Em campo

Autores

Victor Garcia Miranda

Subtítulo

organização, drama e performance no futebol profissional brasileiro

Orientador

Wânia Rezende Silva

Banca

Fábio Viana Ribeiro, Paulo Bassani, Geovânio Edervaldo Rossato

Faculdade / Instituição

Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Estadual de Maringá

Tipo

Dissertação

Área de concentração

Mestrado em Ciências Sociais

Ano

2011

Páginas

191

Cidade

Maringá

Resumo (pt)

Este trabalho visa proceder a uma interpretação de como se faz o futebol profissional em uma organização clubística, especificamente no Atlético Clube Paranavaí. Procura-se por meio deste trabalho interpretar etnograficamente o futebol do ACP ao longo do campeonato paranaense de futebol profissional de 2010, como produto estético em meio a um sistema cultural estabelecido pela ação dos sujeitos sociais no bojo da organização do clube e articulado ao discurso social comum a eles. Em outras palavras, busca-se saber como o futebol do ACP foi expresso esteticamente ao longo do campeonato e compreender como se deram as relações organizacionais entre os jogadores, a comissão técnica, diretores, torcedores e outros atores sociais que compuseram o clube – em suas desiguais condições de participação ante a construção daquele produto cultural – durante o período da citada competição. Para o dito intento, apropriou-se de três distintos – embora não antagônicos – referenciais teórico-metodológicos: Performance e Drama Social (especialmente tratado por Richard Schechner, Victor Turner e outros antropólogos), Micro-história (balizado por Giovanni Levi) e descrição densa (sob a menção de Clifford Geertz e sua antropologia dos significados culturais). Toma-se como objetivos de pesquisa desta dissertação: a) proceder a um estudo referente ao Atlético Clube Paranavaí com o intuito de se interpretar como foi produzido o futebol no clube, sobretudo por meio de seus aspectos estéticos e das relações sociais estabelecidas na citada organização; b)conhecer os aspectos organizacionais do clube desde os seus elementos estruturais, os seus sujeitos sociais e as suas relações com o poder público municipal de Paranavaí; c) construir uma narrativa atinente à realidade dos acontecimentos no clube e ao processo de disputa pelo mesmo do campeonato paranaense de futebol de 2010; d) analisar o processo de produção do futebol pelo clube, no que diz respeito aos diferentes atores da organização e, principalmente, aos sujeitos responsáveis diretamente pelos atos de jogar futebol: os atletas acepeanos.

Palavras-chave: etnografia do futebol; Atlético Clube Paranavaí; cultura organizacional; estética do futebol; narrativa de dramas sociais.

Sumário

Introdução, 12

1 Futebol aprendido in loco, 17
1.1 A etnografia, um gol metodológico, 19 
1.1.1 O “aquecimento” da pesquisa, 20
1.1.2 Em campo: interação e percepção em meio aos vermelhos, 22
1.1.3 Escrever em perspectiva, 26 
1.2 Performance da equipe de futebol e o drama social chamado Campeonato Paranaense de Futebol 2010, 29
1.3 Uma micro-história do futebol acepeano, 32
1.4 A interpretação dos significados culturais: uma descrição do futebol no ACP, 34

2 A conjuntura social edificada ao longo dos anos: uma era dos volantes, 36
2.1 Avanços e retrocessos rumo a uma modernização conservadora, 37
2.2 O negócio “tá na área”: uma modernização conservadora, 45
2.3 Crise : a Era dos volantes, o bêbado equilibrista, 47

3 A organização Atlético Clube Paranavaí: objetos, pessoas e trabalho, 52
3.1 Origens e estrutura normativa, 52
3.2 O Estádio Municipal Waldemiro Wagner (“Felipão”), 55
3.3 As repartições administrativas do ACP e suas referências simbólicas, 59
3.4 Os instrumentos de trabalho e as moradias dos atletas, 62
3.5 As condições de treino acepeanas, 63
3.6 Uma breve exposição sobre alguns sujeitos organizacionais no ACP e as suas
funções, 65
3.7 Um volante “bandido” e refinado tecnicamente, 68
3.8 Entre o público e o privado, 77

4 O campeonato paranaense de 2010 como um drama social, 80
4.1 Formação da comissão técnica, do elenco de jogadores e as premissas para a disputa de um campeonato, 81
4.2 Uma escalada bem-sucedida, 91
4.3 O limiar entre o sucesso e o fracasso, 101
4.4 A derrocada, 110
4.5 A reparação: os motivos recaíram sobre os mais fracos, 122

5 As performances do futebol acepeano, 124
5.1 Metáforas analíticas: por uma análise dos processos performáticos no futebol, 124
5.1.1 A metáfora teatral: como atuam os personagens em campo, 124
5.1.2 A metáfora narrativa: entre o processo concreto e os olhares relativos,129
5.1.3 O acréscimo da imponderabilidade: o futebol como jogo e ritual disjuntivo, 132
5.2 Elementos sequênciais das performances acepeanas (nos vários momentos do campeonato), 134
5.2.1 Planejamentos e projeções, 135
5.2.2 Habilidade e experiência, 138
5.2.3 Treinamento técnico/físico/tático, 145
5.2.4 Coletivo-apronto, 151
5.2.5 Concentração: hotel, treino recreativo, aquecimento e preleção, 153
5.2.6 Performances em jogo, 154
5.2.7 Recuperação, 172
5.2.8 Repercussões, 173

Considerações finais,177

Referência

MIRANDA, Victor Garcia. Em campo: organização, drama e performance no futebol profissional brasileiro. 2011. 191 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) - Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2011.