Um estudo sobre cartões amarelos e vermelhos aplicados ao mandante e não mandante do jogo pelo árbitro de futebol

Autores

Vanessa Bellissimo

Orientador

Antonio Carlos Moraes

Banca

Evandro Rogério Roman, Miguel de Arruda

Faculdade / Instituição

Faculdade de Educação Física da Universidade Estadual de Campinas

Tipo

Dissertação

Área de concentração

Mestrado em Educação Física

Ano

2008

Páginas

83

Cidade

Campinas

Resumo (pt)

O número de variáveis que podem determinar o alto ou o baixo rendimento de uma equipe de futebol abrange aspectos de difícil controle. Uma variável interessante e de polêmica discussão diz respeito à arbitragem no jogo de futebol que em geral permeia a intervenção dos árbitros no resultado final de uma partida. Nesse contexto, é possível a hipótese de que os árbitros tomem decisões dentro de uma partida, influenciados pela torcida, pelo mandante do jogo ou por “valores agregados” (tradição da camisa, histórico de vitórias e etc.) deste ou daquele time. Ainda que caiba salientar que o número de cartões amarelos e vermelhos possam não interferir diretamente no resultado de uma partida, essas sanções disciplinares são manifestações objetivas dentro da partida, decididas pela interpretação do árbitro. Esse estudo foi feito com o objetivo de analisar e promover correlações estatísticas que pudessem apontar concretamente a possível interferência que o numero de cartões aplicados pelos árbitros exerce sobre as partidas de futebol, levando em consideração o local do jogo, a posição dos jogadores e os árbitros. Foram investigadas 2.352 partidas de futebol dos Campeonatos Paulista e Brasileiro de 2003, 2004, 2005 e 2006. O número de cartões amarelos e vermelhos assinalados pelo árbitro foi a variável observada nessas partidas. Os resultados apontaram para um menor número de cartões amarelos e vermelhos recebidos pelos times mandantes um maior número de partidas vitoriosas em comparação com os times não mandantes. As posições que mais receberam cartões amarelos foram as de volante e zagueiro, independente do mando de jogo. No caso dos cartões vermelhos, para os times mandantes, os zagueiros, atacantes e volantes receberam mais cartões, enquanto nos times não mandantes foram os volantes, zagueiros e laterais. Em relação ao numero de cartões aplicados nos campeonatos Brasileiro e Paulista pelos seis árbitros estudados, apenas os arbitro B (para os times mandantes) e C (para os times não mandantes) apresentaram diferenças estatisticamente significante, no caso dos cartões amarelos. Em geral, todos os árbitros aplicaram na maior parte das partidas entre dois e três cartões amarelos para cada time (mandante e não mandante) e poucos cartões vermelhos. Nesse estudo, concluiu-se que os times mandantes receberam menos cartões amarelos e vermelhos em relação aos times não mandantes, nos quatro anos estudados e nos dois campeonatos. Houve diferenças entre as posições que mais receberam cartões amarelos e vermelhos. E, no geral, os árbitros aplicaram números de cartões similares por partida, quando o mando de jogo e os campeonatos não foram levados em consideração.

Palavras-chave: Futebol; Árbitro; Cartão Amarelo; Cartão Vermelho.

Abstract

The number of variables that can determine the high or low performance of a football team covers aspects difficult to control. A variable interesting discussion and controversy relates to arbitration in the soccer game that generally permeates the intervention of the referees in the final outcome of a match. It is possible the chance that the referees decide within a match, influenced by the crowd, the principal of the game or by “aggregates” (tradition of the team, history of victories and so on.) of this or  hat time. In spite of the number of yellow and red cards can not directly interfere in the outcome of a match, these are manifestations disciplinary objective in the beginning, decided by the interpretation of the referee. We studied this theme, with the objective of reviewing and promoting correlations statistics that could indicate specifically the possible interference that the number of cards applied by referees exercises on the footballs matches, considering the location of the game, the positions of players and referees. We investigated 2352 soccer matches of the Brazilian and Paulista Championships of 2003, 2004, 2005 and 2006. The number of yellow and red cards marked by the referee was the variable observing in theses football matches. The results point out to a smaller number of yellow and red cards received by locals teams and a larger number of winnings matches compared with visitors teams. The positions of football players that more received yellow cards were the defensives midfielders and defenders, independent of the command of the game. In the case of red cards for the locals’ teams, the defenders, attackers received more cards and defensives midfielders, while the visitors’ teams were the defensives midfielders, defenders and the laterals. In relation to the number of cards applied in Brazilian and Paulista championships for the six referees analysed, only the referee B (for the locals’ teams) and C (for the visitors’ times) showed statistically significant differences in the case of yellow cards. In general, all the referee applied in most football matches between two and three yellow cards to each team (local and visitor team) and a few red cards. In this study we can conclude that the locals’ teams received less yellow and red cards in relation to the visitors’ teams, for four years and the two championships were studied. There were differences between the positions players that receive more yellow and red cards. And, in general, the referees applied the equals numbers of yellows and reds cards, per match, when the command of the game and the championships weren’t considering.

Keywords: Football; Referee; Yellow cards; Red cards.

Sumário

1. INTRODUÇÃO, 13
1.1 Justificativa, 16
1.2 Objetivo, 16

2. REFERENCIAL TEÓRICO, 17

3. METODOLOGIA, 33
3.1 As partidas, 33
3.2 Variáveis analisadas, 33
3.3 Tratamento Estatístico, 33
3.3 Tratamento Estatístico,34

4. RESULTADOS E DISCUSSÃO, 35
4.1 Comparação do número de cartões amarelos e vermelhos entre times mandantes e não mandantes, 35
4.1.1 Campeonatos Paulista e Brasileiro da Série A nos anos de 2003 a 2006, 35
4.1.2 Campeonato Paulista da Série A (2003 a 2006), 38
4.1.3 Campeonato Brasileiro da Série A (nos anos 2003 a 2006), 43
4.2 Números de cartões amarelos e vermelhos de acordo com a posição dos jogadores, 50
4.3 Freqüência do número de cartões amarelos e vermelhos aplicados aos times mandantes e não mandantes, por diferentes árbitros, 55
4.3.1 Árbitro A, 55
4.3.2 Arbitro B, 57
4.3.3 Árbitro C, 60
4.3.4 Árbitro D, 62
4.3.5 Árbitro E, 65
4.3.6 Árbitro F, 67

5. CONCLUSÕES, 73

REFERÊNCIAS, 76

Referência

BELLISSIMO, Vanessa. Um estudo sobre cartões amarelos e vermelhos aplicados ao mandante e não mandante do jogo pelo árbitro de futebol. 2008. 83 f. Dissertação (Mestrado em Educação Física) - Faculdade de Educação Física da Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2008.