A imprensa escrita entra em campo

Autores

Patrícia Volk Schatz

Subtítulo

relações entre política e futebol através da análise da revista placar (1974-1982)

Orientador

Waldir José Rampinelli

Banca

Rogério Santos Pereira, Reinaldo Lindolfo Lohn , Émerson César de Campos

Faculdade / Instituição

Departamento História, Universidade Federal de Santa Catarina

Tipo

Dissertação

Área de concentração

Mestrado em História

Ano

2015

Páginas

193

Cidade

Florianópolis

Resumo (pt)

A revista Placar, lançada em 1970, contribuiu com a história do futebol no Brasil. Em suas páginas, marcadas pelo período da ditadura-civil militar, desenvolveram-se análises sobre o Campeonato Brasileiro de Clubes, a Seleção Brasileira e o envolvimento do esporte com a política. Com o governo Geisel é anunciada, em 1974, a abertura política brasileira que decretou o fim lento e gradual do regime militar no país e, assim, observam-se processos de mudança no futebol brasileiro. A partir da segunda metade da década de 1970 nota-se que os editoriais, reportagens, charges e seções do impresso esportivo tornaram-se mais críticos em relação a presença militar no comando do futebol nacional. É possível observar um processo de abertura política do futebol brasileiro inserido no processo nacional anunciado por Geisel. A revista Placar realizou um papel fundamental como agente formador de opinião ao tecer críticas à gestão do Almirante Heleno Nunes como presidente da Confederação Brasileira de Desportos (CBD) e ao apoiar a criação da Confederação Brasileira de Futebol (CBF). Já no governo Figueiredo, o último do regime civil-militar, houve um esforço pela desvinculação entre a política dos militares e o esporte com o anúncio de que a CBF assumiria a administração do futebol nacional.

Palavras-chave: futebol; política; ditadura civil-militar; Placar.

Abstract

Placar magazine, launched in 1970, contributed to the football’s history in Brazil. Its pages, marked by the military-civilian dictatorship period, have developed analyzes of the Brazilian Championship of Football Clubs, the Brazilian National Football Team and the involvement between sports and politics. During Geisel government, in 1974, is announced the Brazilian political opening that decreed the slow and gradual end of military regime in the country, and thus, it was possible to observe some changes in the Brazilian football. From the second half of the 1970s, editorials, reports, cartoons and sports sections became more critical about the military presence in the National Football command. It is worth mentioning a political opening of the Brazilian football inserted in the national process announced by Geisel. Placar magazine had a crucial role as an opinion-forming agent to criticize the management of Admiral Heleno Nunes as president of the Brazilian Sports Confederation (CBD) and supporting the creation of the Brazilian Football Confederation (CBF). Therefore, during Figueiredo’s government, the last military president of the civil-military regime, there was an effort to separate military policy from sports with the announcement that the CBF would assume the National Football’s Administration.

Key words: football, policy, civil-military dictatorship, Placar.

Sumário

INTRODUÇÃO, 17
1. O FUTEBOL SE REINVENTA NO BRASIL, 25
1.1 O AQUECIMENTO: PRIMEIROS PASSOS DA IMPRENSA ESPORTIVA E DAS INSTITUIÇÕES FUTEBOLÍSTICAS, 25
1.2 PONTAPÉ INICIAL: O GOLPE CIVIL-MILITAR E OS PRIMEIROS GOVERNOS MILITARES, 32
1.2.1 Governo Castelo Branco: primeiros passos em campo, 38
1.2.2 Governo Costa e Silva: novas regras são introduzidas no jogo, 40
1.2.3 Governo Médici: a economia cresce e o jogo endurece, 41
1.2 O FUTEBOL NACIONAL VESTE UMA NOVA CAMISA: A REVISTA PLACAR, 43
1.2.1 Saldanha e Placar: novas páginas na história do futebol no Brasil,50
1.2.2 A revista Placar e os clubes brasileiros: campeonato nacional, atletas e as estratégias publicitárias, 55
1.2.3 Bolada de ouro: a Loteria Esportiva, 60
1.3 SINAIS DE NOVOS TEMPOS: A ABERTURA POLÍTICA BRASILEIRA E A DEMOCRACIA, 63

2. O BRASIL TORCE PELA DEMOCRACIA,69
2.1 GOVERNO GEISEL E A ESTRATÉGIA DE ABERTURA POLÍTICA,70
2.1.1 Virada de jogo: primeiros passos para a transição política,75
2.1.2 Copa do Mundo de 1974: entre expectativas, pessimismo e decepções, 78
2.2 OS MILITARES MANTÉM O JOGO: NOVOS REFORÇOS NO COMANDO DO ESPORTE NACIONAL,85
2.2.1 A postura do governo Geisel após as derrotas eleitorais de 1974, 89
2.2.2 Onde a ARENA vai mal, um time no nacional: os campeonatos brasileiros na era Heleno Nunes, 91
2.3 PÃO E CIRCO: A SELEÇÃO BRASILEIRA DE 1978, 93
2.3.1 Onde a ARENA vai mal, um candidato do nacional: os craques vão à urna em 1978,100
2.4 ÚLTIMOS LANCES DO JOGO: O FIM DO GOVERNO GEISEL,105
2.4.1 A política vai para as arquibancadas: manifestações e lutas por democracia, 106
3. A ABERTURA POLÍTICA DO FUTEBOL BRASILEIRO, 111
3.1 CRISES DA ABERTURA FUTEBOLÍSTICA: A TRANSIÇÃO PARA A CBF, 112
3.1.1 Indesejável futebol: o Campeonato Brasileiro de 1979, 123
3.1.2 A política e o humor nas páginas de Placar: a anistia e a ameaça dos helenios, 126
3.1.3 A ‘Seleção da abertura’: rompimento lento e gradual, 133
3.2 A NOVA CBF: O DESAFIO DA ORGANIZAÇÃO DOS CAMPEONATOS DE CLUBES, 143
3.2.1 Brasil rumo a Espanha: Eliminatórias de 1982, 150
3.3 PLACAR SE INVENTA E REINVENTA: PRIMEIRO CENSO DO FUTEBOL BRASILEIRO, 156
3.3.1 Ao tetra, Brasil!, 160
3.3.2 Futebol e democracia: novas aproximações,167
3.3.3 Eleições de 1982: Copa do Mundo ganha eleição?,169

CONCLUSÃO, 175

FONTE, 179

REFERÊNCIAS, 185

Referência

SCHATZ, Patrícia Volk. A imprensa escrita entra em campo: relações entre política e futebol através da análise da revista placar (1974-1982). 2015. 193 f. Dissertação (Mestrado em História) - Departamento História, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2015.