Jornalismo Esportivo no Brasil

Autores

Luciano Victor Barros Maluly, Gustavo de Araujo Longo, Rafael Duarte Oliveira Venancio

Subtítulo

livro 2

Editora

Publicação Independente

Cidade

São Paulo

Ano

2020

ISBN

9798550932995

Sumário

Noticiário esportivo: quando o excesso de entretenimento se torna um problema para o jornalismo
Carlos Henrique de Souza Padeiro

A imprensa no banco dos réus: a produção jornalística brasileira sobre a violência relacionada aos espetáculos futebolísticos e seus efeitos de dominação
Felipe Tavares Paes Lopes

Jogos Abertos do Interior: assessoria de imprensa e jornalismo esportivo
Gustavo de Araujo Longo

Futebol e desinformação: aspectos de conteúdos presentes no ambiente virtual
Liana Vidigal Rocha

Novos colunistas esportivos na USP em Londrina (PR): as contribuições de Cláudio Osti ao jornalismo brasileiro
Luciano Victor Barros Maluly

Beisebol, Quadrinhos e Videogame”
Rafael Duarte Oliveira Venancio

A História da Fórmula 1 deve ser dividida em sete períodos e quatro grandes fases
Sérgio Robinson Quintanilha

Site Ludopédio: divulgação científica e produção de conteúdo sobre futebol
Sérgio Settani Giglio, Enrico Spaggiari e Marco Antunes de Lima

Sinopse

A coleção Jornalismo Esportivo no Brasil é apenas um breve panorama da produção e reflexão acadêmica na área, contemplando a produção de dois livros iniciais em 2020. Neste livro 2, apresentamos 8 capítulos de 10 pesquisadores brasileiros.

O capítulo “Noticiário esportivo: quando o excesso de entretenimento se torna um problema para o jornalismo” de Carlos Henrique de Souza Padeiro aborda um tema bastante (e cada vez mais) atual: o excesso de entretenimento no Jornalismo Esportivo.

“A imprensa no banco dos réus: a produção jornalística brasileira sobre a violência relacionada aos espetáculos futebolísticos e seus efeitos de dominação” de Felipe Tavares Paes Lopes discute os efeitos de dominação da produção jornalística sobre a violência relacionada aos espetáculos futebolísticos. Para tanto, foi estruturado em três partes: na primeira, aborda as censuras invisíveis presentes no contexto de produção das matérias sobre o tema, indicando que as torcidas organizadas não têm voz nelas. Na segunda, trata das narrativas veiculadas nessas matérias, mostrando como elas estigmatizam essas torcidas. Na terceira e última, discute algumas estratégias para reduzir os efeitos de dominação dessa estigmatização, focalizando a importância de democratizar a mídia e educar seus receptores.

Com “Jogos Abertos do Interior: assessoria de imprensa e jornalismo esportivo”, Gustavo de Araujo Longo faz uma análise do trabalho da equipe de comunicação do Comitê Organizador dos Jogos Abertos do Interior de 2019, realizados em Marília, na região centro-oeste de São Paulo. A partir do acompanhamento dos profissionais nos ginásios onde a competição acontecia, foi possível identificar a discussão sobre a pauta, o processo de produção da notícia e a forma como as informações circulavam entre os repórteres.

O propósito do capítulo “Futebol e desinformação: aspectos de conteúdos presentes no ambiente virtual” de Liana Vidigal Rocha é verificar se o futebol configura-se ainda como a modalidade esportiva mais presente nas desinformações, averiguando os personagens, as questões base, os formatos e as plataformas mais utilizados a fim de observar quais são as configurações que esses conteúdos assumem e onde são mais propagados.

O capítulo “Novos colunistas esportivos na USP em Londrina (PR): as contribuições de Cláudio Osti ao jornalismo brasileiro” de Luciano Victor Barros Maluly destaca o surgimento do site colaborativo Você Esporte Clube e sua influência na criação de um espaço para colunistas no blog destinado à cobertura esportiva do Departamento de Jornalismo e Editoração (CJE) da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP).

Em “Beisebol, Quadrinhos e Videogame”, Rafael Duarte Oliveira Venancio apresenta dois textos escritos e publicados em inglês feitos em suas atividades do autor como membro da Society for American Baseball Research (SABR). O primeiro texto, sobre Peanuts, faz parte de um newsletter interno e o segundo foi publicado na 2ª edição da revista Turnstyle. A tradução do inglês para o português é de Simone Lly.

“A História da Fórmula 1 deve ser dividida em sete períodos e quatro grandes fases” foi a fórmula encontrada por Sérgio Robinson Quintanilha para buscar pistas que levem a uma resposta para a grande questão do automobilismo: quem foi o maior piloto de todos os tempos? Abrindo mão de aspectos intangíveis e mergulhando nos números, este artigo esmiúça os detalhes das quatro grandes fases da Fórmula 1, cujas características influenciaram o resultado das pistas.

O capítulo “Site Ludopédio: divulgação científica e produção de conteúdo sobre futebol”, de Sérgio Settani Giglio, Enrico Spaggiari e Marco Antunes de Lima apresenta o processo de criação do site, que corresponde a mais de uma década desde a confecção do projeto. O texto narra como uma série de encontros entre pessoas interessadas no futebol acabou por materializar uma ideia e difundir o conhecimento científico para além dos muros da Universidade.

Referência

MALULY, Luciano Victor Barros; LONGO, Gustavo de Araujo; VENANCIO, Rafael Duarte Oliveira. (Orgs.).Jornalismo Esportivo no Brasil: livro 2. São Paulo: Publicação Independente, 2020.