119.26

Procura-se time para torcer: o que dizem os clubes na hora de conquistar um novo torcedor

Maurício Brum

Notas do Ludopédio:

– Este texto foi publicado originalmente em 26 de julho de 2016.

– Quase três anos depois, fica a dúvida: será que as ouvidorias e assessorias dos clubes brasileiros, sobretudo os da Série A, estão melhor estruturadas e preparadas para dar a atenção devida a uma solicitação de uma pessoa, seja ela estrangeira, seja brasileira, em seus canais de comunicação para conquistar um novo torcedor?


Um francês apaixonado por futebol está vindo morar no Brasil. Como convencê-lo a torcer pelo seu time?

 

O que você faria para convencer alguém a torcer para o seu clube do coração? Esta não é uma situação que aparece todos os dias. Num país em que a paixão pelo futebol nos é incutida desde cedo, muitas vezes por influência da família, a preferência por uma equipe raramente é racional — é muito mais eficiente, digamos, levar uma criança ao Maracanã lotado do que contar para ela quantas taças o Flamengo ganhou em sua história. Mas façamos esse exercício atípico: digamos que você esteja diante de alguém que só começou a gostar de futebol na idade adulta, ou de um estrangeiro sem filiações clubísticas aqui no Brasil: que argumentos você usaria para convencer esse sujeito a vestir as suas cores? Resolvemos dar a palavra aos próprios clubes: “Por que torcer para este time?” foi a pergunta feita aos 60 clubes das Séries A, B e C do Brasil.

A ideia foi inspirada em Aldin Karabeg, torcedor bósnio que, no fim de junho, escreveu para 92 equipes das quatro primeiras divisões inglesas perguntando as razões para passar a acompanhá-las. Poucas responderam, mas algumas chegaram a ir além do esperado: ao ler nos fóruns frequentados por Karabeg que ele estava se inclinando para o Everton, o time de Liverpool gravou um vídeo com Muhamed Besic, bósnio que joga por lá, para convencer definitivamente o novo fã. Na falta de um estrangeiro real, nossa reportagem se valeu de um alter ego: por alguns dias, assumi a identidade de Maurice Boucher, um francês de Nîmes que deve se mudar para o Brasil no ano que vem. Boucher ama futebol e quer muito seguir uma equipe quando chegar aqui. Ainda está aprendendo a língua do novo país, então precisava de paciência dos clubes para o seu português macarrônico e cheio de pequenos erros pontuais. Após contar brevemente sua história, lançava a questão:

Depois de pesquisar um pouco, estou procurando informaçoes sobre as maiores equipes de cada estado. Assim escrevo a vocês para saber por que eu deveria escolher ser um fan de [nome do time].

Saudaçoes fraternas,
Maurice

Santos x São Paulo, Campeonato Paulista, 27 jan. 2019. Foto: Futebol de Campo.

Era uma proposta muito boa: seduzam-me e de quebra ganhem um torcedor internacional, com potencial fácil de divulgação da marca a partir de uma ação bem-feita — como o Everton soube fazer.

Mas a jornada entre mandar a mensagem e obter uma resposta nem sempre é simples. Evitamos as redes sociais, muitas vezes mal administradas, e priorizamos os veículos oficiais habituais: a aba de contato no site da equipe ou a aba da ouvidoria; na ausência de formas de chegar à equipe por ali, procuramos pelo e-mail do clube na primeira página do Google — se nenhuma dessas formas rendesse uma maneira de enviar a mensagem, convenhamos, qualquer estrangeiro escrevendo para dezenas de clubes acabaria desistindo. A incomunicabilidade foi rara e somente dois times não puderam ser acessados seguindo esse método — mas um deles, surpreendentemente, foi o Vasco da Gama. No site do Vasco, a página de contato só lista números de telefone e a aba da ouvidoria exige cadastro prévio para se enviar uma mensagem. O e-mail não aparece em uma busca rápida que Maurice Boucher tentasse fazer através do Google.

Com isso, os 60 clubes se tornaram 58. Além do Vasco, o Guaratinguetá também se revelou difícil de encontrar para um torcedor comum, já que no momento do envio do e-mail (entre os dias 2 e 4 de julho) seu site oficial estava fora do ar. Outra dificuldade nesse tipo de contato é que, muitas vezes, a mensagem é enviada por meio de um formulário padrão no site oficial. Nem sempre se recebe uma confirmação de que se foi bem-sucedido e, mesmo quando ela vem, isso não significa muita coisa: o Corinthians, por exemplo, enviou uma mensagem automática segundos depois do contato original, garantindo que estava em posse da mensagem de Boucher — mas nunca a respondeu.

Já o Palmeiras fez pior: não apenas ignorou a questão como utilizou o endereço de e-mail de Boucher para enviar spam — pouco tempo depois do contato, um anúncio sobre um saldão de camisetas palmeirenses apareceria na caixa de entrada.

Deixamos correr o prazo de uma semana desde o envio dos e-mails para fechar a matéria. Ao fim e ao cabo, 10 equipes responderam: nenhuma da Série C, três da B (Ceará, Joinville e Paysandu) e sete da A (América, Atlético Mineiro, Botafogo, Flamengo, Grêmio, Inter e Santos). O silêncio total da terceira divisão decepcionou, mas a escadinha nas respostas era esperada. Conforme os orçamentos aumentam, é natural que ouvidorias e assessorias estejam mais estruturadas para lidar com esse tipo de contato. A seguir, um resumo do que cada clube tinha a dizer para conquistar um novo torcedor.

 

Série B

CEARÁ

A ordem alfabética faz o Ceará aparecer no topo aqui, mas sua mensagem, na verdade, foi a última que a reportagem recebeu. Veio três dias após o contato original, mas compensou o atraso na simpatia e no material enviado: somente aí Maurice Boucher foi saudado em francês. Embora o e-mail não tenha contado muito sobre o clube, incluía dois links úteis para saber mais sobre a história e a atualidade da equipe, acessando as revistas oficiais do time que, de outra forma, dificilmente seriam lidas pelo torcedor em potencial.

Trecho:

Bienvenue au Brésil! Bienvenue au Ceará!

O Ceará Sporting Club é o mais popular e mais tradicional e maior campeão do estado desde 1914. O Ceará é conhecido como o “Time do Povo” ou “Vozão”. Veja nestes links um pouco da nossa história:

https://pt.calameo.com/read/0020360186a28420eb63d

https://pt.calameo.com/read/00203601811d20e40a0a9

 

JOINVILLE

O JEC foi o primeiro a responder: o contato havia sido feito na tarde de um domingo e, antes do final da manhã de segunda-feira (4/7), a mensagem já estava na caixa de entrada. De Joinville, veio um relato simples e cumpridor sobre as conquistas da história do clube e o fanatismo da torcida.

Trecho:

Se optar por Santa Catarina, recomendamos torcer pelo JEC (Joinville Esporte Clube). O único clube a vencer por oito vezes seguidas o campeonato de times do estado de Santa Catarina. A mais recente conquista nacional entre os times catarinenses, também é tricolor, a Série B do Campeonato Brasileiro de 2014. Representamos na maior cidade do estado e, por consequência, temos a maior torcida.

 

PAYSANDU

Também eficiente, a resposta do Paysandu chegou vinte minutos após o contato do JEC, na mesma manhã de segunda-feira. Assim como o Joinville, o Papão da Curuzu destacou seus feitos e a importância deles na região em que está situado, procurando fazer uma apresentação do clube para alguém que provavelmente sabia pouco sobre ele. Também foi simpático ao usar o termo “fan”, que nosso francês vinha utilizando em sua mensagem original. Além do e-mail propriamente dito, a equipe paraense foi além, indicando links específicos para conhecer mais a história do clube.

Trecho:

O Paysandu é o maior campeão da Amazônia e do Norte do Brasil. Tem mais títulos e ainda possui a maior e mais fiel torcida da região. São milhares de fãns que lotam quase todos os jogos. Único time do norte a participar da competição mais importante do continente. A Libertadores da América. Possui o melhor aproveitamento de um clube do Brasil na competição. Torcer para o Paysandu é torcer bem. A torcida é apaixonada pelo clube e possui várias curiosidades. Veja em http://paysandu.com.br/paysandu/curiosidades/

Palmeiras x Paysandu, Campeonato Brasileiro Série B, 17 ago. 2013. Foto: Futebol de Campo.

 

Série A

AMÉRICA

O América deu a resposta mais rápida de todos os clubes contatados. Apenas vinte minutos após o e-mail original, o Coelho oferecia seus argumentos para atrair um novo torcedor: a mensagem seguiu o foco da campanha de associação que apresenta o América como o “Time da Família”, e incluiu o texto “Sonhos não envelhecem…”, de Marinho Monteiro, uma longa ode de amor ao clube e sua história. Não foi uma mensagem personalizada, mas foi uma das que mais se estendeu ao contar os feitos da equipe.

Trecho:

Veja o texto do americano (torcedor do América Mineiro) e saiba que o América é uma causa a ser defendida, somos o ‘Time da Família’ e como família lutamos cada luta em defesa das nossas causas, do nosso Manto Sagrado, a camisa do América Futebol Clube, o Coelhão das Minas Gerais:

Sonhos não envelhecem…

O América, como Belo Horizonte, nasceu de um sonho. Aquilo que transita entre o lúdico e o concreto, a utopia e a realidade, o racional com o irracional, a longevidade do amor com o efêmero da paixão. […]

 

ATLÉTICO-MG

Do Galo, veio a resposta mais tardia entre os clubes da Série A — dois dias após o contato original. A demora foi compensada por uma das mensagens mais completas. O Atlético Mineiro se centrou em destacar a paixão da sua torcida, inclusive com vídeos, ofereceu uma série de canais diferentes para acompanhar o clube à distância (links para suas páginas no YouTube, Instagram, Twitter, Facebook e Flickr), e ainda teve uma pitada personalizada para um torcedor vindo da França, falando sobre as ligações do clube com aquele país.

Trechos:

É sempre bom crescermos nossa família. Sim, somos uma família de mais de 10 milhões de loucos apaixonados por esse manto alvinegro. Ser ATLETICANO é muito bom. Não é simplesmente torcer, é viver intensamente uma paixão. Para conhecer um pouco sobre o comportamento da torcida em dias de grandes jogos do Galo, recomendamos assistir ao vídeo abaixo.

[…]

Por fim, o Atlético tem uma grande afinidade com a França. Além do título do Torneio de Paris (1982 — França), nosso mascote é o Galo.

 

BOTAFOGO

Tardou um dia para o Botafogo responder com um texto curto, que nada contou sobre a história do clube, mas teve um diferencial importante: foi dos poucos times a efetivamente convidar para conhecer o clube em pessoa, abrindo as portas ao torcedor em potencial. Em meio a tantas respostas frias e padronizadas, um tratamento mais pessoal chamou a atenção.

Trecho:

Quando estiver no Rio de Janeiro, na próxima oportunidade, não deixe de fazer contato. Teremos prazer em recebê-lo em nossa sede social para uma visita guiada em que conhecerá toda a história do nosso Glorioso e, certamente, se tornará um grande fã.

 

FLAMENGO

O grande problema para o Botafogo é que, no Rio de Janeiro, outro clube também fez convite para uma visita, em uma resposta bem mais completa — o Flamengo destacou não apenas as conquistas rubro-negras, mas o aspecto que o separa dos demais clubes do país: a imensidão de sua torcida. É verdade que um clube do tamanho do Fla tem facilidade para seduzir um novo torcedor, mas nem todos os times souberam aproveitar isso — como o Grêmio vai mostrar a seguir.

Trecho:

O Flamengo é o time brasileiro com mais de 40 milhões de torcedores, é um time que quando joga em casa, no Maracanã deixa qualquer um arrepiado. O Flamengo quando ganha tem festa no bar, na favela, na casa de ricos, de pobres, em qualquer estabelecimento. Único time do Rio que é campeão do mundo, o primeiro time do Rio a ser campeão da libertadores e também somos campeões 6 vezes do campeonato nacional. O Flamengo é um time também do povo e da elite, é o time que tem a torcida carismática e que está sempre do lado, dando palpites e participando do dia-a-dia. Esperamos que possamos ajuda-lo, venha nos visitar na Gávea para você ver de perto o clube, nossa sede.

 

GRÊMIO

A nota positiva para o Grêmio é que ele respondeu — 50 outros times não foram capazes de fazer isso. A nota negativa é que, das dez respostas recebidas, a do Grêmio é a que menos atrairia um torcedor novo, querendo aprender sobre o gremismo e sua história. Além de demorar um dia para responder, a justificativa para torcer para o tricolor teve exatamente uma linha sobre o tamanho da torcida e, em seguida, sugeriu entrar no site oficial do clube: na homepage! Indicar um link não é problema: outros times apontaram endereços com textos sobre suas conquistas e tradições. O Grêmio, porém, simplesmente aconselhou que Boucher entrasse na mesma página que já havia visitado para fazer o contato original.

Trecho:

Obrigada pelo contato.

Por ser a MAIOR TORCIDA DO SUL DO PAÍS.

Entre no nosso site (www.gremio.net)

 

INTERNACIONAL

Assim como o América, o Inter foi muito rápido, compensando com a eficiência o que faltou em intimidade no seu contato. A resposta colorada chegou em quarenta minutos, e indicava um link para acessar o vídeo da campanha de associação “É mais que um jogo. É o Inter”, que tem circulado na tevê gaúcha. Embora não tenha se dedicado a falar da história do clube, o Inter foi (ao lado do Galo) dos únicos a sugerir um vídeo, permitindo uma visualização do que é ser um torcedor no Beira-Rio.

Trecho:

O Sport Club Internacional agradece seu contato.

Segue um bom motivo para ser colorado.

http://www.internacional.com.br/conteudo?modulo=2&setor=18&codigo=34626

Palmeiras x Internacional, Campeonato Brasileiro, 22 abr. 2018. Foto: Futebol de Campo.

 

SANTOS

Com Pelé no passado e Neymar no presente, o Santos talvez seja o clube brasileiro que tem a tarefa mais fácil ao se deparar com um estrangeiro: dificilmente alguém não terá ouvido falar do clube e seus feitos. Mesmo assim, os santistas não dormem nos louros e ofereceram, de longe, a resposta mais completa e instigante do futebol brasileiro. Também foi a mais extensa, e por isso nos estenderemos mais com eles. O Santos foi o único clube a admitir que só os seus argumentos não bastam para formar um torcedor, como nesta passagem:

“caro Maurice, expomos alguns dos motivos pelo qual você possa se decidir por ser fã, porém analise e torça pelo Clube o qual seu coração mandar. Por aquele clube que lhe transmitir simpatia”.

Reconheceu ainda as questões específicas do Brasil quando se trata de acompanhar um time:

“Assim, devido as dimensões continentais, no Brasil há vários Clubes considerados grandes, seja pela sua estrutura ou pela tradição, os quais você pode optar para ser fã. Há uma identificação muito grande dos torcedores com seus clubes por características regionais, ou seja, perto de onde reside, no Estado, por influência familiar, pela posição do mesmo nos campeonatos quando o torcedor começa a se interessar por futebol e aparição constante na mídia. Ainda, outro fator preponderante é o Estado onde você for residir, pois muitas vezes a Televisão (afiliada local) transmite jogos dos clubes do próprio Estado e devido a frequência das partidas os torcedores acabam se simpatizando e torcendo por determinada Equipe.”

Da Vila Belmiro veio não somente um relato sobre a história do clube e uma sugestão para passear pelo estádio e conversar com velhos ídolos: foi também o convite mais atencioso e personalizado, com o ouvidor do clube se dispondo pessoalmente a guiar nosso torcedor em potencial durante sua visita:

Ao se transferir para o Brasil, venha nos fazer uma visita. Teremos o prazer em recebê-lo e levá-lo para assistir ao treino dos jogadores profissionais no Centro de Treinamento Rei Pelé, para ter contato direto com os jogadores através de fotos e autógrafos. Venha conhecer o Memorial das Conquistas (Museu) o qual apresentaremos os mais importantes e valiosos troféus. Conhecer os Camarotes em homenagem aos grandes goleiros como Gilmar, Cejas e Rodolfo Rodrigues, Sala de Imprensa, Vestiários dos Profissionais (inclusive o armário lacrado do Rei Pelé) e o gramado do Templo Sagrado. Se ficar algum tempo nos arredores do estádio terá oportunidade de encontrar com Pepe, Coutinho, Clodoaldo, Edú e outros monstros sagrados do futebol passeando, que de forma simples orbitam a Vila mais famosa do mundo, que terão o prazer em lhe dar autógrafo e fotos. Por último, programe-se para assistir a uma partida do time aqui no denominado Alçapão da Vila, e sinta a magia da torcida. Ao vir procure a mim (Batalha) ou Venceslau — Ouvidores, que teremos o prazer de promover um tour com você.

Depois disso, Maurice Boucher provavelmente não teria dúvidas quanto ao seu novo time.

 

Atualização (28/07/2016, 20 horas)

Após a publicação da reportagem, dois clubes fizeram contato. O Cruzeiro, através de um funcionário do clube, fez contato pela página do Puntero Izquierdo no Facebook. Já o Criciúma acabou respondendo o e-mail do próprio Maurice, o francês.

O Cruzeiro desejava apenas confirmar para onde e quando havia sido enviado o e-mail, a fim de averiguar a falha de não responder à mensagem do torcedor fictício.

Depois de tomar conhecimento da reportagem, o Criciúma pediu desculpas pela demora e enviou a resposta com os argumentos que usaria para conquistar um torcedor. Segue um trecho:

Somos um time do interior de Santa Catarina, representamos nossa cidade, Criciúma. Conhecidos como a cidade do carvão, mais especificamente somos chamados de ‘pé pretos’ ou ‘carvoeiros’. Somos o único time de SC que possui o título da Copa do Brasil. Aquela história de Davi e Golias? Foi assim, o pequeno venceu o gigante. Conquistamos a Copa do Brasil em 1991 e é o maior orgulho da nossa cidade! Temos três títulos em competições nacionais (Copa do Brasil 1991, Série B 2002 e Série C 2006) e 10 estaduais. Somos de uma cidade pequena, um time simpático e o coração gigante. Somos queridos pelo Brasil inteiro, até mundialmente… costumam nos chamar de Criciúma Dortmund, pelas cores que lembram o Borussia, time alemão. […] Se você busca por emoção e adrenalina, está no time certo. A paixão é tão forte por esse clube, que todos os torcedores nos identificam como: teste para cardíaco. Haja coração!! E como toda adrenalina, a nossa não deixa de ser diferente: vicia. Nosso último jogo pode deixar você entender um pouquinho deste fato: http://criciuma.com.br/blog/o-clube/heroico-tigre-vence-de-virada

Pedimos desculpas novamente e estamos a disposição caso tenha interesse de nos visitar.


Publicado originalmente no Puntero Izquierdo em 2016, que é uma revista digital de publicação de histórias de futebol.