O predomínio do entretenimento no jornalismo esportivo brasileiro

Autores

Carlos Henrique de Souza Padeiro

Orientador

Luciano Victor Barros Maluly

Banca

Eneus Trindade Barreto Filho, Ary José Rocco Junior

Faculdade / Instituição

Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo

Tipo

Dissertação

Área de concentração

Mestrado em Ciências da Comunicação

Ano

2015

Páginas

126

Cidade

São Paulo

Resumo (pt)

Os processos de absorção do jornalismo pela indústria cultural e de espetacularização de modalidades de alto rendimento têm intensificado a exploração do esporte como produto de entretenimento dentro da cobertura especializada. Originalmente lúdica, a atividade esportiva tornou-se um negócio altamente lucrativo, nas últimas três décadas, para as entidades que organizam as competições e para os patrocinadores, entre eles grandes empresas de comunicação. A constante veiculação de imagens e informações sobre equipes e atletas midiáticos faz a sociedade absorver o esporte como artigo da indústria do entretenimento. Por meio da análise das pautas do Globo Esporte/SP e do Caderno de Esportes, principais telejornais esportivos diários da Rede Globo e do Esporte Interativo, respectivamente, a dissertação mostra que esses programas priorizam o aspecto da diversão, em busca da audiência. Prescinde-se de um aprofundamento em temas como política e economia do esporte, pois o futebol, com os resultados da rodada e o dia a dia dos clubes e dos jogadores mais populares, domina o noticiário. No caso da Rede Globo, detentora dos direitos de transmissão de diversos campeonatos nacionais e internacionais, seu único telejornal esportivo diário funciona como parte da engrenagem para promover os grandes eventos que compõem a ampla teia de negócios do conglomerado de comunicação e seus parceiros comerciais. O Esporte Interativo, empresa nova e em crescimento, adota a mesma estratégia ao privilegiar os campeonatos dos quais é proprietário. Além disso, reproduz os assuntos de seus concorrentes, numa lógica para disputa de audiência e para atrair anunciantes. Segue-se um modelo pronto e repetitivo, envolvendo os mesmos assuntos e personagens, como jogadores, treinadores e dirigentes dos grandes clubes. Ao público é oferecida uma mercadoria para consumo passivo, sem reflexões, sem questionamentos, sem aprimorar o esporte. O espaço para a atividade física como ferramenta educacional é restrito. Num mundo mediado por imagens, ampliar e equilibrar a agenda esportiva é um desafio para os profissionais de comunicação, e esse debate deve partir da academia. O predomínio do esporte espetáculo e do entretenimento esvazia a crítica e desfavorece o exercício do jornalismo de interesse público, que deveria contribuir para a transformação da sociedade em todos os setores.

Abstract

The process of absorption of journalism by the culture industry and the spectacularization of high performance sports have increased the exploration of sport as entertainment inside the media specialized. Originally ludic, the sport activity has become a highly profitable business, in the last three decades, for the federations that organize competitions and for sponsors, including big media companies. The constant flux of images and information over popular teams and athletes makes the society absorb the sport as product of Entertainment Industry. This Master’s dissertation presents an analysis of Globo Esporte/SP and Caderno de Esportes, the most influential daily sports newscasts at Globo and Esporte Interativo, respectively, to show that these TV programs prioritize the aspects of amusement, to reach large audience. There is not a deeper analysis in issues as politic and economy of sports. The football (results and information – over the most popular players and teams) dominates the news. Rede Globo pays huge sums of money for the rights to broadcast many national and international tournaments, so Globo Esporte is part of a strategy to promote these major events and benefit the communication conglomerate and its commercial partners. Esporte Interativo, a new TV station in growth stage, adopts the same strategy for privileging the events with rights owned by the company. Besides, Esporte Interativo reproduces the agenda of other TV stations, to dispute audience and to attract advertisers. The sports newscasts follow a repetitive model, involving the same themes and persons – players, coaches and directors of football teams and others mediatic modalities. To the public is offered a content for passive consumption, without reflections and discussions to improve the sport. The space to work physical activity as educational way is limited. In a world supported by images, the challenge for the professionals of communication is to enlarge and balance the sport agenda. This debate should start in the academy. The predominance of sporting mega-events, just for entertainment, disrupts journalism as public interest, that should be contributing to the transformation of society over different sector.

Sumário

  1. INTRODUÇÃO, 12
  2. EM BUSCA DO CONCEITO DE ENTRETENIMENTO NO JORNALISMO ESPORTIVO, 16

2.1. Jornalismo especializado em Esporte, 16

2.2. Entretenimento: diversão e indústria, 19

2.3. O jornalismo mercantilizado, 22

2.4. A absorção do jornalismo esportivo pela indústria do entretenimento, 25

2.5. Infotenimento, 30

2.6. O infotenimento no Jornalismo Esportivo, 33

  1. O ENTRETENIMENTO NA HISTÓRIA DO JORNALISMO ESPORTIVO BRASILEIRO, 37

3.1. O início do noticiário esportivo, 39

3.2. As origens da transmissão esportiva, 42

3.3. Crônicas e artigos na editoria de Esporte, 45

3.3.1. Literatura, ficção e análises, 47

3.4. Coluna social (ou “coluna de mexericos”), 50

3.5. Televisão e espetáculo, 53

3.6. Webjornalismo, 58

  1. ESTUDO DE CASO: OS PROGRAMAS GLOBO ESPORTE E CADERNO DE ESPORTES, 61

4.1. Globo Esporte/SP: tradicional e regional, 62

4.2. Caderno de Esportes: recente e nacional, 64

4.3. Procedimentos metodológicos, 66

4.4. Análise do Globo Esporte, 67

4.4.1. Programa 1, 67

4.4.2. Programa 2, 71

4.4.3. Programa 3, 73

4.5. Análise do Caderno de Esportes, 77

4.5.1. Programa 1, 77

4.5.2. Programa 2, 82

4.5.3. Programa 3, 84

4.6. Análise dos resultados, 86

  1. CONSIDERAÇÕES FINAIS, 91

REFERÊNCIAS, 95

APÊNDICE A – TRANSCRIÇÃO DA ENTREVISTA COM FÁBIA ANGÉLICA DEJAVITE, 103

APÊNDICE B – PERGUNTAS ENVIADAS A TIAGO LEIFERT, 107

APÊNDICE C – TABELAS PROGRAMAS GLOBO ESPORTE, 109

APÊNDICE D – TABELAS PROGRAMAS CADERNO DE ESPORTES, 116

Referência

PADEIRO, Carlos Henrique de Souza. O predomínio do entretenimento no jornalismo esportivo brasileiro. 2015. 126 f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Comunicação) - Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.