Futebol de Várzea em São Paulo

Autores

Diana Mendes Machado da Silva

Subtítulo

A Associação Atlética Anhanguera (1928-1940)

Editora

Alameda

Cidade

São Paulo

Páginas

327

Ano

2017

ISBN

9788579394249

Sumário

Apresentação, 13

Prefácio, 19

Introdução, 23

Nas várzeas e nos subúrbios: o surgimento da Associação Atlética Anhanguera, 31
Desenraizar-se e enraizar-se: a instalação de imigrantes peninsulares na Barra Funda, 31
A Barra Funda e a várzea dos ítalo-brasileiros, 35
O clube Anhanguera: uma experiência associativa, 47
Festividades, bailes e participação feminina, 60
A passatella, os bares e os homens, 68

O futebol no Anhanguera: entre ajustes e conflitos de interesses, 75
Circulação e estabilidade: os primeiros campos de futebol do Anhanguera, 75
Associação: adoção e demissão de novos associados, 84
Saverio, Barthô e a dinâmica do futebol, 94
A Associação Anhanguera e o Clube Atlético Paulistano: semelhanças entre o futebol de várzea e o de elite?, 110

O Anhanguera, a várzea dos ítalos-brasileiros e a Gazeta Esportiva, 119
Associativismo e vida de bairro, 119
A várzea entre festivais e amistosos, 123
A Gazeta chama seus jogadores, 137
A Gazeta Esportiva e a Associação Atlética Anhanguera, 146
A várzea tradicional d’A Gazeta, 151

Considerações finais, 159

Anexos, 165

Acervos e fontes consultadas, 211

Bibliografia, 217

Sinopse

A escrita envolvente, aliada à acuidade de uma análise instigante, firmemente alicerçada em uma vasta e inédita documentação, transporta o leitor e a leitora para a São Paulo dos anos trinta em cujas artérias vemos circular caminhões com bandeiras, flâmulas e hinos dos times de várzea, a caminho de um amistoso, de um festival ou de uma encrenca.

Nas páginas do livro a cidade ganha um colorido especial, o bairro assume um contorno singular, a experiência exibe uma lição por vezes esquecida: a da vivência de um encontro que começa muito antes da partida e se prolonga para além do tempo regulamentar, nas mesas de bar, nos jogos de carta, na vida boêmia, momentos de partilha que se sobrepõem aos acasos do prélio, aos caprichos da bola.

Centrada na experiência da Associação Atlética Anhanguera, criada em 1928 pelos ítalo-brasileiros da Barra Funda, a pesquisa utiliza um argumento mais abrangente para tratar do futebol praticado pelas camadas populares. Seu mérito consiste em abordar com maestria a inter-relação que envolve o clube de várzea, o cotidiano do bairro e a vida da metrópole. Sob perspectiva inovadora, a autora nos mostra que a várzea não se constitui apenas no celeiro de craques, mas se revela como um vasto laboratório de experiências lúdicas, em contraponto ao modelo hegemônico e homogêneo instituído na cidade.

A obra de Diana Mendes Machado da Silva oferece-nos a rara oportunidade de adentrar uma paisagem social ainda pouco explorada pela historiografia, mas crucial para desvendar o amplo leque de possibilidades do jogar bola.

Referência

SILVA, Diana Mendes Machado da. Futebol de Várzea em São Paulo: A Associação Atlética Anhanguera (1928-1940). São Paulo: Alameda, 2017.