A medicalização no futebol brasileiro

Autores

Tiago Rosa Machado

Subtítulo

discursos, saberes e práticas (1950-1966)

Orientador

Flavio de Campos

Banca

José Paulo Florenzano, José Geraldo Vinci de Moraes

Faculdade / Instituição

Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo

Tipo

Dissertação

Área de concentração

Mestrado em História Social

Ano

2014

Páginas

296

Cidade

São Paulo

Resumo (pt)

A presente pesquisa aborda diferentes manifestações discursivas verificadas em um segmento da imprensa escrita brasileira nos processos de preparação das seleções brasileira ao longo dos anos delimitados pelas Copas do Mundo de 1950 e 1966. Nesse contexto, procuramos perquirir a emergência dos saberes associados à autoridade do médico da CBD e sua determinante correlação na autorização e assentamento de novas expertises acionadas com o intento de maximizar a eficiência atlética dos jogadores de futebol. Procuramos investigar de quais modos se manifestam alguns aspectos relacionados à afamada modernização da gestão inaugurada pela chegada de João Havelange à presidência da CBD, em 1958 e, dessa forma, como se encadeiam permanências e rupturas no âmbito das questões técnicas atinentes ao preparo dos futebolistas. O período aqui enfocado contempla os processos seminais de especialização do condicionamento físico dos jogadores, da submissão dos futebolistas a uma verdadeira plêiade de especialidades médicas, incluindo a preparação psicológica, e, por conseguinte, da afirmação de um regime de economia de poder e controle centrados no corpo dos sujeitos jogadores de futebol.

Abstract

This research deals with the different discursive expressions found in a segment of the Brazilian press during the preparations of the Brazilian national soccer team for the World Cups from 1950 to 1966. In this context, we aimed to investigate the emergence of a discourse of expertise among physicians of the Brazilian Sports Confederation (CBD) and their role in the authorization and implementation of new techniques intended to maximize the athletic efficiency of Brazilian footballers. We explored the ways in which some aspects of this process were related to the famous modernization of football management inaugurated by the arrival of João Havelange to the presidency of the CBD in 1958 and the subsequent consequences for continuities and discontinuities in technical questions related to the athletic preparation of players. During this period, the preparation of players on the national team involved initial specialized physical conditioning and the submission of players to a veritable host of medical specialties, including psychological preparation. As a result, this process contributed to the construction of a regime of power and control centered on the bodies of the footballers.

Resumo (outro idioma)

La presente investigación aborda diferentes manifestaciones discursivas observadas en un sector de la prensa escrita brasileña en los procesos de preparación de las selecciones brasileñas a lo largo de los años delimitados por las Copas del Mundo de 1950 y 1966. En este contexto, procuramos inquirir en la emergencia de los saberes asociados a las autoridades médicas de la CBD y su determinante correlación en la autorización y asentamiento de nuevos expertismos accionados con la intención de maximizar la eficiencia atlética de los jugadores de futbol. Buscamos investigar de qué forma se manifiestan algunos aspectos relacionados a la afamada modernización de la gestión inaugurada por la llegada de João Havelange a la presidencia de la CBD, en 1958 y, de ese modo, como se encadenan permanencias y rupturas en el ámbito de las cuestiones técnicas relativas al preparo de los futbolistas. El periodo aquí enfocado contempla los procesos seminales de especialización del condicionamiento físico de los jugadores, de la sumisión de los futbolistas a una verdadera pléyade de especialidades médicas, incluyendo la preparación psicológica, y, por consiguiente, de afirmación de un régimen de economía del poder y del control centrados en el cuerpo de los sujetos jugadores de futbol.

Sumário

I. Introdução, 15

II. Capítulos, 22

1. Preparando o campo de jogo: A territorialização do saber médico, as incitações discursivas e os enunciados oficiais, 23
1.1. Defesa, armação e ataque do discurso médico, 24
1.2. Discursos nas derrotas e nas vitórias, 32
1.3. A gestão Havelange: diálogos com os discursos oficiais, 45

2. O paradigma ou a reinvenção em 1958: referências, modulações técnicas e redefinições médicas, 63
2.1. A formação dos planteis brasileiros: anúncios, convocações e pertencimento à seleção, 65
2.1.1. Copa de 58, 66
2.1.2. Copa de 54, 72
2.1.3. Copa de 50, 77
2.1.4. Resenha: “A formação dos plantéis brasileiros: anúncios, convocações e pertencimento à seleção” em vista das Copas de 50, 54 e 58, 84
2.2. Corpo burocrático, corpo técnico: o Conselho Técnico de Futebol, a Comissão Técnica e as divisões dos poderes na seleção brasileira, 89
2.2.1. Copa de 50, 90
2.2.2. Copa de 54, 102
2.2.3. Copa de 58, 111
2.2.3.1. Paulo Machado de Carvalho, 114
2.2.3.2. João Havelange, 121
2.2.3 Copa de 58 [continuação], 126
2.2.4. Resenha: “Corpo burocrático, corpo técnico: o Conselho Técnico de Futebol, a Comissão Técnica e as divisões dos poderes na seleção brasileira” em vista das Copas de 50, 54 e 58, 142
2.3. O processo de medicalização do futebol na seleção brasileira, 152
2.3.1. Copa de 1950, 154
2.3.2. Copa de 1954, 159
2.3.3. Copa de 1958, 166
2.3.3.1. A questão médica no Plano Paulo Machado de Carvalho, 167
2.3.3.2. O Preparador físico, 170
2.3.3. Copa de 1958 [continuação], 176
2.3.3.3. O psicotécnico, 190
2.3.4. Resenha: “O processo de medicalização do futebol na seleção brasileira” em vista das Copas de 50, 54 e 58, 197

3. A era 1958-1966: replicação e aperfeiçoamento de um modelo, 207
3.1. Organização, planejamento e reordenamento das práticas, 208
3.2. Afirmação discursiva, evolutiva e pedagógica das práticas médicas, 218
3.3. Interdição, subjetivação e estimulação, 243
3.4. Ressignificação, negociação e compartilhamento de saberes na Comissão Técnica de Futebol, 257

III. Conclusão, 270

IV. Bibliografia citada, 272
V. ANEXO 1 – PPMC, 277

Referência

MACHADO, Tiago Rosa. A medicalização no futebol brasileiro: discursos, saberes e práticas (1950-1966). 2014. 296 f. Dissertação (Mestrado em História Social) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.