Revolução Vascaína

Autores

João Manuel Casquinha Malaia Santos

Subtítulo

a profissionalização do futebol e a inserção sócio-econômica de negros e portugueses na cidade do Rio de Janeiro (1915-1934) São Paulo

Orientador

Esmeralda Blanco B. de Moura

Banca

Flavio de Campos, Hilário Franco Junior, Luiz Henrique de Toledo, José Paulo Florenzano

Faculdade / Instituição

Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo

Tipo

Tese

Área de concentração

Doutorado em História

Ano

2010

Páginas

489

Cidade

São Paulo

Resumo (pt)

O presente trabalho é um estudo sobre os primeiros anos do futebol carioca, sua inserção no mundo capitalista e seu papel como catalisador de uma ordem social competitiva necessária ao desenvolvimento pleno deste sistema econômico durante a Primeira República e os primeiros anos da Era Vargas. A pesquisa recai sobre um clube em especial, o Vasco da Gama. Seus dirigentes, na maior parte das vezes ligados à classe empresarial da colônia portuguesa, tomaram atitudes inovadoras e até mesmo revolucionárias para o período. Enquanto os principais clubes da Capital defendiam um futebol elitizado, branco e amador, os diretores vascaínos introduziram em seu recém-montado time de futebol elementos das mais variadas camadas da sociedade, muitos deles mulatos e negros, e, em sua maioria, analfabetos, profissionalizando-os. Construíram aquele que chegou a ser o maior estádio de futebol da América do Sul e transformaram o clube em um dos maiores do mundo em menos de vinte anos de prática deste esporte. Dessa maneira, a colônia portuguesa conseguiu meios para fugir ao preconceito exacerbado que sofria na cidade e inseriu definitivamente os jogadores de origem humilde no seio dos grandes clubes como proletários do futebol.

Palavras-chave: História – futebol – capitalismo – racismo – espetáculo de massa

Abstract

The present paper is the result of a study about the first years of football in Rio de Janeiro, its insertion in the world of capitalism and its role as the focus point of the competitive social order that was necessary to the full development of this economic system during the Primeira República (First Republican Period) and the first years of Era Vargas. The research focused mainly on one football club – Vasco da Gama. The club directors, most of which were somehow related to entrepreneurs from the Portuguese colony in the city, took innovative actions, which were quite revolutionary for that period. Whereas the main clubs in the capital city defended football as a white amateur practice for the elite, Vasco directors introduced players from the most varied social strata – many were black or mulatto, and most of them were illiterate – and attempted to professionalize them. They built a football stadium, which came to be the largest in South America, and changed their club into one of the most important clubs in the world, in less than twenty years dedicated to that sport. By doing so, the Portuguese colony found their ways to escape from the widespread prejudice of which they were victims in the city and definitely inserted players from lower-classes into the big clubs, changing them into football proletarians.

Keywords: History – football – capitalism – racism – mass entertainment

Sumário

Introdução, 2

CAPÍTULO 1 – Os sports na cidade do Rio de Janeiro
1.1 Uma cidade dos esportes, 15
1.2 A criação dos times de elite da cidade e de suas ligas, 33
1.3 O crescimento do futebol suburbano, 58

CAPÍTULO 2 – A comunidade portuguesa e a aventura nos sports
2.1 A cidade, os imigrantes e as associações portuguesas – o Vasco da Gama, 106
2.2. Os times grandes do Rio de Janeiro e o clube da Cruz de Malta
O Vasco no futebol, 119
Jogo de futebol: espetáculo urbano das multidões, 122
I Guerra Mundial: a mudança na geografia do futebol, 129
O Vasco da Gama no futebol: o time da colônia portuguesa, 133
Para conter o perigo, 141
Grandes x Pequenos, 152
Até estrangeiros.., 164
A preparação para o Sul-Americano, 166

CAPÍTULO 3 – Sport ou negócio?
3.1 Sul Americanos: ápice do esporte no país, 169
Quem manda: Rio ou São Paulo?, 170
Um campeonato de seleções no Brasil, 181
1922, o ano em que o Rio voltou a ser a capital sul americana dos sports, 185
3.2 A LMDT e a defesa do amadorismo, 190
Transferências, 193
Jogadores de futebol: brancos pobres e negros na nova ordem social competitiva, 199
3.3 O início da Revolução Vascaína, 206
Vasco da Gama: o scratch da suburbana, 209
Os proletários da bola, 212
Todos queriam jogadores do Engenho de Dentro, 214
O potencial vascaíno, 219
A queda da Lei do Estágio e a definitiva “Era das borboletas”, 223
3.4 A Popularização do Esporte e a Presença das “Torcidas”, 230
Futebol e movimento operário, 237
A busca pelo grande time, 239
O Caso Quintanilha-Esquerdinha, 241

CAPÍTULO 4 – A Revolução Vascaína
4.1 1922: Vasco, Campeão da série B da 1ª Divisão, 249
Às Vésperas da Revolução Vascaína, 249
O Vasco e a aplicação da fórmula: bons jogadores, ampliação de estádios e vitória, 250
O Campo da Rua Moraes e Silva, 261
Futebol e República: a questão dos analfabetos, 264
4.2 1923: O Vasco Campeão da série A da 1ª Divisão, 274
A Montagem do time, 278
O Time do Povo, 283
Estádios lotados: festa e dinheiro, 285
O Melhor time do Rio de Janeiro, 291
Uma máquina de ganhar jogos e fazer dinheiro, 297
O Maior jogo da cidade, 302
Arrancada para o título, 309
4.3. A elite do futebol se volta contra o Vasco, 313
Campeonato Brasileiro, Sul Americano: as novas estrelas, 317
A AMEA e o golpe dos grandes clubes, 319
O Vasco era grande demais para os pequenos, 334
4.4 Da volta aos grandes a São Januário, 344
São Januário, 348

CAPÍTULO 5 – O Vasco e a legalização do futebol profissional no Brasil
A força do Vasco, 358
5.1 Excursão do Vasco, 362
As Excursões dos times de futebol: soluções financeiras, 364
O Vasco da Gama vai à Europa, 368
Barça: més que um Club, 371
5.2 Fausto e Jaguaré: primeiros craques negros brasileiros na Europa, 381
Os primeiros profissionais do futebol carioca, 383
Os Brasileiros em Barcelona, 390
5.3 La Febre Paulistana y Carioca, 391
O Futebol Argentino, 392
O Futebol Uruguaio, 397
A seleção e os times brasileiros: vitrine de craques sem contrato, 402
Craques Paulistas e Cariocas em alta no mercado internacional, 405
5.4 O Vasco na era profissional, 413
A Liga Carioca de Football, 413
Um Time de Estrelas e mais um título: o Vasco e o futebol legalmente profissionalizado, 419

Considerações finais, 429

Iconografia, 435

Anexos, 464

Fontes, 474

Bibliografia, 481

Referência

SANTOS, João Manuel Casquinha Malaia. Revolução Vascaína: a profissionalização do futebol e a inserção sócio-econômica de negros e portugueses na cidade do Rio de Janeiro (1915-1934) São Paulo. 2010. 489 f. Tese (Doutorado em História) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.