105.24

“Nem no Playstation é tão rápido assim” – o 7 a 1 e a cobertura da mídia alemã

Elcio Loureiro Cornelsen

No dia 27 de março de 2018, a seleção brasileira de futebol voltará a enfrentar a seleção da Alemanha, em jogo amistoso a ser realizado no Estádio Olímpico de Berlim, como parte da preparação para a Copa da Rússia. Passados pouco mais de três anos e meio desde aquele fatídico 8 de julho de 2014, quando a seleção de Felipão foi derrotada pelo vexatório placar de 7 a 1 pelos comandados de Jürgen Löw em pleno Estádio do Mineirão, pelas semifinais da Copa, as duas seleções voltarão a se enfrentar.

Ainda em nossos dias, aquela partida suscita comentários e indagações. Hoje, dado o distanciamento temporal, pergunta-se sobre a memória do Mineiratzen – Mineiraço, em alemão – e qual seria seu significado para alemães e brasileiros. No caso brasileiro, questiona-se se aquela derrota histórica e superlativa representaria um trauma ou uma vergonha para o torcedor brasileiro. As opiniões são controversas, alguns falam em trauma, chegam a comparar a derrota de 2014 com o Marcanaço de 1950; outros consideram que o sentimento predominante seria o de vergonha, uma vez que o trauma pressuporia uma derrota inesperada de uma equipe franca favorita, uma verdadeira “queda” após a construção de uma expectativa de pleno favoritismo.

Schweinstegeir durante jogo do Brasil contra a Alemanha semifinal da copa do mundo, 08 de Julho 2014. Bruno Domingos / Mowa Press

Schweinstegeir ri durante jogo do Brasil contra a Alemanha semifinal da Copa do Mundo de 2014. Foto: Bruno Domingos/Mowa Press.

Todavia, o que efetivamente ocorreu não foi isso: a seleção brasileira de 2014 não entrou em campo como favorita, o desempenho nas partidas anteriores à da semifinal não a credenciava como tal. Seria, pois, um jogo difícil contra uma seleção que demonstrava, acima de tudo, conjunto. O placar elástico, entretanto, em termos simbólicos, deixaria suas marcas. Aqueles que defendem a noção de trauma para aquela maiúscula derrota afirmam que não se consegue esquecê-la, e nem mesmo os detalhes de sua vivência, seja nas arquibancadas do Mineirão, seja diante de aparelhos de TV nos lares ou mesmo de telões nos bares.

Não obstante, parece-nos haver um elemento distintivo entre o Maracanaço e o Mineiraço: o suposto trauma cedeu lugar ao riso, por assim dizer, um riso terapêutico, algo que não ocorreu em 1950. O mito da derrota de 1950, designada por Nelson Rodrigues de “nossa Hiroshima”, bem ao seu estilo hiperbólico, não integrou em seu discurso o riso que podia atenuá-la. Tal narrativa cristalizou-se por repetir, continuamente, um clima de derrota atestado por um Maracanã em silêncio.

Por sua vez, logo após o 7 a 1, piadas circularam na Internet, e outras tantas circularam de boca em boca nos dias que seguiram. Uma delas era assim narrada: “No dia seguinte, o pessoal da limpeza do Estádio do Mineirão, após uma boa faxina nos vestiários, encontrou mais dois gols da Alemanha”.

Felipão durante jogo do Brasil contra a Alemanha semifinal da copa do mundo, 08 de Julho 2014. Bruno Domingos / Mowa Press

Felipão durante jogo do Brasil contra a Alemanha. Foto: Bruno Domingos/Mowa Press.

Nesse sentido, concordamos com Marcelino Rodrigues da Silva que, num lúcido e breve ensaio publicado naquele contexto, estabelece uma distinção quanto ao mito da derrota de 1950 e o que ocorreu em 2014:

Mas a Copa, afinal, é apenas futebol. O tempo do jogo já passou e a vida voltou ao normal. O tsunami humorístico que se seguiu à derrota brasileira teve o condão de lavar nossa alma e nos deixar livres de qualquer trauma, de qualquer peso na consciência ou na memória. Não restou nada parecido com o que foi (ou imaginamos ter sido) a derrota de 1950. […][i]

O olhar humorado e mesmo irônico para aquela histórica partida também se fez presente na cobertura da mídia na Alemanha. À época, pouco noticiou-se sobre isso na imprensa brasileira. O maior exemplo provém do site da Focus, uma das principais revistas alemãs. Um misto de perplexidade e alegria pela vitória do selecionado alemão fica patente numa matéria, intitulada “Für die Ewigkeit: Der Super-Sieg im Minutenprotokoll” (“Para a eternidade: A vitória magnífica assinalada minuto a minuto”),[ii] e publicada simultaneamente à partida na página online da revista Focus, composta por frases minuto a minuto. Já no momento do segundo gol, marcado pelo centroavante Miroslav Klose, o articulista aponta para o impacto causado na seleção brasileira: “Recorde de gols, a Alemanha amplia, o Brasil chocado”.[iii] O terceiro gol também é acompanhado de um comentário similar: “Estão passados, os brasileiros”.[iv] E o quarto tento, assinalado aos 26 minutos do primeiro tempo, faz com que o articulista não mais se contenha e decrete a classificação antecipada de sua seleção: “Gol da Alemanha, 4 a 0, marcado por Toni Kroos! Khedira e Müller contra-atacam a seleção brasileira, numa jogada fulminante. Final! Ah, isso nem parece verdade. O que é que eles estão fazendo? Solto, Kross manda a bola na rede. Aqui, os torcedores em amarelo e azul choram coletivamente”.[v] E o quinto gol marcado aos 29 minutos faz com que o articulista perca o controle e anuncie efusivamente: “Gol da Alemanha, 5 a 0, marcado por Sami Khedira! Façam as coisas aqui sozinhos. Não tem mais sentido. Cinco a zero. Cinco. Uma cópia do quarto gol, só que desta vez Özil e Khedira tabelam soltos. Khedira é quem, desta vez, manda a bola para as redes. Cinco a zero”.[vi]

Diante dessa sequência de gols, o articulista não mais se contém e dispara uma série de frases que espelham com precisão o calor da emoção diante do inusitado. Há uma pausa temporal entre o 29º minuto, quando Khedira assinalou o quinto gol, e o próximo apontamento, feito no 36º minuto, estabelecendo um longo “silêncio” que significa muito: “Pois é, devagar estamos retomando aqui. Quatro gols em seis minutos, o sistema aqui cai de joelhos. Quando Höwedes marcará mais um?”[vii] Por si só, esse momento é hilário: um minuto a minuto que não se sustentou, dada a emoção e perplexidade  com que o articulista teve de lidar, caindo de joelhos. A ironia também se revela na referência a Benedikt Höwedes, lateral da seleção e um dos jogadores tecnicamente menos hábeis. E aos 40 minutos, um lampejo de misericórdia perpassa a narrativa: “Juizinho, vê se encerra o jogo agora. Os brasileiros só nos dão pena. E os torcedores vêm abaixo coletivamente, no estádio e na praia de Copacabana. Mas muitos ainda incentivam sua equipe”.[viii] Até o final do primeiro tempo marca para o articulista o fim do jogo, dada a vitória parcial avassaladora: “Intervalo, e até dá impressão que é o final da partida”.[ix] Ao iniciar seus comentários no intervalo, uma dura crítica aos jogadores brasileiros: “Nem no Playstation é tão rápido assim. Em algum lugar deve haver uma falha na lógica, um erro na placa mãe. Ou então este não é um jogo de semifinal de Copa. Os caras com as camisas do Brasil são imitações, impostores”.[x]

Jogadores  apos jogo do Brasil contra a Alemanha semifinal da copa do mundo, 08 de Julho 2014. Bruno Domingos / Mowa Press

Jogadores após jogo do Brasil contra a Alemanha. Foto: Bruno Domingos/Mowa Press.

Em 2014,  foi escrito um capítulo triste da história do futebol brasileiro. Os mitos do “jogo bonito”, do “futebol arte”, da “pátria em chuteiras” não mais se sustentam como tal. Em Moscou, um novo capítulo dessa história será escrito. Inegavelmente, um desafio para o técnico Tite e seus comandados: o de recuperar o prestígio da seleção brasileira construído por décadas. Superar a vergonha ou o trauma parece estar no horizonte da Copa da Rússia. Antes, o amistoso de março será não só um desafio, o reencontro das duas seleções, desta vez em terreno germânico, como também um momento de despertar fantasmas da derrota. No caso alemão, o discurso que se cristalizou desde aquele 08 de julho de 2014 foi pautado por um tom heroico com relação ao desempenho da seleção, como também de uma mescla de respeito, ironia e certo humor ao olhar o desempenho limitado da seleção brasileira. Espera-se que esse novo capítulo da história a ser escrito nos próximos meses represente uma retomada de curso na trajetória do futebol pentacampeão.

Notas

[i] SILVA, Marcelino Rodrigues da. O que foi feito do país do futebol? In: SILVA, Marcelino Rodrigues da. Quem desloca tem preferência: ensaios sobre futebol, jornalismo e literatura. Belo Horizonte: Relicário, 2014, p. 285-288, aqui p. 288.

[ii] FÜR DIE EWIGKEIT: Der Super-Sieg im Minutenprotokoll. Focus, 09 jul. 2014. Disponível em: http://www.focus.de/sport/fussball/wm-2014/deutsches-team/wm2014-halbfinale-live-d_id_3976186.html. Acesso em: 11 dez. 2014.

[iii] No original: “Torrekord, Deutschland obenauf, Brasilien geschockt.” Ibidem.

[iv] No original: “Sie sind fertig, die Brasilianer.” Ibidem.

[v] No original: “TOR für Deutschland, 0:4 durch Toni Kroos! Khedira und Müller kontern Brasilien auseinander, dass es nur so qualmt. Finale! Ach, komm, das ist doch nicht wahr. Was machen die den da? Kross schiebt locker ein. Hier heulen kollektiv die Fans in Gelb und Blau.” Ibidem.

[vi] No original: “TOR für Deutschland, 0:5 durch Sami Khedira! Macht doch euer Zeug hier alleine. Hat doch keinen Zweck mehr. Fünf zu null. Fünf. Eine Kopie des vierten Tors, nur diesmal schieben sich Özil und Khedira den Ball locker zu. Khedira ist diesmal derjenige, der ihn über die Linie drückt. Fünfnull.” Ibidem.

[vii] No original: “So, langsam kommen wir hier hinterher. Vier Toren in sechs Minuten, da geht hier das System in die Knie. Wann macht Höwedes noch eins?” Ibidem.

[viii] No original: “Schiri, mach doch einfach Schluss jetzt. Die Brasilianer tun einem nur leid. Und die Fans brechen kollektiv zusammen, im Stadion und an der Copacabana. Viele feuern ihre Mannschaft aber weiterhin unentwegt an.” Ibidem. No original: “Schiri, mach doch einfach Schluss jetzt. Die Brasilianer tun einem nur leid. Und die Fans brechen kollektiv zusammen, im Stadion und an der Copacabana. Viele feuern ihre Mannschaft aber weiterhin unentwegt an.” Ibidem.

[ix] No original: “Halbzeit, und es fühlt sich wie der Schlusspfiff an.” Ibidem.

[x] No original: “Das geht sonst nicht mal auf der Playstation so schnell. Irgendwo muss ein Loch in der Logik sein, ein Fehler in der Matrix. Oder das ist gar kein WM-Halbfinale. Die Typen da in Brasilien-Trickots sind Attrapen, Hochstapler.” Ibidem.