120.28

Samuel Eto’o, o craque dos gols extracampo de Camarões

Thiago Rosa

Maior artilheiro da seleção camaronesa, com 56 gols em 118 jogos, quatro vezes eleito o melhor jogador africano e terceiro do mundo pela FIFA em 2005, atuando pelo Barcelona de Ronaldinho e Deco. A carreira do camaronês Samuel Eto’o, de 37 anos e atualmente no Qatar, é mesmo diferenciada. Fora dos gramados, o ídolo do Barça, Inter de Milão e ex-capitão dos Leões Indomáveis – como é chamada a seleção de Camarões – também quer fazer a diferença. 

Um craque também fora dos campos. Foto: Wikipedia.

Assim como a maior parte das nações próximas ao deserto do Saara, Camarões enfrenta seríssimos problemas sociais e econômicos. Atualmente ocupa a 151ª colocação entre 189 países no ranking de Desenvolvimento Humano, o IDH. Pobreza, analfabetismo e precariedade nos sistemas de saúde e abastecimento fazem parte da realidade de grande parcela da população.

De forma efetiva, Eto’o tem tentado mudar um pouco esse jogo. Desde 2006, ele mantém a “Fundacão Privada Samuel Eto’o”, uma organização não governamental voltada ao atendimento de crianças pobres do oeste do continente africano. A fundação conta com ações nas áreas de Educação, Saúde, Inclusão Social e Esporte. “O futebol me deu tudo e me vejo na obrigação de corresponder aos meus. Não há nada mais bonito e que me faça mais feliz do que ajudar aqueles que estão com problemas”, diz o jogador no site da instituição.

Nascido no município de Douala, Eto’o não se esqueceu de suas raízes. Foi ele quem bancou a construção da ala pediátrica em um hospital da cidade. Segundo a imprensa local, ele mantém ainda a promessa de diminuir a evasão escolar de crianças e jovens, construindo escolas no país.

Pavilhão que leva o nome do jogador no Hospital Laquintinie, em Douala, Camarões, inaugurado em 8 de maio de 2017. Foto: Reprodução/Facebook.

Combate ao terrorismo 

Rápido e destemido nos gramados, Samuel Eto’o também se mostra corajoso naquele que é um dos principais focos de tensão no continente: o terrorismo. Há três anos, o jogador criou a Yellow Whistleblower FC, uma iniciativa para angariar fundos e ajudar as pessoas vítimas do grupo fundamentalista islâmico Boko Haram em Camarões e na vizinha Nigéria.

Segundo dados oficiais, nos últimos oito anos mais de 3 mil pessoas foram assassinadas e outras 150 mil pessoas tiveram que fugir de suas casas por conta das ações do Boko Haram. Com objetivo de implantar um Estado Islâmico dentro da Nigéria, o grupo é responsável direto por sequestros de mulheres e jovens, raptos e execuções.

Ajuda a um ex-jogador

Samuel Eto’o, herói nacional. Foto: Wikipedia.

Norbert Owona foi um meia e ex-capitão da seleção de Camarões dos anos 60 e 70. Há poucos meses, ele ganhou as manchetes dos jornais do país por estar morando na rua. Segundo o próprio jogador, a perda do dinheiro ganho na carreira e a morte da esposa em um acidente de carro teriam desencadeado a situação de vulnerabilidade social.

Após uma carta endereçada ao governo do país, em que Owona dizia estar “vivendo como um animal”, a história ganhou popularidade em Camarões e chegou ao conhecimento de Eto’o. Hospitalizado para uma cirurgia de hérnia, Owona recebeu a visita do jogador, que doou 500 mil francos CFA (cerca de R$ 3,7 mil) para que ele pagasse suas despesas básicas. Eto’o ainda teria prometido comprar uma casa para que o ex-capitão recomeçasse a vida.

Perto de encerrar uma brilhante história dentro das quatro linhas, Samuel Eto’o segue marcando golaços.