A Argentina fez sua parte

Equipe Ludopédio

24 anos depois a Argentina enfim chega a uma final de Copa do Mundo. Mais uma vez os holandeses ficaram no meio do caminho. A partida não manteve a boa média de gols da Copa do Mundo, mas mostrou dois futebóis – Argentino e Holandês – absolutamente pragmáticos e eficientes.

As bolas longas, contra-ataques e mano a manos foram eventos raros num jogo cuja a ocupação dos espaços foi uma grande marca. Sabella e Van Gaal ajustaram suas equipes ao longo da competição, não raro vendo alternâncias da linha defensiva com três, quatro ou até cinco homens.

A partida de ontem não permitiu que o então aclamado melhor jogador da Copa, Arjen Robben, e o quatro vezes bola de ouro, “El Pibe”, Lionel Messi pudessem respirar. A atuação dos destaques da partida se resumiu em dribles curtos, toques de lado, arrancadas bloqueadas por um combate duplo e uma sobra.

Raros lampejos fruto de algum descuido surgiam, como o lance que poderia ter mudado o rumo da classificação. Aos 46min do segundo tempo, Robben invade a área em oportunidade clara, única e derradeira do jogo. Com o pé na pequena área, Robben é travado por Javier Mascherano – o Dunga de 1994? – e impede o arremate holandês.

A prorrogação manteve certa cautela e absoluta atenção. No total de quase 130 minutos (com acréscimos) de futebol, apenas 25 faltas, apesar da intensidade do jogo.

A missão argentina era tão difícil e redentora que a missão holandesa. O time laranja não foi coroado com o título mundial novamente por detalhes, há quem diga. Não se classificou para a final pois disputa de pênaltis é loteria, certamente ouvirão dizer.

Certo é que Sérgio Romero teve um dia de Taffarel de 1994, ou mesmo do seu xará Sérgio Goycochea. Quem sabe alguma certeza da vitória que havia no time holandês tenha se tornado zelo excessivo. E quem sabe os deuses do futebol que castigaram a seleção brasileira estejam preparando a coroação definitiva de Lionel Messi.


HOLANDA (2) 0 X 0 (4) ARGENTINA

Local: Arena Corinthians, em São Paulo (SP)
Data: 9 de julho de 2014, quarta-feira
Horário: 17 horas (de Brasília)
Árbitro: Cuneyt Cakir (Turquia)
Assistentes: Bahattin Duran e Tarik Ongun (ambos da Turquia)
Público: 63.267 pessoas
Cartões amarelos: Martins Indi e Huntelaar (HOL); Demichelis (ARG)
Penalidades:
Robben e Kuyt converteram para a Holanda; Vlaar e Sneijder desperdiçaram
Messi, Garay, Aguero e Maxi Rodríguez converteram para a Argentina

HOLANDA: Cillessen; De Vrij, Vlaar e Martins Indi (Janmaat); Kuyt, De Jong (Clasie), Wijnaldum, Sneijder e Blind; Robben e Van Persie (Huntelaar)
Técnico: Louis Van Gaal

ARGENTINA: Romero; Zabaleta, Demichelis, Garay e Rojo; Mascherano e Biglia; Pérez (Palacio), Messi e Lavezzi (Maxi Rodríguez); Higuaín (Aguero)
Técnico: Alejandro Sabella

 

 

Galeria de imagens