Megaeventos e a conformação de uma identidade nacional

Autores

Paula Ziviani

Subtítulo

a Copa do Mundo como dispositivo de memória

Orientador

Regina Helena Alves da Silva

Banca

Ângela Cristina Salgueiros Marques, Márcio Simeone Henriques, Édison Luiz Gastaldo, Rafael Fortes Soares

Faculdade / Instituição

Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal de Minas Gerais

Tipo

Tese

Área de concentração

Doutor em Comunicação Social

Ano

2016

Páginas

276

Cidade

Belo Horizonte

Resumo (pt)

Esta pesquisa tem como propósito refletir acerca do uso das memórias locais e nacionais e de sua mobilização em determinados momentos históricos, com destaque para a realização dos megaeventos esportivos sediados pelo Brasil, em particular, da Copa do Mundo da FIFA de 2014. Nesse aspecto, analisamos os elementos simbólicos e discursivos utilizados para representar uma nação imaginada, que faça sentido tanto para o público interno (“para dentro”) quanto para o público externo (“para fora”), num contexto de concorrência global em torno da produção de espaços para a realização de eventos transnacionais. Procuramos investigar quais elementos da memória social do país são acionados e ressignificados para a conformação de uma identidade nacional durante a Copa do Mundo e como eles foram usados. Partimos da compreensão de que os megaeventos são dotados de grande valor estratégico, uma vez que eles operam como promotores internacionais dos países que os sediam e, consequentemente, de suas imagens no exterior. Trata-se de acontecimentos de alta visibilidade midiática mundial, orientados para um público de massa, que exploram elementos simbólicos da memória social dos países. Os megaeventos afetam a vida, os sonhos, as memórias e o tempo do público massivo em função de sua capacidade de dramatizar e globalizar o presente como evento midiático. Investigamos o tema a partir da noção de dispositivo de Foucault ao tomarmos os megaeventos esportivos como catalisadores, isto é, como algo capaz de articular elementos heterogêneos num intricado jogo de forças em interação. Com base no conceito de dispositivo como fundamento teórico-metodológico e na ideia do mito da democracia racial e da cordialidade como representações homogêneas do povo brasileiro, procuramos estabelecer a rede que se pode tecer entre elementos heterogêneos em torno da memória coletiva do país. Dentre os resultados, destacamos a abordagem da Copa do Mundo como um dispositivo de memória que, ao disponibilizar fragmentos dos elementos que constituem a memória nacional, instiga o duplo movimento de lembrar e esquecer inerente ao processo de rememoração; e a possibilidade de se pensar a memória como mídia, num processo de mediação, de produção de significação e estruturação de sentido e de estabelecimento de temporalidades diversas, que modelam e ordenam processos de interação.

Abstract

This research intends to discuss the use of local and national memories and their mobilization during specific moments in history, highlighting the sports mega-events in Brazil and more specifically the 2014 FIFA World Cup. We therefore analyze symbolic and discursive elements used to represent an imagined nation, making sense to both the internal and external publics in a competitive context of space production for the implementation of transnational events. We investigated which elements of national memory where employed and resignified in shaping of a national identity during the World Cup, and how they were used. The starting point was the understanding that the mega-events are of great strategic value, since they promote the image of the host country internationally. These are mass public directed events with highly global media visibility which explore the symbolic elements of the country social memory. The mega-events affect the large public’s lives, dreams, memories, and time due to its ability to dramatize and globalize the present as a media event. The subject was investigated from the notion of Foucault’s dispositive, understanding the sports mega-events as catalysts, that is, as something able to articulate heterogeneous elements in an intricate interplay of interacting forces. Based on the concept of the dispositive as theoretical and methodological foundation, and the idea of the myth of racial democracy and cordiality as homogeneous representations of the Brazilian people, a network that could be weaved between heterogenous elements related to the country collective memory was established. Among the results, it is possible to highlight the understanding of the World Cup as a memory dispositive which exhibiting fragments of its national memory elements, instigates the double behavior of remembering and forgetting inherent in the recall process, in addition to the possibility of taking memory as media, in a mediation process, producing significance and structuring the meaning, as well as establishing various temporalities, modeling and ordering interaction processes.

Sumário

INTRODUÇÃO, 15

CAPÍTULO 1 – MEGAEVENTOS E SUAS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS, 30
1.1. EXPOSIÇÕES UNIVERSAIS DO SÉCULO XIX: UM MODELO PARA OS MEGAEVENTOS CONTEMPORÂNEOS, 32
1.2. MEGAEVENTOS ESPORTIVOS COMO EVENTOS MIDIÁTICOS, 42
1.3. PRINCIPAIS MUDANÇAS: MEGAEVENTO COMO UM MODELO DE NEGÓCIOS, 53

CAPÍTULO 2 – MEGAEVENTOS E SEUS PROCESSOS DE INSTITUCIONALIZAÇÃO:
A FIFA COMO AGÊNCIA, 63
2.1. FIFA: UMA AGÊNCIA COMERCIAL, 66
2.2. FIFA: UMA AGÊNCIA POLÍTICA, 83

CAPÍTULO 3 – SIMBOLISMOS DA COPA DO MUNDO: UM CAMPO EM DISPUTA, 99
3.1. FIFA: UMA AGÊNCIA SIMBÓLICA, 100
3.2. O DISPOSITIVO MEGAEVENTO E A COPA DO MUNDO COMO DISPOSITIVO DE MEMÓRIA, 111

CAPÍTULO 4 – COPA DO MUNDO COMO DISPOSITIVO DE MEMÓRIA: O MITO DA
DEMOCRACIA RACIAL, 135
4.1. A COLONIZAÇÃO DOS VIKINGS: O PONTO NODAL, 137
4.2. CONEXÕES POSSÍVEIS: CONTRADIÇÕES DA MEMÓRIA SOCIAL DO PAÍS, 149
4.2.1. CAMPANHAS PUBLICITÁRIAS, 150
4.2.2. SOMOS TODOS IGUALMENTE DIFERENTES, 161

CAPÍTULO 5 – COPA DO MUNDO COMO DISPOSITIVO DE MEMÓRIA: O MITO DA
CORDIALIDADE, 174
5.1. AS PROMESSAS DE LEGADO E A BOMBA RELÓGIO, 176
5.2. JORNADAS DE JUNHO: O PONTO NODAL, 191

CONSIDERAÇÕES FINAIS, 207

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS E FONTES, 217
APÊNDICE, 252

Referência

ZIVIANI, Paula. Megaeventos e a conformação de uma identidade nacional: a Copa do Mundo como dispositivo de memória. 2016. 276 f. Tese (Doutor em Comunicação Social) - Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2016.