Práticas de violência e mortes de torcedores no futebol brasileiro

Autores

Mauricio Murad

Periódico / Revista

Revista USP

Cidade

São Paulo

Número

n.99

Páginas

p.139-152

Ano

2013

Área de concentração

Ciências Humanas

ISSN

01039989

Resumo (pt)

Este artigo analisa as relações entre a violência e o futebol no Brasil, estudando seus casos extremos: as mortes de torcedores causadas pelos conflitos entre torcidas. O Brasil é um dos países com maior número de mortes entre torcedores de futebol. Dados quantitativos e informações qualitativas foram correlacionados para se entender melhor as causas dessas violências e para se reprimir e prevenir o vandalismo. A metodologia integrou técnicas quantitativas com análises qualitativas, as quais se basearam nos parâmetros dos órgãos da segurança pública e da justiça brasileiras, além de interpretações sociológicas e históricas. A recolha dos dados para o mapeamento dos torcedores mortos foi feita em jornais e revistas, e a confirmação e aprofundamento, nos inquéritos das delegacias policiais.

Abstract

 This paper analyzes the relationship between violence and soccer in Brazil, focusing on its extreme cases, such as the death of soccer fans due to conflicts among supporters. Brazil is one of the leading countries in soccer-related violence (deaths included). In order to better understand the violence causes, as well as to repress and prevent vandalism, this research combines qualitative and quantitative data. The research methodology includes quantitative techniques and qualitative analyses, which were based on the parameters used by the Brazilian National Security and the Brazilian Justice System. In addition, the research was also based on sociological and historical facts. The research data used to map the dead supporters were collected from newspapers and magazines; and the confirmation and deeper study from analyzing police investigations.

Referência

MURAD, Mauricio. Práticas de violência e mortes de torcedores no futebol brasileiro. Revista USP. São Paulo, n.99, p.139-152, 2013.

Acesse o site da Revista USP