O preconceito dentro e fora das quatro linhas

Autores

Luiz Fernando Rodrigues Lemes

Subtítulo

o papel dos jornalistas goianos no debate sobre a homossexualidade masculina no futebol

Orientador

Ana Carolina Rocha Pessôa Temer

Banca

Magno Luiz Medeiros da Silva, Fernando Segura Millan Trejo

Faculdade / Instituição

Faculdade de Informação e Comunicação, Universidade Federal de Goiás

Tipo

Tese

Área de concentração

Mestrado em Comunicação

Ano

2019

Páginas

226

Cidade

Goiânia

Resumo (pt)

Este trabalho contribui com a discussão sobre a importância do jornalismo esportivo no debate sobre a participação de homossexuais masculinos no futebol e o papel dos jornalistas sobre a discussão acerca da homofobia nos estádios em Goiânia, capital de Goiás. A pesquisa se propõe a analisar o posicionamento dos jornalistas sobre a homossexualidade no futebol para compreender até que ponto a atuação desses profissionais pode contribuir para o debate sobre as perseguições no esporte mais disputado do Brasil. Para alcançar essas finalidades, a parte teórica deste trabalho está dividida em três partes, sendo que a primeira se destina a definir uma contextualização sócio-histórica e cultural da posição social ocupada pelos homossexuais no Brasil e em Goiás, avançando para o campo mais específico do futebol local. Nesse sentido, busca-se compreender as origens e o contexto de perseguição da homossexualidade masculina no futebol na tentativa de entender os motivos para uma possível ausência (ou a não aceitação da presença) de homossexuais nessa modalidade esportiva. Na segunda parte, abordam-se as principais características que tornam o futebol uma prática viril, agressiva e masculinizada por alguns grupos de poder das arquibancadas. Além da violência física, trata-se também da violência simbólica que estrutura uma barreira imperceptível de acesso aos homossexuais no futebol. Este capítulo também aborda a condição cidadã desse grupo minoritário no futebol e as condições de acesso aos meios de comunicação como prática da cidadania. Por fim, a terceira parte fala especificamente do jornalismo esportivo, apresentando as principais características, equívocos, critérios de seleção e algumas indicações para o agendamento e o silenciamento de notícias no jornalismo esportivo. Para alcançar esse resultado, foram realizadas 18 entrevistas com jornalistas dos principais veículos do estado (rádio, TV e impresso) que abrem espaço para o esporte. Esse material foi submetido à análise de conteúdo com o objetivo de categorizar as respostas dos profissionais de comunicação. Os resultados apontaram que os jornalistas não consideram o tema importante para a cobertura jornalística por se tratar de um assunto que carece de personagens (notoriedade). Por sua vez, as práticas homofóbicas nas arquibancadas foram classificadas pelos entrevistados como manifestações culturais das torcidas e atos naturais no ambiente esportivo, o que demonstra uma naturalização do preconceito.

Palavras-chave: futebol; heteronormatividade; homossexualidade masculina; jornalismo esportivo; silenciamento.

Abstract

This work contributes to the discussion about the importance of sports journalism in the debate about the participation of male homosexuals in Brazilian soccer and the homophobic practices of the journalists who make sports coverage in Goiânia, Goiás. The research proposes to analyze the position of journalists on the homosexuality in soccer to understand to what extent the performance of these professionals can contribute to the debate about the persecutions in the most disputed sport of Brazil. In order to achieve these goals, the theoretical part of this work is divided into three parts, the first of which is to define a sociohistorical and cultural contextualization of the social position occupied by homosexuals in Brazil and Goiás, moving to the more specific field of the local football. In this sense, the aim is to understand the origins and context of the persecution of male homosexuality in football in an attempt to understand the reasons for a possible absence (or non-acceptance of the presence) of homosexuals in this sporting modality. In the second part, the main characteristics that make football a virile, aggressive and masculinized practice by some power groups of the stands are discussed. Besides physical violence, this work talks about symbolic violence that structures an imperceptible barrier to accessing homosexuals in football. This chapter also addresses the citizen status of this minority group in football and the conditions of access to the media as a practice of citizenship. Finally, the third part deals specifically with sports journalism, presenting the main characteristics, misconceptions, selection criteria and some indications for scheduling and silencing news in sports journalism. To achieve the aims, 18 interviews were conducted with journalists from the state’s main vehicles (radio, television and newspaper) that open space for sports. This material was submitted to content analysis with the objective of categorizing the responses of the communication professionals and. The results pointed out that journalists do not consider the topic important for journalistic coverage because it is a matter that lacks characters (notoriety). In turn, the homophobic practices in the stands were classified by the interviewees as cultural manifestations of the bleachers and natural acts in the sports environment, which demonstrates a naturalization of prejudice.

Keywords: soccer; heteronormativity; male homosexuality; sports journalism; silencing.

Sumário

INTRODUÇÃO, 11

A FUNÇÃO DO JORNALISMO ESPORTIVO NO DEBATE SOBRE A HOMOSSEXUALIDADE MASCULINA, 15
1. HOMOSSEXUALIDADE MASCULINA E FUTEBOL, 20
1.1. Sobre a definição de homossexualidade, 20
1.2. Breve história da homossexualidade, 23
1.3. Raízes da homossexualidade no Brasil, 26
1.4. Aspectos legais, 27
1.5. Homossexualidade masculina em Goiás, 31
1.6. Homofobia, poder e heteronormatividade, 36
1.7. Masculinidade e homofobia no esporte, 41

2. VIOLÊNCIA NAS ARQUIBANCADAS E CIDADANIA, 47
2.1. Virilidade e processo civilizador, 48
2.2. Violência no futebol brasileiro, 53
2.3. Violência simbólica no futebol, 57
2.4. Cidadania no esporte, 64
2.5. Acesso à comunicação, 71

3. CAMINHOS DA PESQUISA, 75
3.1. Recortando o objeto, 75
3.2. Corpus, 79
3.3. Análise de Conteúdo, 81

4. PERCEPÇÕES DOS JORNALISTAS ESPORTIVOS, 83
4.1. Contexto e precaução nas entrevistas, 83
4.2. Algumas reflexões prévias sobre o jornalismo esportivo, 86
4.3. Origem do interesse, 87
4.4. Profissão, 89
4.5. Cultura machista e homofóbica: o olhar dos jornalistas sobre os outros, 96
4.6. Heteronormatividade no futebol e no jornalismo esportivo, 102
4.7. Critérios de noticiabilidade e rotina produtiva, 110

CONSIDERAÇÕES FINAIS: O JORNALISMO ESPORTIVO E A COBERTURA DA HOMOFOBIA, 129

REFERÊNCIAS, 138
APÊNDICES E ANEXOS, 147

Referência

LEMES, Luiz Fernando Rodrigues. O preconceito dentro e fora das quatro linhas: o papel dos jornalistas goianos no debate sobre a homossexualidade masculina no futebol. 2019. 226 f. Tese (Mestrado em Comunicação) - Faculdade de Informação e Comunicação, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2019.