A sociologia do trabalho e a sociologia do futebol: uma análise da flexibilização das relações de trabalho no futebol brasileiro (2001-2003)

Autores

Francisco Xavier Freire Rodrigues

Periódico / Revista

Sociedade e Cultura

Cidade

Goiânia

Volume

v.6

Número

n.1

Páginas

p. 85-97

Ano

2003

ISSN

1980-8194

Resumo (pt)

O ensaio analisa as recentes transformações no mundo do trabalho do futebol brasileiro, estabelecendo um diálogo entre a sociologia do trabalho e a sociologia do futebol. Trata-se de uma investigação sobre o processo de flexibilização das relações de trabalho no futebol, analisando alguns de seus impactos no futebol gaúcho, no período de 2001 a 2003. A flexibilidade do trabalho no futebol teve início com a Lei n. 9.615/03/1998, que determinou o fim do passe. A maioria dos jogadores considera positivas a modernização das leis trabalhistas e a flexibilização das relações de trabalho no futebol. Os resultados apontam que as principais opiniões sobre o fim do passe são: (a) liberdade de trabalho; (b) fim da garantia no trabalho e desemprego, e (c) benefício que alcança apenas os jogadores famosos. Para os profissionais e juniores, o fim do passe significa liberdade de trabalho; para os juvenis, representa benefícios apenas para os jogadores famosos.

Palavras-chave: sociologia do trabalho, sociologia do futebol, flexibilidade.

Referência

RODRIGUES, Francisco Xavier Freire. A sociologia do trabalho e a sociologia do futebol: uma análise da flexibilização das relações de trabalho no futebol brasileiro (2001-2003). Sociedade e Cultura. Goiânia, v.6, n.1, p. 85-97, 2003.