As relações de poder nos jogos olímpicos (1920- 2020): uma análise da participação das atletas brasileiras sob a perspectiva teórica de Norbert Elias

Autores

Ana Flávia Braun Vieira, Miguel Archanjo de Freitas Junior

Periódico / Revista

História: Questões & Debates

Cidade

Curitiba

Volume

v. 68

Número

n. 37

Ano

2020

Tema

Dossiê História do Esporte

ISSN

2447-8261

Resumo (pt)

Este artigo busca compreender os principais elementos dos processos históricos que contribuíram para os diferentes níveis de participação de atletas brasileiras nos Jogos Olímpicos entre 1920 e 2020. Para tanto, foram adotados conceitos desenvolvidos na teoria dos processos civilizadores e outros estudos de Norbert Elias, visando compreender as relações de poder entre os sexos e as consequências das novas configurações na dinâmica entre homens e mulheres. Nesse sentido, foram utilizados como fontes dados obtidos em documentos oficiais do Comitê Olímpico Internacional e do Comitê Olímpico Brasileiro, que possibilitaram o acesso às informações referentes à participação das esportistas brasileiras, como também a identificação das modalidades praticadas, e permitiram estudar os padrões socialmente desejáveis para as mulheres no esporte ao longo desse período, bem como as mudanças nas relações sociais e suas motivações. A interpretação teórica proposta permitiu compreender que os avanços e retrocessos em relação à participação das mulheres nos esportes olímpicos – e na sociedade em geral – está relacionada à forma como o Estado se organiza e controla a violência, além de demonstrar que períodos autoritários são mais propícios para o aumento da desigualdade entre os sexos. Apesar da tendência de maior igualdade de oportunidades entre homens e mulheres nos esportes disputados por brasileiros nas Olimpíadas, ela não necessariamente se desenvolve de maneira homogênea em outras esferas da vida.

Palavras-chave: Norbert Elias; Jogos Olímpicos; Estabelecidos-Outsiders; Relações de Poder entre os Sexos.

Abstract

This paper seeks to understand the main elements of the historical processes that contributed to the different levels of Brazilian women athletes’ participation in the Olympic Games from 1920 to 2020. For this purpose, concepts developed in the civilizing processes theory and other Norbert Elias’ studies were adopted, aiming to understand the power relations between the sexes and the new configurations consequences in the dynamics between men and women. In this sense, data obtained from official documents of the International Olympic Committee and the Brazilian Olympic Committee were used as sources, which enabled access to information regarding the Brazilians athletes participation, as well as the identification of the modalities practiced, and allowed studying socially desirable standards for women in the sport throughout a period, as well as the changes in social relationships and their motivations. The theoretical interpretation proposed allowed us to understand that the advances and setbacks concerning the women participation in Olympic sports – and society in general – are related to the way the State is organized and controls violence, besides demonstrating that authoritarian periods are more conducive to increasing gender inequality. Despite the trend towards greater equal opportunities between men and women in sports played by Brazilians in the Olympics, it does not necessarily develop homogeneously in other spheres of life.

Keywords: Norbert Elias; Olympic Games; Established-Outsiders; Power Relations Between the Sexes. 

Referência

VIEIRA, Ana Flávia Braun; FREITAS JUNIOR, Miguel Archanjo de. As relações de poder nos jogos olímpicos (1920- 2020): uma análise da participação das atletas brasileiras sob a perspectiva teórica de Norbert Elias. História: Questões & Debates. Curitiba, v. 68, n. 37, 2020.