As formas de uso e apropriação do estádio Mineirão após a reforma

Autores

Priscila Augusta Ferreira Campos

Orientador

Silvia Cristina Franco Amaral

Banca

Arlete Moyses Rodrigues, Gilmar Mascarenhas, Simone Aparecida Rechia, Sérgio Settani Giglio

Faculdade / Instituição

Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de Campinas

Tipo

Tese

Área de concentração

Doutorado em Educação Física

Ano

2016

Páginas

313

Cidade

Campinas

Resumo (pt)

O estádio é um dos espaços que reflete as mudanças sociais em um determinado tempo-espaço, sendo por elas atingido e, ao mesmo tempo, influenciando-as. A Copa do Mundo de 2014 trouxe a promessa de mudanças nas formas de uso e de apropriação de alguns estádios brasileiros, já que estes foram reformados e reformulados para este megaevento. O estádio Mineirão, situado em Belo Horizonte/MG foi um dos que passou por este processo. Este trabalho analisou as formas de uso e de apropriação do Mineirão, em dia com e sem jogos de futebol. Trata-se de uma pesquisa qualitativa do tipo exploratório-descritiva. A coleta de dados foi realizada no interior do estádio e no seu entorno, de dezembro de 2012 a dezembro de 2014. Para a coleta de informação, foram utilizados observação participante, formulário semiaberto e entrevista semiestruturada. Os resultados indicam que a esplanada passou a ser uma opção de equipamento de lazer em Belo Horizonte, para os moradores das regionais vizinhas Pampulha, em uma cidade que apresenta uma distribuição desigual desses equipamentos. As principais práticas realizadas na esplanada são skate, patins, caminhada e brincadeiras infantis. A legitimação do espaço é percebida pela sua ocupação, tanto durante a semana, quanto nos finais de semana. No uso do estádio para o futebol foi onde se viu o maior impacto da parceria público-privada, já que o estádio passou a operar dentro de uma lógica empresarial. Nessa reformulação, percebemos que os administradores do estádio e do clube/cliente fizeram a opção por um grupo de torcedores que, além de deter o capital financeiro para a aquisição do ingresso, devem incorporar os hábitos sugeridos por e para uma nova ordem do futebol. Os dados demonstraram que os torcedores têm um sentimento dúbio em relação à reforma do Mineirão, pois, ao mesmo tempo em que reconhecem as melhorias em termos de conforto, limpeza e segurança, sentem falta dos hábitos que constituíram a tradição do Mineirão, entre eles, se reunir nos barraqueiros, conversar e comer o feijão tropeiro. Em função dessa ausência, vários torcedores resistem e reinventam essa prática, via churrasquinho organizado em pequenos grupos ao redor do estádio, em momentos anteriores às partidas. Assim, verificamos que, se o processo de constituição das formas de uso e apropriação do espaço é dinâmico e o lazer, relacionado à cidade, contribui para a sua dimensão pública. Deveria haver uma política setorial de lazer, que levasse em consideração a diminuição das barreiras para a sua vivência, a ampliação dos seus conteúdos e o reconhecimento do seu caráter de mobilização e participação cultural. Por fim, creio que essa pesquisa se junta a outras que vêm tratando os estádios enquanto importantes espaços e equipamentos para as cidades.

Palavras-chave: estádio, futebol, lazer, espaço urbano, apropriação.

Abstract

The stadium is one of the spaces that reflect social changes in a given time-space, being hit by them, and at the same time influencing them. The World Cup 2014 brought the promise of changes in usage and appropriation of some Brazilian stadiums, as they have been refurbished and redesigned for this mega event. The Mineirão stadium, located in Belo Horizonte/MG was the one who went through this process. This study analyzed the usage and appropriation of Mineirão, with and without scheduled football games. It is a qualitative exploratory descriptive research. Data collection took place inside the stadium and its surroundings, from December 2012 to December 2014. To collect the information we used participant observation, semi-open and semi-structured interview form. The results indicate the promenade has become a leisure tool in Belo Horizonte, for the residents of neighboring regional Pampulha, which has an uneven distribution of such resources. The main practices taking place are skateboarding, rollerblading, jogging and children’s games. The legitimacy of the space is perceived by its occupation on both weekdays and on weekends. Using the stadium for football games was where we saw the greatest impact of public-private partnership, since the stadium started to operate within a business logic. In this reformulation, we realize stadium administrators and club / customer chose a group of fans who have the financial capital to purchase the ticket. In addition, they must incorporate the habits suggested by and for a new order of football. The data demonstrated that the fans have a dubious feeling about the reform of the Mineirão because while recognizing the improvements in terms of comfort, cleanliness and safety, they miss the traditional habits of this stadium, including, get together in the food tends, talk and eat Feijão Tropeiro. Due to this absence, several fans resist and reinvent this practice through the barbecue organized in small groups around the stadium moments before the games. Thus, we find the process of constitution of usage and appropriation of space is dynamic. Leisure embodied in the city contributes to its public dimension. There should be a leisure policy which takes into account the reduction of barriers to citizens experience, the expansion of its content and the recognition of its mobilization character and cultural participation. Finally, I believe this research joins others that have been treating the stadiums as important spaces and tools to the cities.

Key-words: stadium, football, leisure, urban space, appropriation.

Sumário

PREÂMBULO, 18

1 CONSTRUINDO O PROBLEMA, 21
1.1 Objetivo, 30
1.2 Objetivos específicos, 30
1.3 Justificativas, 30
1.4 O todo e as partes, 34
1.4.1 As situações de realização da pesquisa, 35
1.4.2 Sujeitos da pesquisa, 36
1.4.3 Instrumentos de pesquisa, 37
1.4.4 Duração do trabalho de campo, 39
1.4.5 Locais e procedimentos de coleta de informação, 39
1.4.6 Análise dos dados, 43
1.5 Estrutura do texto, 44

2 CONSTRUÍNDO A CIDADE, O BAIRRO E O ESTÁDIO, 46
2.1 Da capital idealizada à capital real, 48
2.1.1 O futebol como agente indutor da produção do espaço urbano, 55
2.2 A construção da Pampulha, 61
2.2.1 A Pampulha Velha, 65
2.2.2 A Pampulha planejada para ser o novo locus da modernidade da capital, 66
2.2.3 Usos de lazer na Pampulha, 70
2.3 Os meandros da construção de um grande estádio, 77
2.3.1 O Mineirão como um dos símbolos do desenvolvimento e modernização de Belo Horizonte, 85

3 DOS USOS E APROPRIAÇÕES ANTES DA REFORMA AO PROCESSO DE REFORMA/REFORMULAÇÃO DO MINEIRÃO, 93
3.1 Entre usos e apropriações – as experiências no Mineirão antes da reforma, 94
3.2 A transformação do futebol e dos estádios em um vantajoso negócio, 106
3.3 A Copa do Mundo de Futebol (da FIFA), 114
3.3.1 Os estádios de futebol “padrão FIFA”, 123
3.4 Belo Horizonte na Copa de 2014 e as transformações do Mineirão, 127

4 USOS E APROPRIAÇÕES DO MINEIRÃO PÓS-REFORMA – (RE)CONHECENDO O ESPAÇO E OS SUJEITOS DA PESQUISA, 142
4.1 O estádio após a reforma – (re)conhecendo o espaço, 143
4.2 O perfil dos usuários do Mineirão, 153
4.3 Descrição das formas de uso e apropriações do espaço, 167

5 PARA ALÉM DO FUTEBOL – USOS E APROPRIAÇÃO DO MINEIRÃO NA SITUAÇÃO ESPLANADA, 172
5.1 O funcionamento da esplanada, 172
5.2 As atividades realizadas, 187
5.2.1 Espaço de brincar, 188
5.2.2 Gosto da Lagoa… mas venho caminhar no Mineirão, 192
5.2.3 Tomada 1… gravando!, 197
5.2.4 Pico do skate, 200
5.2.5 Seja bem-vindo/a e vamos patinar!, 214
5.3 Um caminho a melhorar, 223

6 MINHA SEGUNDA CASA: USOS E APROPRIAÇÕES DO MINEIRÃO PÓS-REFORMA PELOS TORCEDORES E TORCEDORAS, 231
6.1 A logística de funcionamento do Mineirão pós-reforma em dias de jogo, 231
6.2 A reformulação do Mineirão, 242
6.3 Percepções dos torcedores sobre a reforma do Mineirão, 251
6.4 O churrasquinho no entorno do estádio – nova forma de apropriação, 278
6.5 Domingo de clássico, 285

7 CONSIDERAÇÕES FINAIS, 291

REFERÊNCIAS, 296

APÊNDICE A, 309
APÊNDICE B, 311

Referência

CAMPOS, Priscila Augusta Ferreira. As formas de uso e apropriação do estádio Mineirão após a reforma. 2016. 313 f. Tese (Doutorado em Educação Física) - Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2016.