110.13

Mohamed Salah, a Chechênia e a Diplomacia do Futebol

Maurício Drumond

Chegou ao fim mais uma Copa do Mundo. E como sempre, ao final de uma Copa, fica um gostinho de quero mais. Uma sensação de desânimo ao pensar que a próxima só acontecerá daqui a quatro anos. Somando-se a essa tensão há também, para nós que escrevemos sobre futebol, outra questão: praticamente todos os estudiosos do esporte estão publicando suas reflexões sobre a Copa, abordando o objeto a partir de perspectivas diversas e com diferentes graus de profundidade e de qualidade de análise. Assim, tendo um artigo programado para o blog História(s) do Sport apenas uma semana após seu encerramento, encontro-me em um dilema: como não escrever algo sobre a Copa do Mundo, mesmo sabendo que um texto sobre o assunto tende a ser mais um sobre o tema, e que dificilmente trará algo ainda não disponível em outros sítios?

Essa situação se complica ainda mais no que se refere à relação entre futebol e política. Se ainda existem aqueles que defendem que futebol e política não se misturam, a fragilidade de seus argumentos ficou ainda mais evidente após essa Copa, que foi marcada por diversas situações que exaltaram essa simbiótica interação. Assim, artigos de jornalistas, acadêmicos, cronistas e outros infestaram a rede apontando os aspectos políticos que a Copa exibia em seus jogos, especialmente sobre os mais evidentes, mas também de alguns mais sutis.

Retomo aqui então um momento realizado antes do início da competição, que demonstra a importância do esporte, e do futebol em especial, como importante fonte de aquisição de capital político. Aproveitando-se da atenção e dos sentimentos gerados por estrelas de futebol ou pela própria Copa do Mundo, agentes do campo político buscam ser vistos e associados a atletas e ao evento em si, como forma de publicidade doméstica e internacional. Nesse sentido, destacam-se as iniciativas de Ramzan Kadyrov em aproximar sua imagem à de Mohamed Salah, astro do futebol internacional.

Quem é Ramzan Kadyrov?

Ramzan Kadyrov é o presidente e líder político nacionalista da Chechênia, uma república da Federação Russa de maioria islâmica, com histórico separatista envolvendo guerras por sua independência nos anos 1990. Depois do fim da União Soviética, um grupo de líderes chechenos declarou sua independência e a formação de um governo autônomo. A Rússia reagiu em 1994, enviando tropas para a região e iniciando a primeira Guerra da Chechênia, que durou até 1996, terminando com um cessar fogo e reincorporando a região à Rússia. Nos anos 1999 e 2000 novos conflitos surgiram, com grupos guerrilheiros islâmicos, que continuam em atividade até os dias de hoje, ainda que com menor atividade.

Aliado de Putin e homem forte da região, Kadyrov tem um histórico ligado aos conflitos. Seu pai, Akhmad Kadyrov, era uma importante figura no movimento independentista, mas mudou de lado e passou a apoiar os russos a partir da segunda Guerra da Chechênia. Em 2003 ele se tornou o primeiro presidente da República da Chechênia, uma região da Federação Russa. Sete meses depois, ele foi assassinado por uma bomba nas tribunas de um estádio de futebol, ao assistir um desfile em homenagem à vitória russa na Segunda Guerra Mundial. Ramzan Kadyrov assumiu então o comando da milícia de seu pai, os Kadyrovtsy (os seguidores de Kadyrov) e foi eleito presidente da região em 2007, mantendo-se no cargo até hoje.

Controverso em relação a direitos humanos, ligados a torturas e desaparecimentos de oposicionistas políticos, além de políticas de perseguição e encarceramento a homossexuais e de discriminação de mulheres, sob a égide de um discurso de radicalização religiosa. Ele também tem forte ligação com o mundo do futebol. É presidente honorário do principal clube de futebol da cidade de Grozny, capital da Chechênia. Originalmente chamado de Terek Grozny, o clube foi renomeado como Akhmad Grozny em 2017, em homenagem ao pai de Kadyrov, abandonando a referência ao principal rio da cidade.

Kadyrov e Mohamad Salah

Copa Russia 2018-19 06 2018 A seleção Russa vence o Egito e está praticamente classificada.foto RFS RU

Salah em ação contra a Rússia. Foto RFS RU.

Não é mera coincidência, então, que Grozny tenha sido a sede inicial de preparação da seleção egípcia em solo russo, e que Kadyrov tenha se utilizado da presença da principal estrela egípcia, o atacante Mohamed Salah, para se promover. De acordo com a imprensa britânica, o presidente checheno teria aparecido de surpresa no hotel onde a seleção egípcia se hospedava antes de sua estreia na competição. Salah ainda estava no hotel se recuperando da lesão sofria na final da Liga dos Campeões e teria sido surpreendido pela comitiva presidencial, e teria sido levado com Kadyrov para o estádio do Akhmad Grozny, onde o resto da equipe treinava. Lá, foi alvo de fotos e vídeos andando junto a Kadyrov e apertando sua mão.

O evento culminou com um jantar oferecido à delegação egípcia antes de sua partida para seu jogo final na Copa, contra a Arábia Saudita, onde Kadyrov entregou para Salah o título de cidadão honorário da Chechênia. “Mohamed Salah é um cidadão honorário da República da Chechênia! É isso mesmo!” Kadyrov publicou na internet. “Dei a Mohamed Salah uma cópia do decreto e um botton no banquete que dei em homenagem à seleção egípcia”.

A escolha por Salah não foi aleatória. Um dos jogadores de maior destaque na temporada europeia, Salah é o principal jogador de futebol muçulmano da atualidade, e talvez de todos os tempos. O islamismo é uma das bases do poder de da política de Kadyrov, e sua aproximação com o astro do futebol islâmico seria certamente vantajosa, como parte da estratégia de se apresentar como um líder benevolente, contrapondo a imagem difundida pela imprensa ocidental de perpetrador de crimes contra a humanidade.

Salah, por sua parte não se pronunciou oficialmente sobre o caso. De acordo com a imprensa, o jogador foi pego de surpresa e cogitou até mesmo abandonar a delegação egípcia antes do jogo contra a Arábia Saudita. Apesar da federação egípcia alegar que a informação, veiculada pela CNN, não tinha fundamento, algumas evidências demonstram o contrário. Após marcar o gol egípcio contra a Arábia Saudita, em sua despedida da Copa, Salah não comemorou o gol, mas simplesmente andou para o centro do gramado, cumprimentando os colegas de equipe que vinham celebrar com ele o 1 a 0. Antes do jogo contra a Arábia Saudita, o jogador postou em rede social a seguinte mensagem, traduzida pela imprensa britânica como “Todos no Egito estão juntos e não há qualquer desentendimento entre nós. Nos respeitamos e nosso relacionamento é ótimo”.

salah-tweet

Outra postagem do atacante, dias depois, trouxe o incidente novamente à tona. No dia 1 de julho, Salah escreveu “Alguns podem achar que acabou, mas não acabou. Precisa haver mudança”. Ainda que alguns acreditem que a postagem, feita após a eliminação da Espanha no torneio, tenha se dirigido a Sergio Ramos, responsável pela lesão que quase tirou o atacante da Copa do Mundo, outros apontam para uma indireta sobre a Federação Egípcia de Futebol. É importante lembrar que Salah e a Federação Egípcia já tinham entrado em disputa meses antes da Copa em relação à utilização de direitos de imagem do atleta sem sua permissão.

Seja como for, Salah foi mais uma peça utilizada pelo presidente chechênio em sua estratégia de associar sua imagem com a de celebridades ligadas ao mundo do esporte. Seu governo autoritário sobre a região e suas raízes ligadas ao radicalismo islâmico são mantidos por meio da opressão e da produção de consenso. E uma das formas de consolidar sua imagem de força e masculinidade é através do esporte, especialmente o futebol e o MMA. Ao longo dos anos, uma longa lista de personalidades ligadas ao esporte e ao mundo da luta visitaram a Chechênia a convite de Kadyrov. Os atores Jean-Claude Van Damme e Hillary Swank participaram de sua festa de aniversário em 2011, recebendo altos cachês. Steven Seagal se encontrou com ele em 2013. O lutador brasileiro Fabrício Werdum foi patrocinado por Kadyrov, que mantém contato com muitos outros lutadores, incluindo Floyd Mayweather.

A ligação de Kadyrov com o mundo do esporte ainda precisa ser melhor investigada, seja através do futebol ou da luta. Em 2017, Kadyrov organizou um jogo de futebol em comemoração ao aniversário de Vladimir Putin. O jogo foi realizado entre uma equipe de celebridades esportivas russas e uma seleção master italiana, que contava com Paolo Rossi e outros ex-jogadores. O time russo contou com a participação de Ronaldinho Gaúcho e do próprio Kadyrov, que empunhava a braçadeira de capitão, no estádio do Akhmad Grozny. A equipe russa venceu o jogo por 6 a 3, com gols de Ronaldinho e do próprio Kadyrov. No Instagram, Kadyrov publicou:

“Eu quero compartilhar a boa notícia de que tive a honra de marcar um gol nesse jogo dedicado à Vladimir Vladimirovich contra a seleção italiana! As arquibancadas estavam cheias. Antes do início da partida, cantamos os hinos nacionais da Itália, Rússia e da República da Chechênia.  O Estádio estava repleto de belas imagens. Durante o jogo, um retrato de 1.800 metros quadrados de Vladimir Putin foi exibido em uma das arquibancadas. Após o apito final, o céu sobre a Arena Akhmad se iluminou com os coloridos fogos de artifício”.

Através do futebol Kadyrov estabelece vínculos com o nacionalismo checheno e com a mãe Rússia. Com o mundo do esporte internacional e com o islamismo. E busca associar sua imagem ao jogo a moldar a percepção internacional a seu respeito. No entanto, ele não inovou em nenhum desses quesitos. A promoção da imagem política através do futebol é tão velha quanto o próprio esporte bretão. Nessa mesma Copa do Mundo, por exemplo, vimos outro caso de destaque nesse sentido, com Kolinda Grabar-Kitarović, presidente da Croácia. Mas isso fica para outro dia.