124.25

North West England Derby, uma rivalidade que transcende o futebol

Mariana Vantine de Lara Villela

Quando Liverpool e Manchester United entram em campo, assistimos ao duelo que é considerado a maior rivalidade da Inglaterra. Isso mesmo. Os times azuis das cidades dos respectivos clubes, Everton e City, apesar da localidade, não são encarados pelos vermelhos como maiores rivais. O “North West England Derby” é gigante, e nos conta sobre o futebol inglês e a história de duas cidades, que têm também a música e os movimentos sociais como marca registrada.

Apesar da primeira partida ter sido em 1894, quando o United ainda era chamado de “Newton Heath”, foi em 1910 que o confronto definitivamente entrou para a história. A ocasião foi nada menos que a inauguração do Old Trafford, e o Liverpool se mostrou bastante inconveniente, estragando a festa e batendo o time da casa por 4×3. Mas a história do clássico é tão interessante, que se engana quem pensa nos primeiros confrontos do futebol como a origem da rivalidade.

Alan Wiley mostra cartão vermelho para Vidić, do Manchester United, no clássico contra o Liverpool, em 14 de março de 2009. Foto: Wikipedia.

Ela nasceu de fato, na Revolução Industrial, quando Liverpool era o grande Porto da Inglaterra, e Manchester a cidade do setor têxtil. O desentendimento se deu pelo fato de Liverpool cobrar taxas consideradas injustas a Manchester para receber e transportar o material das docas. Foi em 1885 então, que a Lei do Canal de Manchester foi criada, prevendo uma obra milionária para a construção do “Manchester Ship”, que se iniciou dois anos depois. Passados sete anos de obras, o canal foi inaugurado, e Manchester se destacou por quebrar o ciclo Manchester/Liverpool/Mundo, conseguindo mais autonomia para comercializar seus produtos. Tanto o City quanto o United carregam a marca desse episódio em seus escudos, com a presença de barcos em ambos.

Apesar de o assunto aqui ser rivalidade, não se deve esquecer de uma importante semelhança que antecedeu a esse primeiro momento de discordância. Se trata do momento em que a luta operária, muito forte nas duas cidades, se mistura com o futebol. O esporte era proibido pela burguesia, pois reduzia a produtividade dos trabalhadores que acabavam se machucando com frequência. A conquista em 1870, do direito a folga nas tardes de sábado, foi um importante passo para o desenvolvimento do futebol já que, muitos operários passaram a ocupar esse tempo jogando futebol, e assim o esporte foi se enraizando na classe proletária. Ou seja, Liverpool e Manchester, antes mesmo da fundação dos times vermelhos, foram de suma importância para o futebol inglês.

Mais conhecido por seu chute de longa distância, Steven Gerrard dispara pelo Liverpool durante um jogo da UEFA Champions League, em novembro de 2005. Foto: Wikipedia.

Anos depois, Manchester United e Liverpool se firmaram como grandes potências do futebol inglês, nos presenteando com equipes e jogos inesquecíveis, em uma história que tem uma bela trilha sonora para acompanhar. O começo da Beatlemania, em 1963, embalou a campanha vitoriosa do Liverpool no campeonato nacional, quebrando um jejum de 17 anos sem títulos. As arquibancadas ecoavam “She loves you” e “You’ll never walk alone”, duas canções de sucesso das bandas locais Beatles e Gerry & The Pacemakers, e anunciavam os anos de fartura para a indústria da música e para o clube de Anfield, que estavam por vir. O vermelho de Manchester faturou dois títulos do campeonato inglês e um europeu na década de 1960, mas nos anos seguintes deu lugar ao começo de uma hegemonia do Liverpool.

Curiosamente, foi na década de 1980, quando Manchester foi destaque no cenário musical, com The Smiths e Joy Division no auge, que os “red devils” amargaram sete conquistas do campeonato inglês e duas ligas dos campeões dos vermelhos de Mereyside, sem nenhum título sequer para o seu lado. A partir do ano de 1992, o jogo virou novamente e, junto com o sucesso da banda Oasis (dos irmãos Gallagher fanáticos pelo City), veio a supremacia do United no futebol inglês, conquistando treze títulos da Premier League, sendo o último em 2013.

Ryan Giggs Premier com o troféu da Premier League em 2008. Foto: Wikipedia.

As duas partidas da temporada 2019-20, irão definir preciosos seis pontos na busca do Liverpool pelo fim de mais um jejum (29 anos) e de quebra se igualar ao maior rival em número de títulos do campeonato inglês. Com protagonistas como Cantona, Gerrard, Giggs e Kenny Dalglish, vamos para mais um capítulo dessa história que mistura música, resistência e futebol. Desta vez, sendo escrita por Salah, Rashford, Klopp e tantos outros que têm a honra de vestir a camisa de um grande clube do noroeste inglês.