A reviravolta dos “fanáticos”

Autores

Ricardo César Gadelha de Oliveira Júnior

Subtítulo

arenização, agenciamentos mercadológicos e novos movimentos políticos a partir do Sport Club Internacional

Orientador

Arlei Sander Damo

Banca

Ruben George Oliven, Cesar Augusto Barcellos Guazzelli, Gilmar Mascarenhas de Jesus

Faculdade / Instituição

Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Tipo

Tese

Área de concentração

Doutorado em Antropologia Social

Ano

2017

Páginas

285

Cidade

Porto Alegre

Resumo (pt)

Esta tese propõe-se a analisar a adaptação de alguns estádios de futebol no Brasil ao que se convencionou chamar de “Padrão FIFA”. Esse processo, aqui tratado pelo termo “arenização”, constitui-se em um novo modelo de gestão dos espaços e das pessoas, que tem como objetivos principais transformar o futebol em um “espetáculo seguro, conformável e rentável”. Como consequência e exigência para que o Brasil pudesse sediar a Copa do Mundo de 2014, a reforma das praças esportivas acarretou em consequências diversas para o campo esportivo, sobretudo na administração das arenas, com a constituição de um novo mercado, com novos especialistas e conhecimentos reunidos sob o termo gestão de arenas esportivas. Oriundos do Marketing Esportivo, esses profissionais, em suas entrevistas, textos e livros performam um novo tipo de espectador para o futebol, denominado de cliente ou fã, menos preocupado com os resultados do time e mais centrado no jogo como uma “experiência”. Essa nova formatação dos indivíduos que frequentam as arenas é construída a partir da oposição dos atributos que são considerados típicos do torcedor ou do fanático, principalmente em termos econômicos, ao defender a necessidade de atrair um público mais rico, e morais, considerando o cliente um indivíduo mais “educado” e fácil de ser controlado. Ao mesmo tempo em que se pretendia introduzir um novo tipo de público, deu-se a formação de novos coletivos compostos por torcedores que passaram a perceber o torcer também como um ato político, que se posicionaram contrários às reformas dos estádios de futebol e à consequente mudança no público, a partir da defesa da preservação do que eles chamam de “cultura torcedora”. Por meio de uma pesquisa etnográfica, investigou-se a mobilização de um desses grupos, o Povo do Clube, fundado em 2012 por torcedores do Sport Clube Internacional de Porto Alegre, proprietário do Beira-Rio um dos estádios que passou pelo processo de arenização. Tal grupo teve como motivo de sua aglutinação a perda da “identidade popular” atribuída ao clube, que teria se dado com as mudanças arquitetônicas em seu estádio, sobretudo com a extinção da “Coreia”, setor onde se pagava o preço mais baixo para assistir às partidas. Desde seu início, o Povo do Clube se propôs a participar das disputas políticas internas ao clube, com a eleição de alguns de seus membros como conselheiros do Internacional nos dois últimos processos eleitorais, em 2014 e 2016. Tendo como estratégia política o resgate de um clube voltado para as classes pobres, com a utilização da frase “O povo fez o Inter”, e a busca por representar politicamente os “coreanos”, como são chamados os indivíduos que frequentavam o extinto setor, conseguiu aumentar seu capital político a ponto de aprovar uma nova modalidade de associação, com a aliança de grupos políticos mais antigos, direcionada a torcedores com renda de até dois salários mínimos. Assim, o Povo do Clube e os novos coletivos formados no Brasil na última década constituem um novo modelo de torcer, marcado pelo caráter político e pela luta por direitos.

Palavras-chaves: futebol. torcedor. performação. agenciamentos. arenização. elitização. identidade popular

Abstract

This thesis proposes to analyze the adaptation of some football stadium in Brazil to what has been called the “FIFA standard”. This process, which is treated here by the term “arenização”, is a new management model for spaces and people, whose main objectives are to transform football into a “safe, comfortable and profitable spectacle”. As a consequence and demand for Brazil to host the 2014 World Cup, the reconstruction of the stadium has had diverse consequences for the sports field, especially in the administration of the arenas with the constitution of a new market, with new experts and knowledge assembled under the management of sports arenas. Originally from Sports Marketing, these professional, in their interviews, texts and books, perform a new type of spectator for football, called “customer” or “fan”, less concerned with the results of the team and more focused on the game as an “experience”. This new formating of the individuals who attend the arenas is constructed from the opposition of the attributes that are considered typical of the supporter or the fanatic, mainly in economic terms, when defending the need to attract a richer public, and moral considering the client an educated and easy-to-control indivudual. At the same time it was intended to introduce a new type of public, took place the formation of new groups composed by supporters that began to perceive the support also like a political act, that stood against the reforms od football stadiums and the consequent change in the audience, through the defense of the preservation of what they call “supporter culture”. Through an ethnographic research, was anayzed the mobilization of one of these groups, Povo do Clube, founded in 2012 by fans of the Sport Clube Internacional, from Porto Alegre, owner of Beira-Rio, one of the stadiums that went through the process of the “arenização”. The group’s motive for its agglutination was the loss of the “popular identity” attributed to such club, which would have been affected by the architectural changes in its stadium, especially with the election of some of its membres as International councillors in the last two electoral processes, in 2014 and 2016. Having as a political strategy the rescue of a club aimed at the poor, using the phrase “People made the Inter” and the quest to represent politically the “coreano”, individuals who frequented the extinct section, has succeeded to increase ist political capital to the point of approving a new modality of association, with the alliance of older political groups, aimed at supporters with incomes of up to two minimu wages. Thus, Povo do Clube and the new groups formed in Brazil in the last decade constitute a new model of supporting, marked by political character and struggle for rights.

Keywords: football. supporter. perfomation. assemblage. arenização. elitism. popular identity

Sumário

1 INTRODUÇÃO, 12

2 ARENIZAÇÃO DOS ESTADIOS DE FUTEBOL: UM NOVO MODELO DE GESTÃO DE ESTADIOS DE FUTEBOL NO BRASIL, 26
2.1 O “padrão FIFA”: o “estádio moderno” e a gestão das pessoas e dos espaços, 26
2.2 Um espetaculo seguro, confortavel e mais caro

3. “MIRE O FÃ, NÃO O FANÁTICO”. O MARKETING E A PERFORMAÇÃO DO CLIENTE, 55
3.1 Arenas de futebol: shopping centers geridos por profissionais, 55
3.2 O Marketing Esportivo e a performação do torcedor-cliente, 67
3.2.1 “Fã ou fanático?” O Marketing adentra o futebol, 71

4. É O FIM DO TORCEDOR?, 81
4.1 Da assitência ao cliente, 81
4.1.1 O governo da torcida, 85
4.1.2 Um novo público, “melhor e mais rico”, 93
4.2 Mobilizações políticas antes e pós-Copa do Mundo 2014, 97

5. O “POVO DO CLUBE” E A LUTA PELO “FUTEBOL POPULAR”, 110
5.1 “Paz, povo e festa”, 117
5.2 Quem é o Povo do Clube?
5.3 “O povo do inter” : questões raciais e de classe na história do clube, 127

6. A ESTRUTURAÇÃO DA POLITICA DO CLUBE: DIRETORIAS, CONSELHOS, MOVIMENTOS, SÓCIOS, 136
6.1 O associacionismo dos clubes de futebol, 136
6.2 O estatuto do Internacional e as subdivisões do clube, 141
6.3 Os “movimentos” da torcida colorada, 144

7. LEVANDO A “COREIA” DE VOLTA PARA O BEIRA-RIO, 153
7.1 “Como ninguém jamis te amou”: a relação entre o coreano e o sofrer, 153
7.2 “Devolvam o Povo do Clube”, 166
7.2.1 A “Coreia” vai para as telas, 175
7.2.2 A “Coreia” revivida no Beira-Rio arenizado, 181

8 A DEFESA DA “CULTURA TORCEDORA”: OS OBJETOS E A CONSTITUIÇÃO DO TORCEDOR E DO CLIENTE, 191
8.1 A categoria cultura como um istrumento de luta política, 191
8.1.1 “Balança cultural desfavorável”, 198
8.2 Clientes, torcedores e coisas, 207
8.2.1 A “experiencia do torcedor” e os objetos, 210
8.2.2 “Estádios com alma”: os objetos e as torcidas organizadas, 217

9. O “POVO” VOLTOU AO BEIRA-RIO, 235
9.1 A necessidade de fazer política, 235
9.1.1 2012, a primeira eleição: um “movimento amador”, 242
9.1.2 2014, entrando no conselho, 244
9.2 Eleições de 2016: o fortalecimento do “povo” no conselho deliberativo, 250
9.3 ser ou não ser da gestão?, 255
9.4 A associação popular, o apoio da diretoria e a contra-resistência, 264

10. CONSIDERAÇÕES FINAIS, 272

REFERÊNCIAS, 277

Referência

OLIVEIRA JúNIOR, Ricardo César Gadelha de. A reviravolta dos “fanáticos”: arenização, agenciamentos mercadológicos e novos movimentos políticos a partir do Sport Club Internacional. 2017. 285 f. Tese (Doutorado em Antropologia Social) - Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2017.