Análise das sequências ofensivas resultantes em golo no campeonato mundial de futebol de 2010

Autores

David Manuel Ferreira Fernandes

Subtítulo

estudo com equipas de nível de sucesso distinto

Orientador

António Figueiredo

Co-rientador

Vasco Vaz

Faculdade / Instituição

Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física, Universidade de Coimbra

Tipo

Dissertação

Área de concentração

Mestrado em Treino Desportivo para Crianças e Jovens

Ano

2013

Páginas

65

Cidade

Coimbra

Resumo (pt)

Objetivo: O presente trabalho pretende de forma prática e objetiva analisar os momentos que antecedem o golo, desde que a equipa recupera a bola até finalizar na baliza adversária. Metodologia: Foram observados 64 jogos do Campeonato Mundial de Futebol de 2010, onde surgiram 145 golos. A amostra foi formada por 32 equipas, África do Sul, Alemanha, Argélia, Argentina, Austrália, Brasil, Camarões, Chile, Coreia do Norte, Coreia do Sul, Costa do Marfim, Dinamarca, Eslováquia, Eslovénia, Espanha, Estados Unidos da América, França, Gana, Grécia, Holanda, Honduras, Itália, Japão, México, Nigéria, Nova Zelândia, Paraguai, Portugal, Sérvia e Uruguai. A análise dos golos teve por base a metodologia observacional que considerou o início da posse de bola, quando se verificava uma recuperação da bola, de forma direta ou indireta, e o portador: 1) realiza pelo menos três contactos consecutivos com a bola; 2) executa um passe positivo que permite manter a posse de bola; 3) é realizado um remate à baliza. A manutenção/desenvolvimento da posse de bola é o momento onde há conservação da bola com progressão para a baliza adversária. A finalização do processo ofensivo, culmina com o golo através de um remate ou cabeceamento. As variáveis observadas foram numa parte do estudo divididas pelas equipas que passaram à fase final (G1) e as que foram eliminadas na fase de grupos (G2). Ainda no G1 foram divididos pelos momentos onde os golos foram obtidos, na fase de grupos (G) e na fase final (F). Resultados: Da análise dos golos, verificou-se que a média de tempo entre a recuperação e o golo é de 17,8 segundos. Em média o Grupo 1 é mais rápido na execução do ataque que o grupo 2, entre a fase de grupos e a fase final o grupo 1 executa desde a recuperação da bola até à obtenção de golo de forma mais veloz na fase final. Verificou-se que 24,8% dos golos foram obtidos de bola parada e os 75,2% obtidos por Sequência Ofensiva Finalizada em Golo (SOFG). O sector ofensivo, com predominância clara do corredor central, surge como o corredor onde é feito o último passe antes do golo, assim como o corredor onde se marcam mais golos. O Método de Jogo Ofensivo (MJO) mais utilizado na obtenção de golo é o Ataque Rápido (AR), seguido do Ataque Posicional (AP) e de Bola Parada (BP). Conclusões: O presente estudo, permite dar uma visão global da forma como se obtém os golos num Campeonato Mundial de Futebol. Os resultados parecem demonstrar que nas situações de jogo observadas, existe uma evolução do jogo no sentido de retenção da bola (posse de bola) verificando-se pelo aumento do tempo de realização do ataque, pela maior utilização dos corredores e maior variação dos mesmos, também se assistiu a um aumento do número de passes e um maior número de jogadores envolvidos nos SOFG. Concluímos que dos golos marcados nas fases de grupos, estes são mais lentos, com maior número de passes, mais jogadores envolvidos e mais utilização e variação de corredores. Nos golos obtidos nas fases finais este são mais rápidos, com menos jogadores envolvidos, com menos utilização de corredores e variações dos mesmos.

Abstract

Objective: The aim of the present thesis is to do an objectively analysis of the prior instants which precede the score, from the recovery time the offensive team until the finalize in the opposing beacon. Methodology: There were 64 games of the World Cup 2010, where 145 goals emerged. The sample consisted of 32 teams, South Africa, Germany, Algeria, Argentina, Australia, Brazil, Cameroon, Chile, North Korea, South Korea, Ivory Coast, Denmark, Slovakia, Slovenia, Spain, United States , France, Ghana, Greece, Honduras, Italy, Japan, Mexico, Nigeria, New Zealand, Paraguay, Portugal, Serbia and Uruguay. Analysis of the goals was based on observational methodology that considered the early possession, when checked a recovery of the ball, directly or indirectly, and carrier: 1) performs at least three consecutive contacts with the ball, 2) performs a pass that allows you to keep positive possession, 3) is an accomplished shot on goal. The maintenance / development of possession is the time where there is conservation of the ball with progression to the opposing goal. The completion of the offending process culminates with the goal through a shot or header. The variables examined were a part of the study divided the teams that went to the finals (G1) and were eliminated in the group stage (G2). Still in G1 were divided by moments where the goals were achieved, in the group stage (G) and the final stage (F). Results: The analysis of goals, it was found that the mean time between recovery and the goal is 17.8 seconds. On average Group 1 is faster in executing the attack than group 2, between the group stage and final stage group 1 runs from the recovery of the ball to the goal of obtaining more rapid in the finals. It was found that 24.8% of the goals were achieved and the ball of 75.2% obtained in Sequence Offensive Finalized in Goal (SOFG). The offensive sector, with clear predominance of the central corridor, appears as the corridor where is made the last pass before the goal, as well as the hall where they score more goals. The Method Game Offensive (MGO) used in obtaining the goal is Quick Attack (QA), followed by Positional Attack (PA) Set Piece (SP). Conclusions: This study will provide a comprehensive overview of how you get the goals in a World Cup. The results seem to show that in game situations observed, there is an evolution of the game in order to hold the ball (possession) verifying the increased performance time of the attack, the increased use of hallways and corridors greater variation, also saw an increase in the number of passes and a greater number of players involved in SOFG. We conclude that the goals scored in the group stages, they are slower, with more passes, more and more players involved and change of use corridors. In goals achieved this in the final stages are faster, with fewer players involved, with less use of corridors and variations thereof.

Sumário

CAPÍTULO I – INTRODUÇÃO, 11

CAPÍTULO II – REVISÃO DA LITERATURA, 14
2.1. A Essência dos Jogos Desportivos Coletivos, 14
2.2. O Futebol no seio dos Jogos Desportivos Coletivos, 14
2.3. O Futebol nos Estudos de Observação, 16
2.4. O Jogo de Futebol: Ataque vs Defesa, 17
2.5. Caracterização do Processo Ofensivo, 17
2.5.1. As Sequências Ofensivas, 18

CAPÍTULO III – METODOLOGIA, 29
3.1. Caracterização da Amostra, 29
3.2. Explicitação das Variáveis, 31
3.3. Registo dos Dados, 34
3.4. Fiabilidade Intra-observador, 36
3.5. Procedimentos Estatísticos e Instrumentais, 37

CAPÍTULO IV – APRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS, 38
4.1. Caracterização Geral dos Golos do Mundial 2010, 38
4.2. Variáveis Observadas, 39
4.2.1. Tempo de Realização do Ataque (TRA), 39
4.2.2. Velocidade de Transmissão da Bola (VTB), 41
4.2.3. Frequência de Utilização dos Corredores (FUC), 44
4.2.4. Número de variações de Corredor (NVC), 46
4.2.5. Zonas de Finalização (ZF), 47
4.2.6. Zona Utilizada para o Último Passe (ZUP), 48
4.2.7. Número de Jogadores Envolvidos (NJ), 49
4.2.8. Número de Passes (NP), 51
4.2.9. Método de Jogo Ofensivo (MJO), 53
4.2.10. As Bolas Paradas (BP), 55

CAPÍTULO V – CONCLUSÕES, 57

CAPÍTULO VI – BIBLIOGRAFIA, 60

Referência

FERNANDES, David Manuel Ferreira. Análise das sequências ofensivas resultantes em golo no campeonato mundial de futebol de 2010: estudo com equipas de nível de sucesso distinto. 2013. 65 f. Dissertação (Mestrado em Treino Desportivo para Crianças e Jovens) - Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física, Universidade de Coimbra, Coimbra, 2013.