Do dom à profissão

Autores

Arlei Sander Damo

Subtítulo

Uma etnografia do futebol de espetáculo a partir da formação de jogadores no Brasil e na França

Orientador

Ruben George Oliven

Banca

Carmen Silvia Rial, Claudia Lee Williams Fonseca, Simoni Lahud Guedes

Faculdade / Instituição

Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Tipo

Tese

Área de concentração

Doutorado em Antropologia

Ano

2005

Páginas

435

Cidade

Porto Alegre

Resumo (pt)

Esta tese aborda o futebol de espetáculo a partir do processo de formação de atletas profissionais. Trata-se de uma etnografia tendo como objeto principal os dispositivos usados na conversão de jovens talentos em atletas aptos a performances em forma de espetáculo. Os dispositivos compreendem um conjunto variado de elementos, tais como: centros de formação, recrutamento e seleção de talentos, organização para o trabalho, tecnologias de treinamento, redes de agenciamentos, normas legais, especialistas em vários saberes e outros procedimentos que demarcam a rotina do referido processo. Do ponto de vista teórico, a profissionalização de jogadores é usada estrategicamente em dupla perspectiva. Por um lado, investiga-se a circulação das emoções no espectro do futebol de espetáculo, cuja força motriz é dada pela adesão dos torcedores aos clubes, instituições tradicionais a quem os jogadores disponibilizam os capitais incorporados ao longo da formação. Por outro lado, são abordadas as lógicas subjacentes à própria formação, com atenção especial à circulação de jovens talentos e seus estatutos: de pessoas e de mercadorias. A observação participante foi realizada em vários centros especializados em formação, no Brasil e na França, dentre os quais destacam-se o Sport Club Internacional (Porto Alegre) e o Olympique Marseille (França). A tese focaliza a singularidade das configurações concretas, usando a diversidade das experiências para apresentar uma síntese de quem, quando, onde, como e com que finalidade produzem-se jogadores profissionais. O desafio de compreender um fato social extenso, integrado aos cenários urbanos aos quais o pesquisador faz parte, atravessa esta investigação, cujo suporte etnográfico foi decisivo em todos os momentos.
Palavras chaves: futebol, jogador, formação, dom, pessoa, mercadoria, etnografia.

Abstract

This thesis approaches professional soccer from the point of view of the making of professional players. The ethnography focuses mainly on the resources employed in the transformation of young skilled players into athletes capable of dealing with their sport skills. These resources include a number of elements, such as training centers, the recruiting and selection of prospective players, organizational skills, training technologies, agent networks, legal norms, and specialists in different fields along with other procedures that define the routine of the whole process. From the theoretical viewpoint, the transformation of players into professionals implies a two-way perspective. On one hand, and on the basis of such transformation process, we look into the circulation of emotions through the whole picture of the soccer game, whose motor is determined by the rooters adherence to team clubs. Such team clubs are traditional associations to whose disposal soccer players offer the capital they have accumulated along their making. On the other hand, we look into the logics underlying the making itself of the professional players, mainly focusing on the circulation and network agencies of young prospective players, commonly depositaries of a double person and commodity character. Participatory observation was carried out in several training centers, both in Brazil and in France. Among these, Sport Club Internacional, in the southern Brazilian city of Porto Alegre and Olympique Marseille in France are worth of note. The thesis focuses on the particular character of specific configurations, and resorts to a variety of experiences in order to present synthetic understanding of who, when, where, how and what for professional football players are brought to existence. The challenge of understanding an extensive social fact, embracing the urban contexts of which the researcher is part of, crosses this research in which ethnographic support played an essential part.
Key-words: soccer, professional players, instruction, gift, person, commodity, ethnography.

Sumário

INTRODUÇÃO, 12

1 O QUE ESTÁ EM JOGO NOS JOGOS DE FUTEBOL, 26
1.1 FUTEBOL E FUTEBÓIS, 32
1.1.1 Codificação, diáspora e bricolagem do football association, 32
1.1.2 As matrizes futebolísticas, 36
1.1.2.1 A matriz bricolada, 37
1.1.2.2 A matriz espetacularizada, 38
1.1.2.3 A matriz comunitária, 41
1.1.2.4 A matriz escolar, 43
1.2 A DIMENSÃO PRÁTICA DAS PRÁTICAS FUTEBOLÍSTICAS, 45
1.2.1 As práticas esportivas como linguagem, 46
1.2.2 As propriedades intrínsecas das práticas futebolísticas, 52
1.2.2.1 Os futebóis sem público, 53
1.2.2.2 Os futebóis com público, 57
2 A TRAMA SIMBÓLICA DAS EMOÇÕES CLUBÍSTICAS: uma contribuição à compreensão do gosto pelo futebol de espetáculo, 61
2.1 PAIXÃO CLUBÍSTICA E EMOÇÕES ENGAJADAS, 63
2.2 O CLUBISMO BRASILEIRO COMO TRAMA SOCIAL E SIMBÓLICA, 71
2.3 A FIDELIDADE, AMÁLGAMA DO CLUBISMO, 83
2.3.1 Diletantismo, clubismo e a invenção do amor eterno, 83
2.3.2 A circulação das emoções entre torcedores de clubes rivais, 88
3 O ESPECTRO DO DOM: talento, dádiva e capital futebolístico, 105
3.1 DEFINIÇÕES E INDEFINIÇÕES DO DOM, 107
3.1.1 O dom/talento e o dom/dádiva, 107
3.1.2 O dom futebolístico matizado pelas teorias da reciprocidade, 114
3.1.3 A transubstanciação do dom no futebol, 121
3.2 ACERCA DOS CAPITAIS FUTEBOLÍSTICOS, 126
4 A CORAGEM E O DOM: a prática bricolada do futebol numa configuração de rua, 138
4.1 A BRICOLAGEM FUTEBOLÍSTICA NA LEÃO XIII, 141
4.2 VIRILIDADE, CORAGEM E OUTROS ATRIBUTOS MASCULINOS, 148
4.2.1 “Guri de rua” e “guri de apartamento”, 148
4.2.2 Jogos e status bricolados, 153
4.3 AS VIGARISTAS: temíveis meninas nos jogos de futebol, 157
5 AS LÓGICAS DA FORMAÇÃO/PRODUÇÃO DE FUTEBOLISTAS, 168
5.1 MERCADO DE TRABALHO PARA OS PÉS-DE-OBRA BRASILEIROS, 171
5.1.1 Uma profissão que se constituiu historicamente, 172
5.1.2 Uma carreira breve,173
5.1.3 Uma profissão sem mercado fora do sistema FIFA, 176
5.1.4 Uma profissão socialmente valorizada, mas não por todos, 177
5.1.5 A riqueza e a pobreza dos futebolistas, 182
5.1.6 Uma profissão com mercado internacional, 185
5.1.7 Brasil, “celeiro de craques”, 186
5.2 OS TRÊS TIPOS IDEAIS DE FORMAÇÃO/PRODUÇÃO, 188
5.2.1 A formação/produção endógena, 190
5.2.2 A formação/produção exógena, 199
5.2.3 A formação/produção híbrida, 205
5.3 AS PRODUÇÕES “À FRANCESA” E “À BRASILEIRA”, 208
5.3.1 Em torno da performance futebolística das formações francesa e brasileira, 211
5.3.2 Em torno do desempenho escolar das formações brasileira e francesa, 215
5.3.2.1 Cultura escolar e cultura esportiva, 216
5.3.2.2 Futebol em tempo integral, 218
6 A CONFIGURAÇÃO COLORADA: um modelo de formação/produção híbrida, 220
6.1 A CONSTITUIÇÃO E A GESTÃO DOS PATRIMÔNIOS COLORADOS, 221
6.1.1 O totem, o clube e a comunidade política-afetiva, 221
6.1.2 O clube, o time e as políticas de recrutamento de futebolistas, 231
6.1.2.1 “Era negro? Era bom? Era nosso!”, 231
6.1.2.2 Mercado periférico e recrutamento estratégico, 234
6.2 NOS BASTIDORES DA CONFIGURAÇÃO COLORADA, 238
6.2.1 Homens à beira de um ataque de nervos, 239
6.2.1.1 A crise de resultados dentro de campo, 240
6.2.1.2 A crise política na “corte”, 242
6.2.2 Os investimentos dos e nos atletas em formação, 247
6.2.2.1 Os vínculos de identidade clubística, 248
6.2.2.2 Os vínculos federativos, 253
7 A LAPIDAÇÃO DO DOM: as rotinas na incorporação dos capitais visando o espetáculo a partir da formação/produção colorada, 260
7.1 AS PROGRESSÕES EM ESPIRAL, 262
7.2 DOIS DISPOSITIVOS DA FORMAÇÃO/PRODUÇÃO, 273
7.2.1 O Genoma e a Escola Rubra: recrutamento e seleção precoce de talentos,  273
7.2.2 O internato e as suas múltiplas funcionalidades,  278
7.3 APRENDER PRATICANDO, 282
7.3.1 Treino é trabalho, 282
7.3.2 Trabalho é rotina, 286
7.3.2 O treinamento físico, 289
8 ESTÉTICA E FUTEBOL: espaço, tempo, estilos e outras propriedades das configurações de jogo,  299
8.1 UMA ESTÉTICA PRAGMÁTICA, 300
8.1.1. A economia do espaço e do tempo no futebol, 300
8.1.2 As formas-padrões como ilustração das propriedades intrínsecas do futebol, 304
8.2. ESTILOS DE JOGO: ISSO EXISTE, AFINAL?, 315
8.2.1 A ficcionalidade dos estilos a partir do futebol-arte, 318
8.2.2 Onde se inscrevem os estilos?, 321
8.2.3 Estilos e estilistas em ação, 325
8.2.4 Estilo, perfil e preço para pés-de-obra estrangeiros no mercado europeu , 333
9 PESSOA E COISA: A dupla identidade dos pés-de-obra, 338
9.1 COMO O DOM E SEUS PORTADORES TORNARAM-SE MERCADORIAS, 340
9.1.1 O mercado de futebolistas a partir do “modelo de mercados múltiplos” (MMM),  340
9.1.2 Os três estágios em direção à mercadorização dos futebolistas, 343
9.1.2.1 A compensação pelo não-trabalho, 344
9.1.2.2 A consolidação do clubismo e a autonomização do métier de jogador, 346
9.1.2.3 A ética capitalista e a globalização do mercado para pés-de-obra, 350
9.2 O VALOR DO DOM E DE SEUS PORTADORES, 354
9.2.1 Olheira e olheiro amadores, 355
9.2.2 A arte da tergiversação, 358
9.2.3 Os mercadores especializados do dom, 362
9.3 O “DINHEIRO DO DOM” A PARTIR DE “A HISTÓRIA DE IRANILDO”, 370
10 OS JOGADORES E SEU PÚBLICO, 386
10.1 A SENSIBILIZAÇÃO DOS SENTIMENTOS, 389
10.1.1 A teatralidade dos espetáculos futebolísticos, 389
10.1.2 Os ritos e performances de pertencimento antes do jogo,  393
10.2 A EXPRESSÃO PÚBLICA DAS EMOÇÕES ATRAVÉS DO CLUBISMO, 402
10.2.1 Os espetáculos vistos com luneta e com lupa, 402
10.2.2 A polifonia dos colorados, 405
CONSIDERAÇÕES FINAIS, 417
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS, 424

 

Referência

DAMO, Arlei Sander. Do dom à profissão: Uma etnografia do futebol de espetáculo a partir da formação de jogadores no Brasil e na França. 2005. 435 f. Tese (Doutorado em Antropologia) - Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2005.