120.36

“Nós do lado oriental vamos sempre avante” – 1. FC Union Berlin, um clube em ascensão

Elcio Loureiro Cornelsen

Uma partida inesquecível

Desde 27 de maio de 2019, a Bundesliga – o Campeonato Alemão da 1ª Divisão – conhece em sua história um novo time ascendente: o 1. FC Union Berlin. Diferindo do Campeonato Brasileiro, que conta com 20 equipes e com um sistema de descenso que atinge às quatro últimas equipes da tabela, o Campeonato Alemão conta com 18 equipes, sendo que o sistema de descenso atinge as duas últimas equipes colocadas – na temporada 2018/2019 foram o 1. FC Nürnberg, o 18º, e, respectivamente, o Hannover 96, o 17º –, rebaixadas automaticamente, e ainda prevê a disputa do 16º colocado contra o 3º colocado da 2ª Divisão, em um sistema de “mata-mata”, uma chance de “repescagem” (Relegation, em alemão), para a equipe da 1ª Divisão.

Pois foi exatamente isso o que aconteceu no dia 27 de maio de 2019: a decisão entre o VFB Stuttgart e o 1. FC Union Berlin. As duas equipes já haviam se enfrentado na cidade de Stuttgart, em 23 de maio, com o placar de 2×2. Assim, agora em seu pequeno, mas histórico estádio no bairro berlinense de Köpenick, o Union mediria forças com o time suábio, um dos mais tradicionais do futebol alemão, tendo por vantagem o empate, por ter feito dois gols na casa do adversário. Desta feita, os deuses do futebol sorriram ao time dos trabalhadores da capital da antiga República Democrática Alemã: Union 0x0 Stuttgart – um empate heroico para o clube da capital da Alemanha reunificada. Desde a temporada 2008/2009, quando o Energie Cottbus foi rebaixado para a 2ª Divisão, um ex-clube da Alemanha Oriental não disputava a Bundesliga. Nesse sentido, cabe ressaltar que o RB-Leipzig, que, atualmente, faz grande sucesso no Campeonato Alemão e na Copa da Alemanha, é de 2009 e representa tudo aquilo que o Union justamente rejeita – a mercantilização do futebol.

As origens e a história do Union Berlin

O Union Berlin é o 56º clube alemão a disputar a Bundesliga, que conheceu sua primeira edição na temporada 1963/1964. O debutante da temporada 2019/2020, que terá início em agosto, possui uma rica história, que remonta a 1906 e, entre outros, ao FC Olympia Oberschöneweide (1906-1948), ao SG Union Oberschöneweide (1948-1951) e ao TSC Berlin (até 1965). Em 1966, o clube foi fundado novamente e rebatizado com seu nome atual, com as cores vermelha e branca. Na República Democrática Alemã, o clube da capital, Berlim Oriental, não era bem visto pelas autoridades do antigo Estado socialista dos “operários e camponeses”, ao contrário do BFC Dynamo, do bairro de Hohenschönhausen, considerado o “clube da Stasi” – Staatssicherheitsdienst (“Serviço de Segurança do Estado”), a polícia política sob o comando de Erich Mielke, presidente de honra do Dynamo.

Dois anos após sua nova fundação, o Union Berlin vivenciou um dos maiores triunfos de sua história: a conquista da Copa da Alemanha Oriental (FDGB-Pokal), numa vitória inesquecível contra o então campeão alemão FC Carl Zeiss Jena pelo placar de 2×1. E na temporada 1970/1971, o clube alcançou o 5º lugar na Oberliga, o Campeonato Alemão da 1ª Divisão na República Democrática Alemã. Nos anos seguintes, o Union Berlin oscilaria entre a 1ª e a 2ª Divisão, o que se costuma chamar, no jargão do futebol alemão, de “equipe elevador” (Fahrstuhlmannschaft), sobe e desce…

Jogadores erguem a taça e comemoram o título da Copa da Alemanha Oriental, após o 1. FC Union Berlin vencer o FC Carl Zeiss Jena por 2 a 1, em 1968. Foto: Wikipedia.

Após ascender novamente à 1ª Liga (Oberliga) em 1976, por duas vezes, o Union bateu o rival Dynamo pelo placar de 1×0. Era o início da construção de um mito, que contribuiria para a imagem do clube como sendo aquele que venceria o todo poderoso time dos governantes. Cada vez mais espectadores acorriam ao estádio An der Alten Försterei (algo como “Na Antiga Área Florestal”), e o Union se tornou uma espécie de “paraíso” para aqueles que não se enquadravam no sistema. Formou-se, assim, uma relação simbiótica entre torcida e clube, que sobrevive ainda nos dias atuais, fazendo com que o Union se tornasse uma marca registrada de Köpenick, bairro tradicional de Berlim.

Após a Queda do Muro, em 09 de novembro de 1989, o fim da República Democrática Alemã e a consequente Reunificação da Alemanha em 03 de outubro de 1990, o clube passou por uma fase crítica por falta de recursos, chegando até mesmo a correr o risco de encerrar suas atividades, rebaixado até a 4ª Divisão. Todavia, a força dos torcedores, que participaram ativamente na reforma do estádio, e que colaboraram com o clube nos períodos de maior escassez de recursos, fez com que o Union Berlin retomasse sua trajetória.

Outro momento memorável na história do Union Berlin foi a disputa da final da Copa da Alemanha em 2001. Embora tenha sido derrotada pelo FC Schalke 04, uma das equipes mais populares da Alemanha, pelo placar de 2×0, a equipe berlinense, que disputava a Liga Regional à época, pode disputar a Copa da UEFA (atual Liga Europa) até ser eliminada na segunda rodada pela equipe do Litex Lowetsch, da Bulgária.

Somente em 2009 o Union Berlin ascenderia em definitivo à 2ª Divisão, num trabalho não só de mantê-lo, como também de torná-lo cada vez mais competitivo. O recente acesso à Bundesliga é uma prova disso. Como será o desempenho da equipe na liga milionária do futebol alemão? Como diria Shakespeare, “eis a questão”…

Todavia, certo é que algo de novo aconteceu, conforme as palavras do correspondente Jörn Meyn, da Der Spiegel, principal revista alemã, em matéria publicada no dia 28 de maio de 2019:

“Se um gramado é invadido apenas alguns segundos após o apito final da partida por milhares de pessoas tomadas por euforia; se homens feitos choram feito criança, e batem no peito de alegria com seus próprios punhos; se um diretor de esportes é interrompido de assalto por jogadores no meio da entrevista: ‘Senhor Ruhnert, pare agora de fazer algo sério e diga lá: Onde está a cerveja?’; quando tudo isso se passa, então aconteceu algo extraordinário: um clube especial, que até agora havia sido raramente agraciado pelo sucesso, ascendeu à Bundesliga[i].

Um time que vibra na voz de Nina Hagen em seu estádio

Como a maioria dos clubes, o Union Berlin também possui um hino. De acordo com Dennis Wiese, em matéria publicada pelo canal rbb24[ii], a canção “Einsern Union” (“Union de Ferro”) foi entoada pela primeira vez há mais de 20 anos, em 14 de novembro de 1998, no An der Alten Försterei, estádio do clube, em partida do Union contra o Chemnitzer FC, pela Liga Regional, a 3ª Divisão. Naquela época, o clube vivia um de seus piores momentos, financeiramente quase falido. Num típico dia cinzento, em pleno inverno, pouco mais de 3.000 torcedores compareceram ao estádio para acompanhar o seu time de coração. O novo hino deveria trazer aos fãs ânimo renovado, não obstante o quadro nada animador para a equipe berlinense.

Entretanto, isso não significaria, pois, uma novidade, a não ser pela voz proeminente que eternizou o hino do Union: Nina Hagen, um ícone do punk e do rock alemão dos anos 1970 e 1980, mundialmente conhecida por canções como “New York, New York” (1983), “Zarah” (1983) e “The Change” (1984). Nascida em Berlim Oriental, em 11 de março de 1955, seis anos antes da construção do Muro de Berlim, Catharina “Nina” Hagen, filha da atriz Eva-Maria Hagen, quando criança, costumava acompanhar o pai, Hans Oliva-Hagen, roteirista de cinema, ao estádio. Por suas origens e por seu modo extrovertido, Nina Hagen foi escolhida pelos dirigentes do Union para cantar o hino, pois consideraram que a cantora personificava o espírito do clube, conforme definiu o porta-voz do Union, Christian Arbeit: “um pouco selvagem, um pouco suja e de alguma forma louca”[iii].

Rapidamente, o hino se tornou parte do ritual dos torcedores nas arquibancadas do Alte Försterei. Sempre se executava antes do início de cada partida disputada em casa o hino “Union de Ferro”, precedido pelos hits “Football is coming home” e “All You’ Need is Love”. A seguir, apresentamos o hino[iv]:

EISERN UNION

Wir aus dem Osten geh’n immer nach vorn

Schulter an Schulter für Eisern Union

Hart sind die Zeiten und hart ist das Team

Darum siegen wir mit Eisern Union

Eisern Union

Immer wieder Eisern Union

Immer weiter ganz nach vorn

Immer weiter mit Eisern Union

Wer spielt immer volles Rohr?

Eisern Union, Eisern Union

Wer schießt gern ein Extra-Tor?

Eisern Union, Eisern Union

Wer lässt Ball und Gegner laufen?

Eisern Union, Eisern Union

Wer lässt sich nicht vom Westen kaufen?

Eisern Union, Eisern Union

Den Sieg vor den Augen, den Blick weit nach vorn

Ziehn’n wir gemeinsam durch die Nation

Osten und Westen – Unser Berlin

Gemeinsam für Eisern Union

Eisern Union

Immer wieder Eisern Union

Immer weiter ganz nach vorn

Immer weiter mit Eisern Union

Wo riecht’s nach verbranntem Rasen?

Eisern Union, Eisern Union

Da wo wir zum Angriff blasen

Eisern Union, Eisern Union

Es kann nur einen geben

Eisern Union, Eisern Union

Wir werden ewig leben

Eisern Union, Eisern Union

Eisern Union

Immer wieder Eisern Union

Immer weiter ganz nach vorn

Immer weiter mit Eisern Union”

 

UNION DE FERRO

Nós da parte oriental vamos sempre avante

Ombro a ombro pelo Union de Ferro

Duro são os tempos e resistente é o time

Vencemos, por isso, com o Union de Ferro

Union de Ferro

Sempre, novamente, Union de Ferro

Sempre, novamente, Union de Ferro

Sempre, novamente, Union de Ferro

Quem é que sempre joga com energia?

Union de Ferro, Union de Ferro

Quem é que gosta de marcar um gol extra?

Union de Ferro, Union de Ferro

Quem faz correr a bola e o adversário?

Union de Ferro, Union de Ferro

Quem não se deixa comprar pela parte ocidental?

Union de Ferro, Union de Ferro

A vitória diante dos olhos, o olhar voltado adiante

Atravessamos juntos a nação

Oriental e Ocidental – nossa Berlim

Juntos pelo Union de Ferro

Union de Ferro

Sempre, novamente, Union de Ferro

Sempre, novamente, bem à  frente

Sempre, novamente, com o Union de Ferro

Onde é que cheira à grama queimada?

Union de Ferro, Union de Ferro

Lá, onde nós anunciamos o ataque

Union de Ferro, Union de Ferro

Só pode haver um

Union de Ferro, Union de Ferro

Viveremos eternamente

Union de Ferro, Union de Ferro

Union de Ferro

Sempre, novamente, Union de Ferro

Sempre, novamente, bem à frente

Sempre, novamente, com o Union de Ferro

(trad. Elcio Cornelsen).

 

A equipe de Köpenick figura como uma alternativa ao futebol milionário. Não é por acaso que seu hino possua o verso “Quem não se deixa comprar pela parte ocidental?” (“Wer lässt sich nicht vom Westen kaufen?”). Não é por acaso que, em 2012, 5.473 torcedores tenham comprado ações do estádio, passando a deter 44% do total de ações. Assim, não obstante os patrocinadores, o estádio não terá seu nome mudado.

Aliás, iniciativas como essa demonstram que a relação dos torcedores com o Union vai muito além das arquibancadas. Segundo matéria publicada no jornal Augsburger Allgemeine em 29 de maio de 2019[v], na temporada 2008/2009, 2.300 torcedores colocaram, literalmente, a mão na massa e auxiliaram na ampliação do estádio, uma vez que faltava dinheiro para isso. Desde então o antigo estádio An der Alten Försterei, de 99 anos, possui capacidade para 22.012 torcedores, sendo que apenas 3.617 lugares possuem assentos. A máxima da torcida é a de que os torcedores do Union torcem em pé. Todavia, no intuito de atender às exigências da Federação, prevê-se uma nova ampliação do estádio com capacidade para 37.000 torcedores, sendo que apenas 8.000 lugares terão assento.

Todavia, conforme palavras do Presidente do Union Berlin, Dirk Zingler, em matéria publicada no jornal Berliner Morgenpost, em 29 de maio de 2019, ainda levará tempo para que a ampliação do estádio seja levada a cabo: “Não haverá nenhuma construção no primeiro ano do clube na 1ª Divisão. Sem dúvida, deveremos fazer algumas adequações, mas nada que elevará a nossa capacidade de público”[vi].

Mais curiosidades sobre o Union Berlin – canções de Natal, sofás no gramado e rivalidade com a Hertha

O histórico estádio do Union não é apenas palco de partidas de futebol. Desde 2003, sempre no dia 23 de dezembro, às 19h00, os torcedores lotam o estádio para, juntos, cantarem canções natalinas. Tal evento fez tanto sucesso nos últimos anos, que os 28.500 ingressos postos à venda se esgotaram em poucas horas.

Mas os eventos inusitados do Union Berlin não param por aí: em plena Copa de 2014, os dirigentes do clube organizaram uma campanha para que os torcedores trouxessem seus sofás e os colocassem no gramado do estádio An der Alten Försterei, para acompanharem juntos através de um telão as partidas da Seleção Alemã. Mais de 10.000 torcedores participaram de tal campanha, com mais de 750 sofás, conforme dados veiculados em matéria publicada pelo jornal popular BZ em 31 de maio de 2019[vii].

Outra curiosidade que envolve o Union Berlin é a sua relação com outra equipe da capital alemã: a Hertha BSC. Nos tempos ainda do Muro de Berlim, a relação entre as torcidas das duas equipes berlinenses era amistosa. Todavia, após a Reunificação tal relação passou a ser marcada pela rivalidade. Na temporada 2010/2011, em que a Hertha disputou a 2ª Divisão, as duas equipes se defrontaram: em casa, o Union empatou com a Hertha pelo placar de 1×1; fora de casa, no histórico Estádio Olímpico (Olympiastadion), o Union venceu a partida por 2×1 e se tornou o “campeão da cidade”, pelo menos simbolicamente. Dois anos mais tarde, na temporada 2012/2013, mais uma vez, as equipes se encontraram na 2ª Divisão. Desta feita, a Hertha se saiu melhor que o adversário do lado leste da cidade, vencendo fora de casa pelo placar de 2×1 e empatando em casa por 2×2.

Abertura do estádio An der Alten Försterei, Berlim, 8 jul. 2009. Foto: Wikipedia.

Agora, pela primeira vez na história, as duas equipes berlinenses se enfrentarão pela Bundesliga, em uma partida que já se tornou um clássico do futebol alemão. Resta a expectativa sobre as possibilidades de o Union conseguir apresentar um desempenho que lhe garanta um lugar ao sol no milionário futebol, em que uma equipe como o 1. FC Bayern, heptacampeão alemão (2012-2019), acaba por tirar a graça, a competitividade e o equilíbrio do torneio. Mas esta é outra história…

Parodiando Peter Handke e o seu já famoso “poema-escalação” em homenagem ao 1. FC Nürnberg em partida disputada pela Copa da Alemanha no dia 27 de janeiro de 1968, contra o Bayer 04 Leverkusen, assim apresentamos nossa versão da

Escalação do FC Union Berlin

de 27 de maio de 2019

 

GIKIEWICZ

FRIEDRICH           REICHEL

RYERSON          HÜBNER          HARTEL

PRÖMEL         ZULJ      ANDERSSON       SCHMIEDEBACH       ABDULLAHI

URS FISCHER

(treinador)

Início da partida: 20h30

 

Festa inédita na capital da Alemanha. Union Berlin despacha Stuttgart no Relegation e chega à Bundesliga. Foto: Reprodução/1. FC Union Berlin.

 

Notas

[i] MEYN, Jörn. Willkommen im Tollhaus. Spiegel Online. 28 mai. 2019. Disponível em: https://www.spiegel.de/sport/fussball/union-berlin-und-der-bundesliga-aufstieg-willkommen-im-tollhaus-a-1269647.html. Acesso em: 30 mai. 2019. Todas as traduções do Alemão para o Português são de nossa autoria. No original, temos:

“Wenn ein Fußballplatz nur Sekunden nach Abpfiff eines Spiels gestürmt wird von Tausenden freudeschwangeren Menschen. Wenn erwachsene Männer weinen wie Kinder, sich mit Fäusten vor Glück auf ihre nackten Brüste schlagen. Wenn dann ein Sportchef mitten im Interview von seinen Spielern überfallen wird: “Herr Ruhnert, jetzt hör auf, so seriös zu tun! Und sag: Wo ist das Bier?” Wenn all das geschieht, dann ist Außergewöhnliches passiert. Dann ist ein besonderer Klub, der bisher vom Erfolg selten besucht wurde, in die Bundesliga aufgestiegen.”

[ii] WIESE, Dennis. “Nina Hagen passt wie die Faust aufs Auge”. rbb24. 14 nov. 1998. Disponível em: https://www.rbb24.de/sport/beitrag/2018/11/berlin-koepenick-fussball-union-hymne.html. Acesso em: 30 mai. 2019.

[iii] Apud WIESE, Dennis. “Nina Hagen passt wie die Faust aufs Auge”. rbb24. 14 nov. 1998. Disponível em: https://www.rbb24.de/sport/beitrag/2018/11/berlin-koepenick-fussball-union-hymne.html. Acesso em: 30 mai. 2019. No original, temos: „Ein bisschen wild, ein bisschen struppig und irgendwie verrückt“.

[iv] „Einsern Union“. In WIESE, Dennis. “Nina Hagen passt wie die Faust aufs Auge”. rbb24. 14 nov. 1998. Disponível em: https://www.rbb24.de/sport/beitrag/2018/11/berlin-koepenick-fussball-union-hymne.html. Acesso em: 30 mai. 2019.

[v] NINA HAGEN IST JETZT ERSTKLASSIG. Augsburger Allgemeine. 29 mai. 2019. Disponível em: https://www.augsburger-allgemeine.de/sport/Nina-Hagen-ist-jetzt-erstklassig-id54448296.html. Acesso em: 31 mai. 2019.

[vi] STEIN, Marcel; ANKER, Jens. Wo Union herkommt – und was Union ist. Berliner Morgenpost. 29 mai. 2019. Disponível em: https://www.morgenpost.de/sport/union/article225481107/Wo-Union-herkommt-und-was-Union-ist.html. Acesso em: 30 mai. 2019. No original, temos: „Es wird keinen Bau im ersten Bundesliga-Jahr geben. Sicher werden wir ein paar Anpassungen vornehmen müssen, aber nichts, was unsere Zuschauer-Kapazität erhöht.“

[vii] ZEHN DINGE, DIE DEN 1. FC UNION BERLIN SO BESONDERS MACHEN. BZ. 28 mai. 2019. Disponível em: https://www.bz-berlin.de/berlin-sport/union-berlin/zehn-dinge-die-den-1-fc-union-berlin-so-besonders-machen. Acesso em: 30 mai. 2019.