Jornalismo esportivo e acionamento da memória: o “Maracanazo” 20 anos depois

Autores

Ronaldo Helal, Alvaro Vicente Graça Truppel Pereira do Cabo

Periódico / Revista

Estudos de Sociologia

Cidade

Recife

Volume

v. 2

Número

n. 14

Páginas

p. 93-113

Ano

2008

ISSN

2317-5427

Resumo (pt)

O objetivo deste artigo é analisar o discurso jornalístico sobre a partida entre Brasil e Uruguai na Copa de 1970 na imprensa Uruguaia. A narrativa em torno desta partida suscita reflexões sobre a relação entre imprensa, memória e “construção” de rivalidades. Brasil e Uruguai não se enfrentavam em uma Copa desde 1950, em confronto que ficou conhecido no Uruguai como “Maracanazo”, pois a equipe uruguaia sagrou-se campeã derrotando os brasileiros na casa do rival. O que seria uma simples disputa de futebol adquire dramaticidade no discurso jornalístico e serve de subsídio para que investiguemos o olhar do outro e o papel da imprensa na “construção” da memória e de elementos de identidades nacionais. A narrativa sobre a partida Brasil 3 x 1 Uruguai é apenas mais um exemplo de como o futebol pode ser abordado e reconfigurado simbolicamente em um curto espaço de tempo e como ele está presente no senso comum e na memória coletiva das nações.

Referência

HELAL, Ronaldo; CABO, Alvaro Vicente Graça Truppel Pereira do. Jornalismo esportivo e acionamento da memória: o “Maracanazo” 20 anos depois. Estudos de Sociologia. Recife, v. 2, n. 14, p. 93-113, 2008.