Masculinidade e a hegemonia do falo em campo: um diálogo sobre a cultura do estupro #PorOutroFutebol (EP15)

Bernardo Gonzales, Fidel Machado

Cultura de estupro é uma expressão usada desde a década de 1970, mas só passou a ocupar maior espaço nos meios de comunicação de massa no Brasil na última década. Ainda que insuficiente, a massificação do termo cumpre um papel pedagógico em desnaturalizar as desiguais e opressoras relações de gênero, identificando os costumes que reproduzem comportamentos e práticas estruturantes da violência contra a mulher.

O futebol também compõe este ambiente. Por ser um elemento tão presente na cotidiano brasileiro, é responsável por perpetuar as dinâmicas de abuso e tolerar as mais variadas formas de violência, tendo em vista os casos recentes dos jogadores Bruno, Jean e Robinho.

Para debater esse assunto, os anfitriões Bernardo Gonzales e Fidel Machado recebem as pesquisadoras e militantes Soraia Costa e Aline Tavares. Conheça um pouco das convidadas:

Soraia Costa 
Educomunicadora, pesquisadora do grupo de Educação em Direito Humanos – UFABC, ativista e atacante no RosaNegra ADF

Aline Tavares
Doutoranda em Ciências Sociais (ICH/UFJF) e mestre em Antropologia Social (UNICAMP). Atualmente é pesquisadora do Núcleo de Pesquisa em Família, Emoções, Gênero e Sexualidade (FEGS) da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) e do Grupo de  pesquisa Observatório de Territórios Sustentáveis e Saudáveis da Bocaina (OTSS) da Fundação Oswaldo Cruz.