106.21

Ter um time mais experiente ganha campeonato?

Guilherme Eler

A idade de um jogador de futebol costuma ser um critério importante para determinar o seu valor de mercado. Uma estimativa feita em fevereiro de 2018 mostrou que, com exceção de Lionel Messi, que tem 30 anos, todos os outros dez atletas mais valiosos da atualidade não passam dos 26. É por volta dessa fase que a maioria dos jogadores costuma atravessar o auge de seu preparo físico, antes de uma natural perda gradativa de rendimento até a aposentadoria.

Em uma época em que os novos craques deixam as equipes de base rumo ao futebol profissional cada vez mais cedo, a idade em questão já pode denotar certa bagagem. Aos 19 anos, Neymar Jr., por exemplo, já tinha o título de uma Copa Libertadores no currículo. Gabriel Jesus, antes de sua última lesão, era titular do Manchester City e da seleção brasileira aos 20.

Há aspectos do desenvolvimento dos atletas, no entanto, que só se consolidam com o tempo. A tendência é que, conforme ganhem experiência e disputem mais partidas, jogadores aprendam a administrar melhor a pressão e oscilem menos em seu desempenho, tornando-se mais regulares.

Encontrar um equilíbrio entre o potencial dos novatos e a maturidade de veteranos, dessa forma, parece ser a fórmula ideal para uma equipe vencedora. A ideia sempre rondou o imaginário futebolístico internacional, e foi reafirmada por um novo estudo que investigou a relação entre bons resultados nos gramados e a idade média dos times.

O levantamento, publicado no último relatório mensal do CIES Football Observatory (observatório de futebol do Centro Internacional de Estudos de Esporte), órgão de pesquisa independente que tem sede na Suíça, cravou a idade média de um time campeão como 26.5 anos. Isso é o que costuma valer, pelo menos, entre os campeões das principais ligas nacionais europeias dos últimos anos.

cristianoronaldo

O jovem Cristiano Ronaldo no Manchester United em 2006. Foto: Ray Booysen (CC BY-NC 2.0).

Ao todo, o estudo avaliou 42.550 atletas de equipes que disputaram 31 primeiras divisões de países da Europa, entre 2009 e 2017. Foram considerados jogadores inscritos oficialmente até o dia 1º de outubro de cada ano. Para entrar na conta, o atleta precisava ter entrado em campo em pelo menos um jogo do campeonato nacional no período ou, então, disputado partidas profissionais nas duas últimas temporadas. Segundos e terceiros goleiros dos times, mesmo sem terem atuado, também foram incluídos. Apesar da idade de ouro serem os 26.5 anos, várias equipes que alcançaram bons resultados em competições locais apostaram em estratégias ligeiramente diferentes. Seguem abaixo os principais exemplos.

Os campeões mais novos

Entre 2009 e 2017, o time mais inexperiente a conquistar um título nacional foi o desconhecido FK AS Trenčín, da Eslováquia. A taça veio em 2014, com um plantel composto por jogadores com 21.74 anos, na média.

Na lista dos dez campeões mais novos há, porém, equipes bem mais tradicionais. AFC Ajax e PSV Eindhoven, 2º e 3º lugares, respectivamente, são os maiores campeões da Eredivisie, nome dado à primeira divisão da Holanda.

Em seu título de 2012, o Ajax tinha jogadores com média de 22.66 anos. Já a do PSV, campeão em 2014, foi ligeiramente maior, atingindo a marca dos 22.84 anos. Entre os cinco campeonatos europeus mais tradicionais, a equipe do Borussia Dortmund na temporada 2011/2012 fez história. O título da Bundesliga, primeira divisão alemã, veio com um time que tinha média de 24.7 anos. Não é o que costuma acontecer em ligas como a da Inglaterra e, sobretudo, da Itália, onde estão algumas das médias mais elevadas.

Os campeões mais velhos

Durante o período, uma única equipe com média de idade acima dos 30 foi campeã nacional. O feito pertence ao Apoel FC, time do Chipre que venceu a liga cipriota de 2012 com jogadores na casa dos 30.38 anos. O top 10 de clubes mais velhos também traz quatro equipes de peso. São elas, com suas respectivas médias de idade:

AC Milan (2010), 2ª mais velha, 29,2 anos
FC Inter de Milão (2009), 3ª mais velha, 28.92 anos
Juventus FC (2013), 4ª mais velha, 28.86 anos
FC Bayern de Munique (2016), 10ª mais velha, 27.98 anos

Com três equipes na lista, a Itália se destaca entre os campeões de mais idade. No título de 2010/2011 do Milan, por exemplo, os brasileiros Alexandre Pato (à época, com 22 anos), Robinho (27) e Thiago Silva (27), dividiam espaço com veteranos como o sueco Zlatan Ibrahimovic (30) e os italianos Alessandro Nesta (35) e Genaro Gattuso (33).

Os dados revelam também que os clubes italianos mantiveram um histórico de equipes mais experientes no período. A média de idade registrada foi a 2ª maior de toda a Europa. Atrás apenas da liga do Chipre, os jogadores da “Serie A” tinham, em média, 27.13 anos. O time de 2015 do AC Chievo, clube da cidade italiana de Verona, contou com o time mais velho da Europa entre 2009 e 2017: 30.58 anos de média.

Na temporada seguinte, iniciada em 2016, a média se manteve bastante alta: 30.4. De acordo com o estudo, esse padrão observado na Itália é reflexo das diferenças culturais que os diferentes países possuem quanto à média de idade ideal para um time competitivo. Em seu último título de Copa do Mundo, em 2006, a seleção italiana tinha uma equipe experiente, formada por jogadores que atuavam essencialmente em clubes locais e com idade de 29,36 anos, em média.

“O trabalho de formação de uma equipe é uma arte, e precisa ser bem entendido para causar impacto. O balanceamento da média de idade permite que os atletas mais jovens se desenvolvam junto aos mais experientes, substituindo-os como pilares do time com o tempo. Este também é um pré-requisito para manter uma equipe estável e um bom desempenho ao longo do tempo.”
Conclusão do estudo “Há uma média de idade ideal para vencer no futebol?“, feito pelo CIES

nexo_jornal_logoEste texto é uma republicação de artigo publicado no site Nexo Jornal.