A dança dos deuses

Autores

Hilário Franco Junior

Subtítulo

futebol, sociedade e cultura

Editora

Companhia das Letras

Cidade

São Paulo

Tema

Cultura; Futebol - Aspectos Sociais; Futebol - História

Área de concentração

História

Páginas

433

Ano

2007

ISBN

8535910565

Sumário

Prefácio, 11

Introdução, 14

Parte 1 – Futebol, micro-história do mundo contemporâneo

1. Síntese da Europa industrial e colonialista, 25
1.1 A pedagogia elitista inglesa (1848-75), 26
1.2 As reivindicações populares (1876-1904), 34
1.3 Exportações culturais e equilíbrios sociais (1905-37), 43
1.4 Conflitos nacionais e esportivos (1938-53), 51

2. Síntese do Brasil agrícola e mestiço, 60
2.1 Futebol e regime oligárquico (1895-1920), 61
2.2 A crise do regime oligárquico e o fim do amadorismo (1920-33), 69
2.3 Estado populista e futebol das massas (1934-45), 77
2.4 Futebol e democracia populista (1946-54), 85

3. Síntese da Europa dividida e integrada, 94
3.1 Os modelos correntes do capitalismo e do socialismo (1954-8), 95
3.2 A terceira via dos prolongamentos fascistas (1959-74), 103
3.3 O sucesso liberal (1974-95), 112
3.4 A globalização econômica e esportiva (desde 1996), 120

4. Síntese do Brasil desigual e combinado, 129
4.1 Ensaios de organização empresarial (1955-64), 130
4.2 O futebol nos anos de chumbo (1964-74), 138
4.3 Eficiência e democracia relativas (1974-86), 146
4.4 A difícil adaptação ao modelo liberal (desde 1987), 155

Parte 2 – Futebol, metáfora do mundo contemporâneo

5. Metáfora sociológica, 167
5.1 Autoritarismo, democracia, nacionalismo, 168
5.2 Mercantilização e globalização, 179
5.3 Violência social e violência futebolística, 190
5.4 Solidariedades e rivalidades, 200

6. Metáfora antropológica, 212
6.1 O espírito clânico, 213
6.2 A dança sagrada, 224
6.3 A guerra simbólica, 235
6.4 A festa, 246

7. Metáfora religiosa, 258
7.1 Ídolos individuais, divindade coletiva, 259
7.2 Rito, templo, símbolo, 270
7.3 Dogmas, oficiantes, laicos auxiliares, fiéis, 281
7.4 Crer, torcer, distorcer, 292

8. Metáfora psicológica, 303
8.1 Identidades individuais, 304
8.2 Identidades coletivas, 315
8.3 O “narcisismo das pequenas diferenças”, 326
8.4 Entre a eficiência e o aleatório, 336

9. Metáfora linguística, 348
9.1 Morfologia, 349
9.2 Semântica, 360
9.3 Sintaxe, 371
9.4 Retórica, 382

Conclusão, 393

Bibliografia, 398

Sinopse

No Brasil, o futebol é bastante jogado, mas insuficientemente estudado. Esta constatação estimulou o medievalista Hilário Franco Júnior a empreender uma abrangente viagem em torno do tema. “A dança dos deuses” está dividido em duas partes, uma histórica e outra de viés analítico. Do ponto de vista histórico, o autor mostra como o futebol não pode ser dissociado da história geral das civilizações. Exemplo eloqüente encontra-se na lógica da sua propagação e rejeição, a partir da Inglaterra, tendo sido bem-aceito nos países que sofriam forte influência cultural inglesa, mas nunca devidamente incorporado em países que constituíram o império, como Austrália e Canadá. A própria evolução das regras e das táticas do esporte responderam, é fato, a necessidades específicas do jogo, mas também só podem ser entendidas em contextos de adaptação do futebol às mudanças no mundo. Na segunda parte, Franco Júnior procura investigar o esporte como metáfora sociológica, antropológica, religiosa, psicológica e lingüística. Somos levados a pensar, por exemplo, sobre os diferentes usos políticos do futebol, seja por regimes autoritários ou democráticos, tanto uns quanto outros sempre abraçados ao nacionalismo. O autor nos convida a refletir sobre os sentidos ocultos em toda a ritualização do mundo esportivo, nos nomes dos times, nas cores das camisas, nos escudos, e ainda recorre a Freud para examinar a fascinação que o esporte exerce. Hilário Franco Júnior leva ao limite a idéia de que o futebol é uma imitação da vida.

Referência

FRANCO JUNIOR, Hilário. A dança dos deuses: futebol, sociedade e cultura. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.