“Jogando pela esquerda”

Autores

Guilherme Kichel de Almeida

Subtítulo

o futebol brasileiro nas páginas dos jornais opinião e movimento (1975-1978)

Orientador

Cesar Augusto Barcellos Guazzelli

Banca

Gerson Wasen Fraga, Janice Zarpellon Mazo, Arlei Sander Damo

Faculdade / Instituição

Instituto de História, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Tipo

Dissertação

Área de concentração

Mestrado em História

Ano

2018

Páginas

221

Cidade

Porto Alegre

Resumo (pt)

O presente trabalho propõe entender de que modo o futebol foi apresentado e interpretado pelos jornais alternativos Opinião (1972-1977) e Movimento (1975-1981) entre os anos 1975 e 1978. Por ser um dos elementos definidores da identidade nacional brasileira, com grande capacidade de mobilização popular, o futebol apresenta-se como alvo de disputas políticas e culturais. Tendo em vista o contexto histórico da ditadura empresarial-militar, pretende-se compreender como setores da esquerda se posicionaram e interpretaram os significados do esporte mais popular do país num cenário de transformações tanto para a sociedade brasileira, com o início do processo de abertura política, quanto para o futebol brasileiro, com a eliminação da Copa do Mundo de 1974, questionamentos sobre o “estilo brasileiro” de se jogar futebol, além da influência institucional e ideológica do governo ditatorial. Para tanto, nos apoiamos nas contribuições teóricas dos autores Antonio Gramsci e Pierre Bourdieu, especialmente no papel da imprensa na sociedade moderna, e Benedict Anderson, Eric Hobsbawm e Marilena Chauí sobre a relevância da nação e da identidade nacional enquanto fenômeno histórico. A escolha dos referidos jornais como fonte e objeto de estudo se deu pelo fato dos mesmos integrarem parte da imprensa alternativa do período, que procurou colocarse contra o governo ditatorial, questionando seu projeto de poder.

Abstract

This work proposes to understand how football was presented and interpreted by both the alternative newspapers Opinião (1972-1977) and Movimento (1975-1981) among the years 1975 and 1978. Being one of the defining elements of Brazilian national identity, with huge capacity for popular mobilization, football presents as a target of political and cultural disputes. Taking into account the historical context of the military-enterprise dictatorship, it is intended to understand how left sectors have positioned themselves and interpreted the meanings of the most popular sport in the country in a scenario of transformations both for Brazilian society, with the beginning of the process of political opening, as well as for Brazilian football, with the elimination in the 1974 World Cup, questions about the “Brazilian style” of playing football, as well as the institutional and ideological influence of the dictatorial government. For this purpose, we rely on the theoretical contributions of authors Antonio Gramsci and Pierre Bourdieu, especially on the role of the press in modern society, and Benedict Anderson, Eric Hobsbawm and Marilena Chauí on the relevance of the nation and national identity as a historical phenomenon. The choice of these newspapers as a source and as object of study was due to the fact that they were part of the alternative press of the period, which sought to put itself up against the dictatorial government, questioning its power project.

Sumário

Introdução, 10
Futebol, nação e imprensa, 13
Imprensa e Sociedade: o caso da imprensa alternativa, 22
Fontes, Objetivos e Capítulos, 35

Capítulo 1: O cenário: ditadura, imprensa alternativa e futebol (1964-1978), 41
1.1. – A imprensa alternativa do golpe ao início da Abertura (1964-1974), 41
1.2 – A dinâmica da abertura política e a imprensa alternativa (1974-1978),50
1.3 – Opinião, 58
1.4 – Movimento, 67

Capítulo 2 – Opinião e Movimento: o futebol brasileiro em perspectiva (1975-1977), 77
2.1 – Plínio Marcos: a reação do futebol romântico, 79
segunda metade da década de 1960 e início da de 1970, 79
2.1.1 – Povo e Nação e a Influência do pensamento do ISEB nos anos 1960, 79
2.1.2 – Os anos 1960 e início dos 1970: o Romantismo Revolucionário, 83
2.1.3 – Plínio Marcos, o repórter de um tempo mau, 92
2.1.4 – Plínio, o cronista esportivo romântico, 98
2.2 O futebol em Opinião, 112
2.2.1 – Opinião e a publicação de O Futebol no Brasil de Anatol Rosenfeld, 113
2.2.2 – A “Crise Simbólica” do Futebol Brasileiro, 122
2.3 – A Reação ao Ethos Autoritário, 131
2.3.1 – O futebol como prática contestadora: o “atleta-cidadão”, 132
2.3.2 – Paulo Cézar Lima: rebeldia necessária, 143

Capítulo 3: A Copa de 1978 em Movimento, 150
3.1 – Reinaldo como tipo-ideal: o “craque cidadão”, 151
3.2 – Plínio Marcos, “meia-volta, volver”, 163
3.3 – Futebol, ópio do povo?, 174
3.3.1 – O futebol também é contestação, 178
3.3.2 – O debate sobre a Alienação, 185
Opinião, 185
Movimento, 192

Considerações Finais, 200

Referências, 206
Anexos, 216

Referência

ALMEIDA, Guilherme Kichel de. “Jogando pela esquerda”: o futebol brasileiro nas páginas dos jornais opinião e movimento (1975-1978). 2018. 221 f. Dissertação (Mestrado em História) - Instituto de História, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2018.