Apresentadora, torcedora ou jogadora: Fernanda Gentil, Larissa Riquelme e Marta nas representações das mulheres pelo jornalismo esportivo

Autores

Thalita Raphaela Neves de Oliveira

Periódico / Revista

FuLiA / UFMG

Cidade

Belo Horizonte

Volume

v. 4

Número

n. 1

Páginas

p. 7-22

Ano

2019

Tema

Dossiê Futebol e mulheres

ISSN

2526-4494

Resumo (pt)

Jornalistas homens e mulheres têm a mesma capacidade para analisar um jogo de futebol, escrever matérias esportivas e contar histórias interessantes do mundo da bola. Mas, por que é que, na maioria dos casos, são apenas elas quem passam por provações (e provocações) de gênero que (des)qualificam seu trabalho relacionando-o ao fato de serem mulheres ou são submetidas a situações que pejorativamente as subjugam como figuras de mero apelo sexual? Sem a pretensão de responder concretamente à pergunta, este artigo debate sobre questões de gênero no jornalismo esportivo, um campo dotado de raízes que envolvem preconceitos não só de gênero, mas também de raça e orientação sexual, ao mesmo tempo em que se configura como uma área em potencial para a contextualização da sensibilidade e subjetividade jornalísticas. Para promover reflexões e apontar desafios e perspectivas da área, a análise parte da abordagem midiática de três casos envolvendo mulheres no esporte – Fernanda Gentil, Larissa Riquelme e Marta – e suas respectivas representações noticiosas, construídas em sua maioria sob óticas que associam as figuras femininas a papéis secundários no jornalismo de esportes, independentemente da posição ocupada pela mulher em pauta no noticiário: apresentadora, torcedora ou jogadora.

PALAVRAS-CHAVE: Jornalismo esportivo; Mulheres; Representações Sociais; Mídia; Subjetividade

Abstract

Jornalists – men and women – are both able to analyse a soccer game, to write sports reports and to tell interesting histories about soccer world. But why, most of cases, is it just women who suffer gender trials that disqualify their job, relating it to the fact they are women or are submitted to pejoratively situations that subjugate them as figures of mere sexual appeal? Without pretensions to answer concretely to this query, this article debates about gender questions in sports journalism, a place endowed with prejudices not just about gender, but also about race and sexual orientation, same time that works as a potencial place to contextualize the journalistics sensibility and subjectivity. To improve reflections and point out challenges and perspectives of this area, this analysis uses three media cases involving women in sport – Fernanda Gentil, Larissa Riquelme and Marta – and their respectives media representations, most of time built in views that associate female figures to secondary roles in sports journalism, regardless of the position occupied by the women on the news: journalist, fan or player.

KEYWORDS: Sports Journalism; Women; Social Representations; Media; Subjectivity

Referência

OLIVEIRA, Thalita Raphaela Neves de. Apresentadora, torcedora ou jogadora: Fernanda Gentil, Larissa Riquelme e Marta nas representações das mulheres pelo jornalismo esportivo. FuLiA / UFMG. Belo Horizonte, v. 4, n. 1, p. 7-22, 2019.