O futebol profissional e o processo de formação de grupo

Autores

Rafael Moreno Castellani

Orientador

Ianni Regia Scarcelli

Banca

Arlei Sander Damo, Maria Inês Assumpção Fernandes, Rodrigo Azevedo Leitão, Luciana Ferreira Angelo

Faculdade / Instituição

Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo

Tipo

Tese

Área de concentração

Doutorado em Psicologia Social

Ano

2017

Páginas

250

Cidade

São Paulo

Resumo (pt)

Este estudo possui como objetivo compreender o processo de formação de grupo no âmbito do futebol profissional. Implicitamente, pretendemos, diante da rotina profissional dos dirigentes/comissão técnica/atletas, averiguar como um grupo é construído, sob o viés estrutural e organizacional, mas sobretudo, sob a ótica das condições psíquicas postas no processo de desenvolvimento grupal. Além de verificarmos o perfil das categorias de base, com foco no processo de transição dos atletas formados/produzidos ao profissional, procuramos analisar as relações vinculares estabelecidas, com ênfase no sistema de atribuição e assunção de papéis, e as consequências psíquicas dos processos de mudança. Partimos de uma revisão bibliográfica e estudo de campo envolvendo observações e entrevistas (25 jogadores, 12 integrantes de comissão técnica e 6 dirigentes) em três clubes profissionais do futebol brasileiro. Nosso processo de busca bibliográfica procedeu do acesso às bases de dados Scielo, Scopus, Pubmed e ao Sistema Integrado de Bibliotecas. Em capítulos específicos, realizamos também buscas em mídias jornalísticas esportivas, em acervo virtual. Tais procedimentos metodológicos, ao também orientarem-se pelo referencial teórico de Pichon-Rivière e Bleger, nos levaram a associar a investigação psicanalítica à social por meio da análise psicossocial, sociodinâmica e institucional dos grupos investigados. O futebol profissional é um fenômeno econômico e comércio extremamente rentável, que se movimenta pela circulação de jogadores, cuja modernidade e espetacularização mobilizam, mundialmente, milhares de aficionados, praticantes e profissionais. Institucionalmente, se apresenta como uma organização conservadora, excludente, “fechada”, de privação e controle. Como parte de um cotidiano norteado pela pressão por resultados e rotina de treinos desgastante, física e psicologicamente, a concentração esportiva se mostrou, na perspectiva dos processos grupais, importante, se ressignificada. Neste contexto, fica configurado nos atletas e comissão técnica o negligenciamento de sua subjetividade e poucas possibilidades de ingerência sobre o futuro profissional e satisfação de suas necessidades, fundamentos motivacionais das configurações vinculares que, por sua vez, assumem características específicas, principalmente pelas constantes mudanças que estão sujeitos. Tais mudanças, assim como a privação de vida social, sentimento de saudades da família, ambiente de vestiário, papel desempenhado pelo roupeiro e as atividades lúdicas, se apresentaram como importantes emergentes. A assimilação de diferentes papéis sociais desempenhados não se dá de maneira harmoniosa, pois vivenciar e circular por eles são motivos de conflito interno e desestabilização nas relações vinculares. Parte desta dificuldade se dá pela notória disputa por determinados papéis a serem desempenhados no grupo, sobretudo aqueles que oportunizarão a satisfação de se sentirem notados, importantes, reconhecidos, valorizados e úteis ao grupo. Embora tenhamos constatado alguns acontecimentos que denotam adaptação ativa à realidade, por se tratarem de realizações individualizadas e não elaboradas numa perspectiva grupal, além de estarem mais próximas de uma adaptação que satisfaça os interesses e pressupostos dos clubes e empresários, podem ocasionar uma ruptura ou estereotipia no grupo. O recorte teórico adotado se mostrou válido, pertinente e significativamente importante nesta pesquisa, pois entendemos que a psicologia social postulada por Pichon-Rivière e as leituras de seus seguidores, não só permitiram, como favoreceram, nossa pesquisa de campo, bem como nossas interpretações e análises.

Palavras-chave: Futebol, Grupo, Processo grupal, Psicologia Social, Pichon-Rivière

Abstract

The objective of this study is to understand the process of group formation in professional soccer. More specifically, we intended to investigate how a group is built considering the psychological conditions of this process and given the professional routine of the backroom staff, directors, and athletes. This investigation was performed under a structural and organizational point of view. We checked the profile of the basis categories, focusing on the transitioning process that club-trained players pass through to become professional athletes. We also analyzed the established bonding relationships, emphasizing the system of role allocation and the psychological consequences of changing processes. We reviewed the literature and conducted a field study, which included observations and interviews (25 players, 12 members of the backroom staff, and 6 directors) in three Brazilian soccer clubs. During our bibliographic revision, we accessed the database of Scielo, Scopus, Pubmed and the Integrated Libraries System, besides several digital assets from sport media. Because the theoretical framework of Pichon-Rivière and Bleger was used to guide our methodological procedures, we associate the psychoanalytical research to the social research through a psychosocial, socio-dynamic and institutional analysis of the studied groups. Professional soccer is an economical phenomenon and a highly profitable market moved by the exchange of players. Moreover, soccer’s modernity and spectacularization attract thousands of fans, professional and amateur soccer players around the world. Institutionally, professional soccer is a conservative organization that excludes, deprives and exerts control. As part of a daily routine that is guided by pressure for results and physically and emotionally stressful trainings, the sportive concentration has shown to be important, as long as it assumes a new meaning. In this context, the negligence of the subjectivity of athletes and technic staffs is shaped, along with the few possibilities for intervention on their professional future and the satisfaction of their needs. These are motivational drivers of the bounding setups, which in turn, assume specific characteristics, mainly because of constant changes that they are subjected to. These changes, as well as social life deprivation, homesickness, the atmosphere of the dressing rooms, the role played by the kit man, and the ludic activities are important outcomes. Assuming different social roles is not done in a harmonious way, because experiencing these roles is reason for internal conflicts and destabilization of bounding relationships. Part of this difficulty is given to the notorious dispute for certain roles in the group, mainly those that may satisfy the need to be noticed, to feel important, recognized, valued, and useful for the group. Although we have noticed certain happenings that denote active adaptation to reality, because these are individual realizations and do not include a group perspective, besides being closer to an adaptation that satisfy the interest and presumptions of the clubs and businessmen, they can cause rupture or stereotype within the group. The adopted theoretical approach showed to be valid, relevant and significantly important in this research, because we understand that the social psychology postulated by Pichon-Rivière and his followers not only allowed, but in fact favored our field research, data interpretation and analyses.

Keywords: Soccer, Group, Group process, Social psychology, Pichon-Rivière

Sumário

1. O JOGO PRELIMINAR, 13
1.1 Apresentação, 13
1.2 Aquecimento, 15
1.3 Apito inicial, 33

2. ESQUEMA CONCEITUAL, 39
2.1 A dimensão sociodinâmica: os modos como os grupos se estruturam, 49

3. ENQUADRE METODOLÓGICO, 60

4. OS CLUBES DO FUTEBOL PROFISSIONAL EM AÇÃO: UM DESVELAR DOS PEQUENOS GRUPOS, 69
4.1 Os clubes em perspectiva, 70
4.1.1 Guarani Futebol Clube, 70
4.1.2 Atlético Clube Bragantino, 83
4.1.3 Associação Atlética Ponte Preta, 94
4.2 O cotidiano de comissão técnica e atletas no futebol profissional, 102
4.2.1 A concentração esportiva, 123

5. REFLEXÕES SOBRE A CONSTITUIÇÃO DE GRUPOS NO FUTEBOL PROFISSIONAL, 143
5.1 O futebol profissional como instituição, 143
5.2 As categorias de base e o processo de transição à equipe profissional, 160
5.3 Sobre aqueles que ficam pelo caminho: A postura de dirigentes e comissão técnica em relação aos atletas das categorias de base que não são promovidos à equipe profissional, 173

6 OPERAÇÕES TRAVADAS NO INTERIOR DOS GRUPOS, 180
6.1 A constituição de vínculos no cenário de atribuição e desempenho de papéis, 180
6.2 Aprendizagem, leitura crítica da realidade e possibilidades de modificações criativas, 196
6.3 Quando as mudanças entram em jogo, 212

7 APITO FINAL E O TERCEIRO TEMPO, 229

REFERÊNCIAS, 239

Referência

CASTELLANI, Rafael Moreno. O futebol profissional e o processo de formação de grupo. 2017. 250 f. Tese (Doutorado em Psicologia Social) - Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017.