Mario Rodrigues Filho

Autores

Vinicius Garzon Tonet

Subtítulo

democracia racial, violência e futebol (1919-1955)

Orientador

Heloisa Maria Murgel Starling

Banca

Marcelino Rodrigues da Silva, Fabio Franzini

Faculdade / Instituição

Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais

Tipo

Dissertação

Área de concentração

Mestrado em História

Ano

2020

Páginas

217

Cidade

Belo Horizonte

Resumo (pt)

Esta dissertação de mestrado tem como objetivo analisar a obra O Negro no Foot-ball Brasileiro, de Mario Rodrigues Filho, escrita em 1947, e a sua relação com o tempo em que foi produzida, a fim de compreender sua participação nos debates sobre futebol e questão racial no Brasil. Para isso, proporá uma discussão sobre a trajetória dessa relação começando por Lima Barreto e suas críticas à segregação racial no futebol, passando por Gilberto Freyre e sua valorização da mestiçagem como fundamento para o sucesso do esporte no país, até chegar em Mario Filho e sua atuação jornalística ao longo das décadas de 1930 e 1940. Realizada a inserção do leitor na profundidade do tema, a meta do trabalho passa a ser investigar como O Negro no Foot-ball Brasileiro foi apresentado ao público pelo autor e pelo prefeciador, Gilberto Freyre, assim como foi recebido pela crítica em resenhas da época. Após recuperar formas com que o livro foi assimilado em seu tempo, a pesquisa passará à interpretação do texto dando atenção a quem Mario Filho nomeia como interlocutores, a como constrói o sentido histórico de sua narrativa e a como são formuladas as estratégias argumentativas em sua escrita da história. Por fim, a dissertação terá por foco o modo com que o autor elabora a experiência temporal do passado, para isso analisará como a ideia de revolução realizada no dia-a-dia, ao longo dos anos, é articulada para ditar o ritmo da narrativa. Será investigado, também, como o povo é representado, evidenciando como a intensa atividade descritiva e a atenção às sensibilidades e afetos dos personagens faz com que os corpos negros ganhem visibilidade e transformem-se nos principais agentes dessa história. Ao final, a linguagem da violência será colocada como estruturante das relações raciais em O Negro no Foot-ball Brasileiro para que se estude como o conceito de democracia racial mobilizado por Mario Filho não criava uma mitologia de um Brasil pacífico e, pelo contrário, estava em consonância com o arco de aliança antirracista e democrático de fins dos anos 1940 e articulado no jornal Quilombo, dirigido por Abdias Nascimento.

Palavras-chave: Mario Filho; Democracia Racial; Linguagem da Violência; Futebol; Escrita da História.

Abstract

This study analyzes the book O Negro no Foot-ball Brasileiro, written by Mario Rodrigues Filho, in 1947, and its relationship with the context in which it was produced, in order to understand its participation in the debates about soccer and racial issues in Brazil. To this end, it will propose a discussion about the trajectory of this relationship starting with Lima Barreto and his criticism of racial segregation in soccer, passing by Gilberto Freyre and his appreciation of mestizaje as a reason for the success of the sport in the country, arriving at Mario Filho and his journalistic activity throughout the 1930s and 1940s. After inserting the reader in the general background, the goal of this work is to investigate how O Negro no Foot-ball Brasileiro was presented to the public by the author and by Gilberto Freyre, who wrote the preface, and how it was received by critics through reviews at that period. After recovering the ways in which the book was assimilated in its time, the research will move to the interpretation of the text, paying attention to who Mario Filho names as his interlocutors, how he constructs the historical meaning of his narrative, as well as the argumentative strategies in his writing of History. Finally, the dissertation will focus on the way in which the author elaborates the temporal experience of the past. To this end, it will analyze how the idea of revolution realized in everyday life, over the years, is articulated, setting the pace of the narrative. It will also be investigated how the Brazilian people is represented, showing how the intense descriptive activity and attention to the sensibilities and affections of the characters make the black bodies gain visibility and become the main agents of this narrative. To conclude, the language of violence will be shown as structuring racial relations in O Negro no Foot-ball Brasileiro in order to demonstrate how the concept of racial democracy mobilized by Mario Filho did not create a mythology of a peaceful Brazil and, on the contrary, was in line with the anti-racist and democratic arch of alliances of the late 1940s, as articulated in the Quilombo newspaper, directed by Abdias Nascimento.

Keywords: Mario Filho; Racial Democracy; Language of Violence; Soccer; Writing of History.

Sumário

INTRODUÇÃO, 11

CAPÍTULO 1 – FUTEBOL E QUESTÃO RACIAL: QUAL BRASIL?, 28
“Matem logo os de côr; e viva o futebol!”: Lima Barreto e os anos iniciais do “jogo dos pontapés”, 28
“Um team fortemente afro-brasileiro”: novos rumos do futebol e um laboratório para Gilberto Freyre, 40
Mario Filho e o jogo das multidões, 51

CAPÍTULO 2 – A RECEPÇÃO DE O NEGRO NO FOOT-BALL BRASILEIRO, 58
Gilberto Freyre e Mario Filho apresentam o livro: que história é essa?, 58
História ou romance: o que fazia Mario Filho?, 71
A recepção de O Negro no Foot-ball Brasileiro: contextualizar para compreender, 79
O ensaio de formação: uma chave de leitura, 89

CAPÍTULO 3 – O NEGRO NO FOOT-BALL BRASILEIRO: A ESCRITA DA HISTÓRIA, 102
Contra quem escreve Mario Filho?, 102
História: sentido e tradução cultural, 106
As oposições que balizam o sentido da história, 115
Fronteiras: o campo, a geral, a arquibancada e a rua, 130

CAPÍTULO 4 – O NEGRO NO FOOT-BALL BRASILEIRO: REVOLUÇÃO, CORPO E VIOLÊNCIA, 140
A representação do tempo: “o ritmo de um novo tempo”, 140
A representação do povo: o corpo na história, 155
Linguagem da violência: história sensível e o negro como agente, 168
Democracia racial: a utopia de Mario Filho?, 183

CONSIDERAÇÕES FINAIS, 205

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS, 215

Referência

TONET, Vinicius Garzon. Mario Rodrigues Filho: democracia racial, violência e futebol (1919-1955). 2020. 217 f. Dissertação (Mestrado em História) - Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2020.