Entre a paixão e o interesse

Autores

José Geraldo do Carmo Salles

Subtítulo

o amadorismo e o profissionalismo no futebol brasileiro

Título original / alternativo

Between the passion and the interest - the amateurism and the professionalism in the Brazilian soccer

Orientador

Antonio Jorge Soares

Banca

Helder Guerra de Resende, Lamartine Pereira daCosta, Manoel José Gomes Tubino, Roberto Ferreira dos Santos

Faculdade / Instituição

Faculdade de Educação Física, Universidade Gama Filho

Tipo

Tese

Área de concentração

Doutor em Educação Física

Ano

2004

Páginas

482

Cidade

Rio de Janeiro

Resumo (pt)

Este estudo tem como objetivo realizar uma análise do discurso circulante acerca dos dilemas entre o amadorismo e o profissionalismo no seio do futebol ao longo do seu desenvolvimento na sociedade brasileira. O esporte moderno nos termos de Norbert Elias (1992) seria uma mimese da guerra, mas uma guerra sem os riscos diretos do confronto com fim letal. Todavia, rapidamente tornou-se também um ramo de negócio na ordem capitalista, onde a lógica basal é o acúmulo. O esporte, ao ser governado pelos interesses, passou a ser um local de negócios, apostas e divertimentos, se afastou dos ideais da busca da honra e da glória, sem interesses pecuniários. Diante desta transformação, a manutenção do ideal amador teria sido apenas uma breve reação das elites em manter as barreiras de distinção social e frear a popularização que, de certa forma feria, ou invadia, um de seus espaços para emulação de status. Entretanto, a partir do momento em que o esporte se tornou um dos principais meios de entretenimento tanto na possibilidade da prática, quanto na esfera do consumo de espetáculo, novas demandas passaram a governá-lo, fazendo surgir o profissional esportivo. Obviamente, o surgimento desta bifurcação amadorismo-profissionalismo provocaria uma tensão entre os idealizadores do esporte, aqueles que o pretendiam apenas como um meio de distinção e refinamento, aliado aos ideais educativos e alguns praticantes que rapidamente demonstraram outros interesses relacionados ao jogo, tais como ascensão social e sobrevivência. Ao admitir o profissionalismo colocava-se em jogo o ideal educativo e moral preconizado pelas elites, pois o esporte, como ramo do negócio, parecia macular a competição, que passaria a ser governada pelo interesse. O interesse pecuniário do atleta passou a ser questionado diante dos ideais civilizatórios do esporte. Observemos que a desconfiança sobre a legitimidade e moralidade desse interesse estava presente no início do debate entre amadoristas e profissionalistas desde a transformação do esporte na Inglaterra. No futebol brasileiro entre as décadas de 20 e 40, ocorria, por parte de alguns interessados na manutenção do amadorismo, uma narrativa de que os interesses individuais proporcionados pelo profissionalismo pudessem corromper os valores educativos e morais do esporte. Diante de tal desconfiança, como trabalhar com a idéia de transparência e credibilidade no esporte, se cada jogador persegue seu autointeresse? Como manter o valor da honestidade, se o jogador de futebol pode se vender individualmente? Essas são possíveis questões que pareciam pairar sobre a possibilidade de profissionalização do esporte no final do século XIX e primeiras décadas do século XX. Na atualidade, os termos amador e profissional no espaço esportivo permitem ser utilizados para se qualificar positiva como negativamente o vínculo do atleta. São termos polissêmicos que apresentam fluidez de sentido e contradições, dependendo do contexto em que é empregado. Nossa principal hipótese é que, a narrativa esportiva brasileira (dirigentes, torcedores, jogadores e da mídia) apresenta deslocamentos e ambigüidades entre o discurso romântico, cifrado pelos ideais amadores, e o discurso profissional, em que a racionalidade econômica deve imperar. Todavia, nos anos de 1930 tensões e retóricas a favor ou contra a implantação do profissionalismo estiveram presentes nas páginas dos periódicos nacionais, mas o profissionalismo se afirmou. Em contrapartida, o discurso amador permaneceu no seio dessa nova ética, com forte traço romântico, e passou a ser uma espécie de regulação, de freio, do interesse desmedido que pode ameaçar os valores do esporte no profissionalismo.

Abstract

This objective of this study was to carry through an analysis of the circulating speech concerning the quandaries between the amateurism and the professionalism soccer during its development in the Brazilian society. According Norbert Elias (1992), the modern sport would be one “mimesis” of the war, but a war without the risks righthanders of the confrontation with lethal end. However, quickly became a branch of business in the capitalist order, where the basal logic is the accumulation. The sport, being ruled by interests, started to be a place business-oriented, appositive and amusements, it moved away from the ideals of the search for honor and glory, without pecuniary interests. Ahead of this transformation, the maintenance of the amateur ideal would have been only one brief reaction of the elites in keeping the barriers of social distinction and braking the population that, of certain form, wounded, or invaded, one of its spaces for emulation of status. However, from the moment the sport became one of the main ways of entertainment, both in the possibility of the practice and in the sphere of the spectacle consumption, new demands had started to govern it, making to appear the sportive professional. Obviously, the sprouting of this bifurcation amateurismprofessionalism would provoke a tension enters the idealizers of the sport, those who only intended it as a way of distinction and refinement, ally to the educative ideals and some practitioners who had quickly demonstrated other related interests to the game, such as social ascension and survival. When admitting the professionalism the educative and moral ideal praised by the elites was observed; therefore the sport, as branch of the business, seemed to stain the competition, which would be governed by the interest. The pecuniary interest of the athlete passed to be questioned in relation to the civil ideals of the sport. Let us observe that the diffidence on the legitimacy and morality of this interest was present in the beginning of the debate between amateurs and professionals since the transformation of the sport in England. In Brazilian soccer between the decades of 20 and 40, it occurred, on the part of some interested parties in the maintenance of the amateurism, a narrative that the individual interests proportionate by the professionalism could corrupt the educative and moral values of the sport. With such diffidence, how to work with the idea of transparency and credibility in the sport, if each player pursues its auto-interest? How to keep the value of the honesty, if the soccer player can sell himself individually? These are possible questions that seemed to hang on the possibility of professionalization of the sport in the end of XIX century and first decades of XX the century. In the present time, the terms amateur and professional in sports can be used to characterize, both positive as negative, the bond of the athlete. They are polissemic terms that present sensible fluidity and contradictions, depending on the context where they are used. Our main hypothesis is that the Brazilian sportive narrative (leading, fans, players and media) presents displacements and ambiguities between the romantic speech, ciphered for the amateur ideals, e the professional speech, where the economic rationality must reign. However, in the years of 1930 tensions and rhetorical pro or against the implantation of the professionalism had been gifts in the periodic pages of the national ones, but the professionalism has affirmed. On the other hand, the amateur speech remained in this new ethics, with strong romantic trace and e started to be a species of regulation, brake, of the measureless interest that can threaten the values of the sport in the professionalism.

Sumário

Introdução, 1
 
PARTE 1
O amadorismo e o profissionalismo no esporte: mapeando os conceitos, 34
 
Capítulo I
A aproximação dos conceitos, 34
 
Capítulo II
O amadorismo nos Jogos Olímpicos, 47
2.1 – O status do atleta nos Jogos Olímpicos Antigos, 54
2.2 – O status do atleta nos Jogos Olímpicos Modernos, 61
 
PARTE 2
A profissionalizaçao do futebol, 84
 
Capítulo III
O processo de profissionalização do futebol na Inglaterra, 84
 
Capítulo IV
A rápida difusão do futebol – Uma volta pela história do futebol brasileiro através do Rio de Janeiro, 106
 
Capítulo V
A tensão inicial do processo de profissionalização do futebol brasileiro, 115
 
Capítulo VI
Regaste e reestruturação do futebol brasileiro: o amadorismo em crise, 125
6.1 – A vitória do clube de Regatas Vasco da Gama em 1923 e a cisão na METRO, 128
6.2 – A fundação da AMEA – A busca do controle planejada pelos grandes Clubes, 138
6.3 – As Leis de Inscrição e de Estágio implantadas pela AMEA, 148
 
Capítulo VII
Russinho – Uma entrevista provocadora, 167
 
Capítulo VIII
A tensão dos anos finais da década de 20 e anos iniciais da década de 30 – O Jornal do Fluminense Football Club preparando o terreno para o profissionalismo, 186
 
Capítulo IX
O profissionalismo do futebol brasileiro, 202
9.1 – Argumentos favoráveis e contrários ao profissionalismo até sua  instauração,  208
9.2 – A instauração do profissionalismo, 217
9.3 – Argumentos após a instauração do regime profissional, 224
 
PARTE 3
A legislação esportiva brasileira: amadorismo, profissionalismo e futebol, 251
 
Capítulo X
Do Estado Novo a Constituição de 1988, 256
10.1 – Decreto-Lei 3.199 de 1941, 258
10.2 – Lei 6.251 de 08 de outubro de 1975, regulamentada pelo decreto nº 80.228 de 25 de agosto de 1977, 264
10.3 – Constituição de 1988, 268
 
Capítulo XI
Os alicerces recentes das leis atuais, 275
11.1 – O curto período do governo Collor, 275
11.2 – Lei nº 8.672 de 06 de julho de 1993 (A Lei Zico), 276
11.3 – Lei nº 9.615 de 24 de março de 1998 (A Lei Pelé), 290
 
Capítulo XII
As Leis  atuais, 301
12.1 – Lei nº 9. 981 de 14 de julho de 2000 (Lei Maguito Vilela), 301
12.2 – Lei nº 10.672 de 15 de maio de 2003, 303
 
Capítulo XIII
A reversão do profissionalismo – Que historia é essa?, 306
Capítulo XIV
Considerações acerca dos termos amador e profissional nas leis brasileiras, 316
 
PARTE 4
A permanência das narrativas amadoras no contexto do futebol profissional, 328
 
Capítulo XV
Afonsinho – Uma voz inquietante ou um mito da resistência?, 343
 
Capítulo XVI
Releitura do caso Bebeto – A transferência do Flamengo para o Vasco da Gama, 376
 
Capítulo XVII
David Fischel – Um dirigente modelo?, 396
 
Capítulo XVIII
Ronaldo Nazário – O homem de 100 milhões, 415
 
Conclusão, 438

Referências bibliográficas, 462

Referência

SALLES, José Geraldo do Carmo. Entre a paixão e o interesse: o amadorismo e o profissionalismo no futebol brasileiro. 2004. 482 f. Tese (Doutor em Educação Física) - Faculdade de Educação Física, Universidade Gama Filho, Rio de Janeiro, 2004.