve acessos a alguns destes desenhos, como perspectiva aérea, plantas e corte esquemático. Estas imagens você confere a seguir:

1 – Planta geral da Estação Corinthians Paulista (nome da época), estádio e pátio do Metrô:
2 – Perspectiva geral da região:
3 – Corte esquemático do estádio:
4 – Plantas dos três níveis de arquibancada (Superior, Camarotes e Inferior):
Como fica Itaquera agora ?

O bairro de Itaquera merece progredir como qualquer outra região de São Paulo. É uma região antiga, distante do centro mas um legítimo bairro paulistano. As regiões onde estão outros estádios paulistanos importantes como a região do Canindé, Morumbi e Barra Funda também tiveram um começo modesto e hoje são locais bastante desenvolvidos.

A construção do novo estádio do Corinthians será bem diferente daquela pensada pelo saudoso Vicente Matheus lá na segunda metade da década de 1970, e até mesmo o bairro hoje está bem mudado em relação ao que era pouco mais de 30 anos atrás, mesmo assim não é tarde demais.

O ideal de um estádio do Corinthians em Itaquera preserva a alma e a garra corinthiana que sempre se fez presente em toda a sua história, de 1910 até os dias atuais. Além disso, a cidade de São Paulo precisa de equilíbrio em todas as suas regiões, pois todos os cidadãos paulistanos são iguais, sejam eles corinthianos ou palmeirenses ou moradores de Itaquera ou Morumbi.

Como estará a região em 2014? Quem viver, verá!

Como citar

NASCIMENTO, Douglas. Estádio do Corinthians – Um sonho antigo. Ludopédio, São Paulo, v. 16, n. 3, 2010.