Trabalho, greves e futebol

Autores

Victor Emrich

Subtítulo

luta, identidade e sociabilidade na formação da classe trabalhadora friburguense (1911-1933)

Orientador

Marcelo Badaró Mattos

Banca

Marcos Alvito Pereira de Souza, Ricarda da Gama Rosa Costa

Faculdade / Instituição

Departamento de História, Universidade Federal Fluminense

Tipo

Dissertação

Área de concentração

Mestrado em História Social

Ano

2007

Páginas

153

Cidade

Niterói

Resumo (pt)

Este trabalho centra sua análise na formação da classe trabalhadora em Nova Friburgo no período constituído entre 1911 e 1933, entendendo como fundamentais as relações decorrentes do conflito entre capital e trabalho. O recorte cronológico tem por idéia localizar o início do processo de consolidação das indústrias na cidade, ainda em 1911, visualizando, neste momento, disputas entre grupos da classe dominante que culminariam na “Noite do Quebra-Lampiões”, envolvendo também outros atores, como as classes populares. A partir de então, a classe operária em formação levantaria várias bandeiras de protestos coletivos, redundando em algumas greves durante a década de 1910 e 1920. Embora algumas não tenham obtido o conjunto de suas reivindicações, contribuíram para um profundo amadurecimento da classe, que ficaria patente na grande greve de 1933, envolvendo várias forças e vários atores sociais. Portanto, desenvolvo a hipótese de que a classe trabalhadora friburguense passou por um processo de fazer-se entre 1911 e 1933, e que a visão harmoniosa que se tentou associar à cidade – como o mito da “Suíça Brasileira – não se revelava na prática, haja vista os vários momentos de enfrentamento entre trabalhadores e capitalistas. Contudo, uma parte significativa dessa consciência de classe que se forjara, estaria diretamente ligada às formas de sociabilidade desses trabalhadores e, de maneira especial, ao futebol. Numa cidade que dificultava o contato entre operários, em função da distribuição espacial das fábricas, o esporte bretão surgia como uma possibilidade de criação de laços identitários, como a fundação do Esperança Foot-Ball Club mostraria. Porém, antes mesmo da criação de tal clube, os dirigentes das fábricas – em sua maioria, alemães ou descendentes – fundariam também um time de futebol chamado Friburgo FootBall Club. A partir da constituição desses dois clubes, é notário o quanto o campo de futebol se revestiu em uma arena de luta de classes, uma vez que muitos dos confrontos não terminaram de forma amistosa. E, tal situação se agravaria ainda mais, quando da criação de um terceiro clube, surgido de dentro do Friburgo F. C., que seria o Fluminense A. Club, complexificando ainda mais as disputas futebolísticas na cidade. Assim, através do futebol e das várias organizações de classe – entre as quais, o Partido Comunista e os Sindicatos – foi possível aos trabalhadores se identificarem e atuarem enquanto classe, como a greve de 1933 provaria.

Abstract

This work centers its analysis in the formation of the diligent classroom in Nova Friburgo in the period consisting between 1911 and 1933, understanding as the decurrent relations of the conflict between capital and work basic. The chronological clipping has for idea to locate the beginning of the process of consolidation of the industries in the city, still in 1911, visualizing, at this moment, disputes between groups of the ruling class that would culminate in the “Night of Break”, also involving other actors, as the popular classrooms. From now on, the laboring classroom in formation would raise some flags of collective protests, resulting in some strikes during the decade of 1910 and 1920. Although some have not gotten the set of its claims, they had contributed for a deep matureness of the classroom, that would be clear in the great strike of 1933, involving some social forces and some actors. Therefore, I develop the hypothesis of that the friburguense diligent classroom passed for a process to become enters 1911 and 1933, and that the harmonious vision that if tried to associate with the city – as the myth of “Brazilian Switzerland – did not show in practices, have seen the some moments of confrontation between workers and capitalists. However, a part meant of this conscience of classroom that if it forges, would be directly on to the forms of sociability of these workers and, in special way, to the soccer. In a city that made it difficult the contact between laborers, in function of the space distribution of the plants, the Breton sport appeared as a possibility of creation of identidad bows, as the foundation of the Hope Foot-Ball Club would show. However, before exactly of the creation of such club, the controllers of the plants – in its majority, Germans or descendants – would also establish a teams of called soccer Friburgo Foot-Ball Club. From the constitution of these two clubs, are notary how much the soccer field if coated in an enclosure for bullfighting of fight of classrooms, a time that many of the confrontations had not finished of friendly form. E, Such situation if would aggravate still more, when the creation of one third club, appeared of inside of Friburgo F.C., that the Club would be the Inhabitant of the state of Rio de Janeiro., that complexificating still more the football disputes in the city. Thus, through the soccer and of the some organizations of classroom – between which, Communist Party and the Unions – was possible to the workers if they had identified and to act while classroom, as the 1933 strike would prove.

Sumário

INTRODUÇÃO, 1

CAPÍTULO I – URBANIZAÇÃO, INDUSTRIALIZAÇÃO E POLÍTICA, 11
Aspectos Gerais de Nova Friburgo na Virada do Século XIX para o Século XX, 11
Conservadores Versus Liberais, 16
O Grupo Conservador: Coronel Galiano das Neves e sua Influência, 18
Galdino do Valle e o Projeto Liberal, 19
Política e Industrialização, 21
O Mito da Suíça Brasileira, 31
A Revolução de 1930 e as Mudanças Políticas em Nova Friburgo, 33

CAPÍTULO II – REAÇÕES DOS TRABALHADORES FRIBURGUENSES
AO CAPITAL: AS GREVES DO PERÍODO, 36
A Greve de 1917 na Fábrica Ypú, 42
A Greve de 1918 na Arp e na Ypú, 49
A Greve dos Ferroviários, 51
Novamente uma Greve na Ypú na e Arp, 54
A Greve na Fábrica Filó, 64
A Greve de 1933, 69

CAPÍTULO III – FUTEBOL E LUTA DE CLASSES, 76
Surge o Esperança Foot-Ball Club, 85
O Esperança e seus primeiros confrontos, 89
As Comemorações do Centenário de Nova Friburgo e a Ausência do Esperança
Foot-Ball Club, 96
O Início dos anos 1920 e a Popularização do Futebol, 99
Disputas Intraclasse: A Fundação do Fluminense A. C., 102
Friburgo e Esperança Voltam a se Confrontar, 105
A Luta de Classes se Acirra, 108
A Fundação de uma Liga de Futebol e o Primeiro Torneio Oficial da Cidade, 114
A Inauguração do Campo do Esperança e um Novo Campeonato Municipal, 118
O Campeonato de 1931 e a Vitória do Esperança: Acirramento Profundo da Luta de Classes a Partir desta Conquista, 123

CONCLUSÃO, 132
FONTES, 136
BIBLIOGRAFIA, 137

Referência

EMRICH, Victor. Trabalho, greves e futebol: luta, identidade e sociabilidade na formação da classe trabalhadora friburguense (1911-1933). 2007. 153 f. Dissertação (Mestrado em História Social) - Departamento de História, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2007.