120.4

O ponta-direita voltou: a relação entre o futebol e o bolsonarismo

Murilo Cleto

Eles já estiveram fora de moda [1]. Nos anos 90, quase ninguém queria ser. É como se fosse uma coisa ultrapassada mesmo, já que os tempos eram outros, mais modernos. E nessa época o negócio era, sem grandes obstáculos aparentes, olhar para frente.

Eu me refiro à figura do ponta no futebol. A memória do Palmeiras campeão da Libertadores, por exemplo, é cristalizada no inconfundível 4-4-2 de um scolarismo que não abriu mão do centroavante de ofício, que era o Oséas, mas que contou com a flutuação de outro jogador mais rápido na frente. No caso, Paulo Nunes.

Quando precisava do resultado, como naquela épica decisão pela vaga na semifinal da Copa do Brasil, Felipão metia em campo Euller, o filho do vento, para agredir pelos cantos e achar algum espaço em direção ao gol. Mas ninguém chamava o Euller de ponta. Ele era atacante. Aliás deu certo aquela noite e daquele jeito o Palestra conseguiu a improvável virada.

Mas eu também poderia estar falando sobre a direita no Brasil. Até muito recentemente, mesmo defendendo agendas conservadoras nos costumes e liberalizantes na economia, eram raros os interlocutores do debate público nacional que se classificavam assim. Talvez pela excessiva proximidade com o trauma da ditadura militar, conduzida por valores de direita. Talvez pela tradição da intelectualidade, comumente mais filiada a valores de esquerda, e a certo distanciamento de outros setores da sociedade brasileira desse debate.

Enfim, muitas são as hipóteses. O certo é que foi somente a partir do agravamento das crises econômica e político-institucional que o sentimento antipetista – que, claro, já existia antes, mas que ganhou respaldo popular e volume – contribuiu para que não apenas uma direita saísse do armário, mas para que novos filiados a ela reivindicassem o rótulo com orgulho. Mais do que isso, a direita brasileira ganhou uma identidade.

Os pontas também voltaram com tudo. Hoje é quase inconcebível, no futebol moderno, a prática do esporte sem a figura do ponteiro. Eles, que já eram reconhecidos pela sua capacidade de desestruturar defesas em esquadras dos anos 1960 e 1970, agora cumprem papéis mais complexos que envolvem também, por exemplo, a tentativa de dificultar a transição do adversário, seja dando combate já aos zagueiros lá em cima, seja para, numa linha mais baixa, ocupar espaços e instigar um passe forçado. Ou seja, os pontas atacam, mas também precisam defender.

Jair Messias Bolsonaro nasceu Bolsonaro por causa do bisavô italiano, Messias graças à mãe religiosa e Jair ao pai fanático por futebol e pelo Palmeiras. Mais especificamente por Jair da Rosa Pinto, meia esquerda (numa dessas finas ironias do destino) dos anos 1940-60. Eleito presidente da república com quase 58 milhões de votos depois de 28 anos de Congresso, quebrou um ciclo também eleitoralmente hegemonizado por centro-direita e centro-esquerda no Brasil. Hoje não há dúvidas: seja qual for a ótica, o Brasil é governado pela direita. E uma direita muito distante do centro.

Entre os diversos agentes que atuaram pela eleição de Bolsonaro, destacam-se os jogadores de futebol. Tidos como “alienados, os atletas ainda hoje muito frequentemente preferem se omitir quando o assunto é política, ainda mais a eleitoral. No passado nem tão distante, raras eram as manifestações. É possível lembrar de Rogério Ceni apoiando Serra, em 2012. Mas não muito mais que isso, fora os emblemáticos casos de contextos totalmente distintos, como o da democracia corintiana e o do atleticano Reinaldo que, oposto ao regime, sofreu perseguição da ditadura militar e chegou a ficar de fora de uma Copa do Mundo muito provavelmente por causa disso.

De 2014 para cá o quadro mudou bastante – na ocasião, Neymar e Ronaldo manifestaram apoio à candidatura de Aécio Neves. Mas porque a sociedade brasileira também mudou. O interesse dos brasileiros por política explodiu depois das Jornadas de Junho. E com a popularização das redes sociais, então, ficou muito mais fácil tornar-se um comunicador. Todos os indicadores sociais e econômicos despencaram. E o Brasil entrou num círculo vicioso do qual até hoje não conseguiu se libertar.

Na avaliação do filósofo Vladimir Safatle, enquanto a esquerda se organizou em defesa do mandato de Dilma Rousseff, do sistema, das instituições e do legalismo constitucional, a direita partiu para a radicalização. Ela ficou mais perceptível pelo tom dos discursos que encorparam a luta pelo impeachment, nas ruas e nas redes. Pedidos por uma chamada “intervenção militar” passaram a circular com naturalidade pelo espaço público. E uma agenda mais do que conservadora, reacionária – com aspecto revolucionário, de ruptura institucional mesmo – avançou como nunca. Num cenário de crise generalizada, não seria difícil supor quem venceria esse cabo de guerra.

Agora Jadson, Roger, Marcos, Rivaldo, Lucas Moura, Felipe Melo, Lucão e Carlos Alberto são apenas alguns exemplos de uma extensa lista de atletas e ex-atletas que endossaram mais ou menos explicitamente Bolsonaro durante a campanha e os primeiros meses de mandato. Em 2017, quando nem partido tinha ainda para disputar as eleições, o Pesquisão UOL verificou que mais de 20% dos atletas já anunciavam voto não estimulado em Bolsonaro. Descontados os jogadores que preferiram não se manifestar, o apoio ultrapassava a marca dos 50%. O engajamento parece se ancorar em 4 – talvez 5, como veremos adiante – eixos que também encontram reverberação na sociedade como um todo.

Somente na mais completa reportagem sobre o tema na imprensa esportiva brasileira, assinada pela jornalista Luiza Oliveira no UOL Esporte, a maioria dos atletas se manifestou de alguma forma atacando o sistema, encarando Bolsonaro como a antítese necessária para ele. Carlos Alberto, ex-Corinthians e Porto, por exemplo, diz que o que chama sua atenção em Bolsonaro “é que ele é um candidato ficha limpa, que não tem rabo preso com ninguém, único que tem capacidade de fazer alguma coisa […]. Ele representa bater de frente com o sistema. Coisa que outros fazem por troca de favores, para esse início é preciso uma mudança meio que radical pras coisas”. O jogador também justifica seu apoio a Bolsonaro como um dever quase cívico, considerando a desigualdade de recursos entre as campanhas – mais um importante indicativo antissistema.

Mais recentemente, durante as convocações para os atos pró-governo do dia 26, o ex-goleiro Marcos, ídolo palmeirense e campeão do mundo pela seleção brasileira, compartilhou nos stories do Instagram um comparativo de votos entre Bolsonaro e Rodrigo Maia para perguntar “e aí, quem mais nessa bagaça?”. Marcos também explica a postura aguerrida de Bolsonaro, como quem ainda estivesse em campanha, como uma reação natural ao tratamento que o presidente recebe da imprensa. No ato da avenida Paulista, 98% dos manifestantes disseram não confiar na Rede Globo e 95% na Folha.

São Paulo – Manifestação a favor do governo de Jair Bolsonaro na Avenida Paulista. Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil.

O aspecto moral se revela basilar nesse apoio. Lucão chega a dizer que Bolsonaro “é uma pessoa correta, um homem de bem”. Muitos atletas, como Dagoberto, hoje no Londrina, anunciaram o voto associado à religião: “Família, moralidade, justiça. Se você não tem a mesma opinião apenas respeite a minha!!! Feliz a nação cujo Deus é o senhor”. Poucos candidatos competitivos enfatizaram tanto a religião quanto Bolsonaro. Entre os atletas essa postura demostra ter um peso muito significativo.

Os jogadores também são unânimes em rejeitar parte significativa das demandas identitárias, que exigem o reconhecimento de Bolsonaro como uma personalidade reprodutora de discursos discriminatórios e que reforçam o quadro de violências físicas e simbólicas contra minorias no país. Interessante notar como a defesa de Bolsonaro, nesse sentido, se dá em mais ou menos três pontas: Lucas Moura diz que “se [Bolsonaro] fosse racista, estaria preso”, numa rara e contraditória defesa do sistema que, Lucão, ex-Goiás, também reproduz: “Todas as polêmicas que surgiram contra ele, chegaram a ter processo e ele ganhou. Não vale nem a pena dar assunto se ele já ganhou na Justiça, se não se prova nada contra ele”[2].

Já Carlos Alberto acredita que “distorcem o que ele fala para tentar não deixar ele assumir” e que as evidências em contrário são as fotos que Bolsonaro “vive postando” com homossexuais. Outro álibi levantado veio de um atleta ouvido pelo UOL, mas que não quis se identificar, e que revela tanto descolamento com a posição dos movimentos identitários progressistas quanto o modo punitivista como as questões envolvendo segurança pública tem mobilizado a direita no país: “Machismo não acredito, falam muito que ele não protege mulheres, mas o projeto que não foi aceito foi a castração de estupradores, justamente para defender mulheres. Eu não entendo esse tipo de coisa”.

Carlos Alberto, que em 2017 atuou pelo Athletico, também manifestou seu apoio a Bolsonaro. Foto: Reprodução.

E muitas são as declarações de atletas que reagem de alguma forma – em sua maioria bem agressiva – à violência urbana. “Você não vai combater violência com flor”, disse Lucão. Felipe Melo, outro exemplo, começou a chamar atenção nesse sentido quando se indignou com a enquete do Encontro com Fátima Bernardes, da TV Globo, que perguntava de quem seria a prioridade de atendimento entre um policial levemente ferido e um traficante com risco iminente de morte. Inclusive o voto do volante palmeirense foi anunciado assim: “Deus abençoe a todos os trabalhadores e pau nos vagabundos. Bolsonaro neles!”. Parece e de fato é mesmo um paradoxo: a violência como recurso para o enfrentamento da violência. Neste caso, a violência que, a despeito dos mecanismos legais que a cerceiam, se reivindica justa contra a violência que se considera injusta.

Mas também parece haver muito do não dito nesse endosso. Em O homem subjugado: o dilema das masculinidades no mundo contemporâneo, a psicanalista Malvina Muszkat sustenta que o avanço das mulheres nas últimas décadas deixou os homens mais do que desconfortáveis. Muitos são os desdobramentos desse desconforto. E alguns deles podem ser vistos no campo performático: de um lado, os que adotam uma postura pública de submissão que se materializa, por exemplo, em pedidos indiscriminados de desculpas pela condição de gênero que carregam; de outro, os que parecem se esforçar no reforço dos valores masculinos em xeque, como a virilidade, a força e a truculência.

E os estádios de futebol funcionam como uma espécie de refúgio dessas manifestações, onde xingamentos homofóbicos e misóginos ainda circulam, diferentemente do racismo, sem resistência significativa – ou pelo menos à altura de uma mudança de paradigma. O grito de “bicha” na cobrança do tiro de meta, por exemplo, é uma invenção recente. Passando um pouco do tolerável, já que a diretoria do clube reagiu, a torcida do Atlético Mineiro cantou: “Ô, cruzeirense / toma cuidado / o Bolsonaro vai matar viado”. Entre os atletas, a postura militarista do bolsonarismo tornou-se extremamente popular. Além das declarações, também teve muito gol comemorado e fotos nas redes sociais com o famoso gesto de arminha com as mãos. Diego Souza também bateu continência depois de marcar contra o Flamengo, no ano passado.

Diego Souza, que em 2018 atuou pelo São Paulo, comemorou gol homenageando Bolsonaro. Foto: Reprodução/TV Globo.

 

Assim como o ponta, o bolsonarismo, que montou guarida pelo flanco direito, também é polivalente. Ataca, porque sua existência não faz sentido sem os antagonismos que o forjaram. Quer dizer, mesmo governo não abre mão da postura bélica que o consolidou como facção antiestablishment da direita brasileira nos últimos anos e, como disse o cientista político Pablo Ortellado, se mobiliza contra os demais agentes políticos e as instituições para resolver esse dilema populista – ser governo e antiestablishment ao mesmo tempo. Mas o bolsonarismo também defende. Ou pelo menos se apresenta como o campo disposto a proteger a nação brasileira das investidas contra seus valores morais hegemônicos.

Por enquanto o bolsonarismo permanece bem, ainda que meio desastrado com a bola. Joga feio, mas com algum resultado. Se, por um lado, ele não produz dados estatísticos mais técnicos, por outro se revela até aqui coeso o suficiente para não ser vazado. O time adversário também não cria muitos perigos, convenhamos. Resta saber se a estratégia, que é cansativa, vai lhe render uma goleada a favor ou se logo vem uma bola nas costas por aí.


Notas

[1] Este texto é uma versão de pesquisa apresentada no II Seminário Internacional Interdisciplinar de Estudos sobre Futebol e Sociedade, ocorrido entre os dias 28 e 29 de maio na UEPG.

[2] Em 2018, Bolsonaro já havia sido condenado por declarações preconceituosas sobre negros e homossexuais no programa CQC, da Band, e sobre quilombolas no Clube Hebraica do Rio de Janeiro – depois o TRF-2 reverteu essa última decisão, mas a primeira foi mantida pela Sexta Câmara do TJ-RJ.