Futebol, corações e mentes

Autores

Aníbal Renan Martinot Chaim

Subtítulo

Os torcedores na perspectiva do Estado

Orientador

Adrian Gurza Lavalle

Banca

Rogério Bastos Arantes, Bernardo Borges Buarque de Hollanda, Fernando de Magalhaes Papaterra Limongi, Felipe Tavares Paes Lopes

Faculdade / Instituição

Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo

Tipo

Tese

Área de concentração

Doutorado em Ciência Política

Ano

2018

Páginas

314

Cidade

São Paulo

Resumo (pt)

A presente tese ambiciona apresentar o fenômeno das torcidas organizadas de futebol do Brasil (TOBR) sob a ótica do Estado brasileiro. O objetivo deste estudo é apresentar não somente o protagonismo do Estado no processo que levou à fundação das primeiras TOBR nos anos 1940, mas também a influência de suas instituições para o crescimento e difusão das TOBR, que atingiram seu auge nos estádios de futebol nos anos 1990. Além de analisar a importância do Estado, esta tese também se dedica à compreensão das funções exercidas pela mídia esportiva, pelos clubes de futebol e pelos governing bodies do esporte brasileiro no que diz respeito à mediação da relação entre Estado e torcedores de futebol. Para a produção desse texto foram usadas fontes primárias como jornais de época, revistas de época, entrevistas, relatos e arquivos pessoais e também fontes secundárias como livros, dissertações, teses e artigos produzidos sobre as temáticas pertinentes a este estudo. Concluiu-se que as associações de torcedores no Brasil têm uma existência fortemente vinculada ao que se chamou de regime de Futebol de Estado, um arranjo político-institucional no qual o esporte de um país passa a ser usado como ferramenta política pelo Estado. O regime de Futebol de Estado é uma criação nazifascista que foi importada por Getúlio Vargas para o Brasil no início dos anos 1940. É durante este regime que se formam as primeiras associações de torcedores no Brasil. O expediente do Futebol de Estado foi também utilizado em toda a década de 1970 pelo Regime Militar, durante o qual as TOBR se desenvolveram de forma mais intensa. Foi também durante esse período que a violência entre torcedores se tornou mais frequente, o que contribuiu para que a relação entre Estado brasileiro e as TOBR entrasse em crise, uma consequência do fim do interesse estatal no esporte e da consolidação de um novo regime esportivo no Brasil nos anos 1990, o de Futebol para Mercado.

Palavras-chave: Futebol. Política. Estado. Torcidas organizadas. Ciência Política

Abstract

This study aims to present the phenomenon of football-supporters’ associations in Brazil (or TOBR, acronym in Portuguese language for torcidas organizadas de futebol brasileiras) on the historical perspective of the Brazilian State. It focuses not only on the State’s role in the process that led to the foundation of the first TOBRs during the 1940’s, but also on the influence of its institutions for the growth and diffusion of TOBRs, who experienced their golden age in football stadiums in the late 1980’s and early 1990’s. In addition to the analysis of the State’s role within this process, this study is also dedicated to understand the role played by the sports media, the football clubs and the governing bodies of the Brazilian sport in mediating the relationship between the State and football supporters. This text was written upon primary sources such as coeval newspapers, magazines, periodicals, personal files, reports and non-coeval interviews, as well as secondary sources such as books, dissertations, theses and papers produced on the issues which are pertinent to this study. It was concluded that the TOBRs’ existence in Brazil is strongly linked to what was called a setting of Football of State, which is a political-institutional arrangement in which the sport of a nation is used as a political tool by its State. The Football of State’s setting is a Nazi-fascist creation that was brought to Brazil by Getúlio Vargas in the early 1940’s. It was precisely during this regime that the first TOBRs were founded. The device of the Football of State was also used during the military regime throughout the 1970’s, and it was under this rule that the TOBRs developed more intensely. It was also during this period that violence among supporters started to happen more frequently. The violence among football-supporters increased substantially during the 1980’s and led to a crisis between the TOBRs and Brazilian State in the early 1990’s, which was also triggered by the end of State’s interest in sports and the consolidation of a new sports setting in Brazil during the 1990s, the Football for the Market.

Keywords: Football. Politics. State. Football-supporters associations. Political Science.

Sumário

INTRODUÇÃO, 14

CAPÍTULO 1. AS ORIGENS DO REGIME DE FUTEBOL DE ESTADO, 31
1.1. O regime de Futebol de Estado na Alemanha, 33
1.2. O regime de Futebol de Estado na Itália, 41
1.3. O regime de Futebol de Estado na Espanha, 47
1.4. O papel da mídia nos regimes de Futebol de Estado europeus, 51
1.5. A posição dos torcedores nos regimes de Futebol de Estado europeus, 58
1.6. Conclusão do capítulo, 63

CAPÍTULO 2. A CONSTRUÇÃO DO REGIME DE FUTEBOL DE ESTADO NO BRASIL, 64
2.1. O regime de Esporte em Sociedade Civil no Brasil, 67
2.2. A emergência de interesses de Mercado no regime de Esporte em Sociedade Civil, 71
2.3. O Jornal dos Sports e a defesa de interesses de Mercado no futebol, 79
2.4. O interesse do Estado pelo esporte, 83
2.5. O Estado se aproxima ainda mais do comando do esporte, 92
2.6. A mídia esportiva simpática ao Esporte de Estado, 97
2.7. A instituição do regime de Esporte de Estado no Brasil, 102
2.8. O regime de Esporte de Estado brasileiro nacionaliza os clubes de esporte, 108
2.9. Os torcedores num regime de Futebol de Estado, 114
2.10. O modelo ideal de torcidas uniformizadas, 121
2.11. A relação entre TUs e violência nos anos 1940, 122
2.12. Conclusão do capítulo, 129

CAPÍTULO 3. O DESENVOLVIMENTO DAS TOBR DENTRO DO REGIME DE FUTEBOL DE ESTADO, 131
3.1. Tendências de Mercado no futebol brasileiro pós-Vargas, 133
3.2. A popularização e o envelhecimento das TUs varguistas,  146
3.3. Os jovens torcedores e a ruptura final com a moral esportiva estadonovista, 159
3.4. As novas bases do Estado e da Mídia brasileira, 173
3.4.1. As bases do Regime Militar brasileiro, 173
3.4.2. Televisão e comunicação no Regime Militar, 177
3.5. As bases para a restauração do Futebol de Estado pelo Regime Militar, 188
3.6. O regime de Futebol de Estado do governo militar, 197
3.7. A era de ouro da segunda geração das TOBR, e sua lua de mel com a mídia esportiva e o Estado, 208
3.8. Conclusão do capítulo, 221

CAPÍTULO 4. AS TOBR NUM REGIME DE FUTEBOL PARA MERCADO, 224
4.1. Giulite Coutinho e os primeiros anos da CBF, 226
4.2. A ruptura dos grandes clubes com a CBF, 231
4.3. O Clube dos 13 e a eleição de Ricardo Teixeira para a CBF, 236
4.4. O torcedor sob uma perspectiva de Mercado, 241
4.5. O destaque às causas exógenas de tumultos no futebol, 243
4.6. A tolerância da mídia esportiva com atos violentos de torcedores, 247
4.7. O torcedor como consumidor, 254
4.8. A ruptura entre mídia esportiva e TOBR, 257
4.9. A violência das TOBR se torna notícia, 266
4.10. O destaque midiático para a agência das TOBR, 270
4.11. As TOBR da perspectiva das TOBR, 287
4.12. Conclusão do capítulo, 299

CONCLUSÃO DA TESE, 302
NOVAS QUESTÕES TRAZIDAS POR ESTA TESE, 308
REFERÊNCIAS, 311
Arquivos, 311
Cartas, 311
JORNAIS E REVISTAS, 311
Áudio-visual, 312
Filmes, 312
Sites na internet, 313
Leis e decretos pertinentes, 313
Bibliografia, 314

ANEXOS, 319
Anexo 1: Relatório do embaixador Lindon Gordon ao Departamento de Estado norte-americano, datada de 14 de agosto de 1965, 319
Anexo 2: João Lyra Filho. A Função Social dos Desportos. Secretaria da presidência da República, 03 de maio de 1941, 322
Anexo 3: Informante JA. Relatório sobre a Situação Esportiva no Brasil. Gabinete do Ministro Gustavo Capanema, 03 de janeiro de 1937, 345

Referência

CHAIM, Aníbal Renan Martinot. Futebol, corações e mentes: Os torcedores na perspectiva do Estado. 2018. 314 f. Tese (Doutorado em Ciência Política) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018.