62.4

Futebol e Mulheres no País da Copa 2014

Silvana Vilodre Goellner

Enquanto escrevo esse texto acompanho, pela internet, um jogo da Copa do Mundo de Futebol Feminino Sub-20 que está acontecendo no Canadá com participação da seleção brasileira. Dizer que quase não encontramos notícias sobre essa competição e que as mulheres são sub-respresentadas na modalidade não é novidade, portanto, não vou me ater a essa constatação. Quero, na contramão dos discursos oficiais de órgãos representativos do futebol no Brasil, reafirmar o quanto as mulheres fazem parte da história em que pese a proibição oficial de sua prática entre as décadas de 1940 e 1980, a ausência de um calendário organizado e a quase inexistência de equipes de mulheres em “times de camisa”.

Seleção brasileira sub-20 feminina que disputa a Copa do Mundo no Canadá em 2014. Foto: Rafael Ribeiro – CBF.

Nossa seleção conquistou resultados impressionantes diante do cenário de descaso e quase abandono na qual vive. Vejamos: a) conquistou 4 das 5 edições do Torneio Internacional de Futebol Feminino que reúne 4 seleções; b) a Copa Libertadores da América de Futebol Feminino acontece desde 2009 e todas as edições foram realizadas no Brasil; c) das 6 edições do Campeonato Sul-americano de Futebol Feminino conquistamos 5 delas; d) nos Jogos Militares que aconteceram em 2011 no Rio de Janeiro nossas atletas ganharam a medalha de ouro; e) Nos Jogos Pan-americanos foram 2 medalhas de ouro (Santo Domingo 2003, Rio de Janeiro 2007) e 1 de Prata (Guadalajara 2011); f) fomos medalhistas de prata em duas edições dos Jogos Olímpicos (Atenas 2004, Pequim 2008); g) na Copa do Mundo de Futebol Feminino China, 2007, ficamos em segundo lugar e na Copa do Mundo de Futebol Feminino dos Estados Unidos, realizada em 1999, ficamos com a terceira colocação.

Seleção convocada para a Copa do Mundo da China (1991). Foto: Acervo pessoal da jogadora Michel Jackson.

Seleção que participou dos Jogos Olímpicos de Atlanta (1996). Foto: Acervo pessoal da jogadora Michel Jackson (camisa 9).

É pouco? Eu digo: é muito diante das condições com as quais as jogadoras se deparam cotidianamente visto que o silêncio que paira sobre suas trajetórias, carreiras e conquistas tem promovido sua marginalização assim como a anulação simbólica de suas realizações.

Visibilizar a presença das mulheres no universo cultural do futebol, creio eu, é tarefa necessária a quem gosta deste esporte que, como bem sabemos, é discursivamente incorporado à identidade nacional. Em tempo: Em 2015 tem a Copa do Mundo de Futebol Feminino no Canadá. Enfim, não precisaremos esperar mais quatro anos para torcer pela taça!!!!

 

Esse texto foi originalmente publicado no blog História (s) do Sport e cedido para publicação nesse espaço.